A MENSALADA CANSOU – Início de grandes obras do governo Fábio Gentil deixa opositores de bico fechado

12.8.17
A lata d’água na cabeça não voltou. O tão alardeado atraso nos salários não aconteceu. O fim do mundo não chegou.

Tão logo as urnas anunciaram, em 03 de outubro de 2016, que o domínio da família Coutinho em Caxias havia chegado ao fim, várias figuras de proa do então grupo dominante, acompanhados por mensaleiros de média e baixa patente, trataram a disseminar nas redes sociais que o fim do mundo aconteceria, afinal, sem um membro da família Coutinho na Prefeitura a lhes garantir um salário no final do mês, a vida parecia não ter mais sentido algum.

O longo período acostumados a receber salários que variavam entre R$ 2 mil e R$ 11 mil deixou um séquito de seguidores do deputado Humberto Coutinho sem saber para onde ir e o que fazer. “E agora? O que é que eu vou fazer? Como vai ficar?”, repetia um vizinho, que tinha a esposa e duas filhas com cargos comissionados na Prefeitura de Caxias, mas que não havia preparado a família para um futuro sem o jeitinho do apadrinhamento político.

Atordoados, só restava a vingança via redes sociais, quando passaram a disseminar uma campanha de ataques e baixarias contra o prefeito Fábio Gentil e a todas as suas ações frente ao comando do município.

Ruas, praças e calçadas abandonadas durante 12 anos pelo grupo Coutinho passaram, nos protestos tresloucados de ex-mensalinhos, a serem de total responsabilidade dos primeiros dias da gestão FG.

A torcida pelo atraso de salários dos servidores municipais era enorme por parte dos integrantes do antigo grupo dominante. Contavam as horas pela chegada do dia 20 do mês de janeiro de 2017 acreditando que os salários não seriam depositados nas contas dos servidores. Quebraram a cara, pois o prefeito manteve o calendário de pagamento do funcionalismo nos mesmos moldes dos últimos 12 anos.

Principal bandeira do grupo Coutinho para justificar para o eleitorado que mereciam ficar no comando do município ad aeternum, os comunicadores da emissora coutinhiana estufavam o peito na exploração do fato que somente seres iluminados, e com o sobrenome Coutinho, poderiam ser capazes de garantir regularidade no pagamento dos salários e ainda com 10 dias antes do término do mês trabalhado. Aliás, de tão usado, o mote do pagamento antecipado dos salários teve sua importância diminuída diante do desgaste de 12 anos de domínio político e de inúmeras decisões equivocadas do governo Léo Coutinho.

Chegando ao oitavo mês da gestão Fábio Gentil, os seus opositores, mesmo aqueles mais ressentidos com o fim da tranquilidade de um gordo salário depositado todo mês na conta, demonstram cansaço e já diminuem o festival de baboseiras despejadas diariamente nas redes sociais.

Com o início das grandes obras anunciadas pelo prefeito nos 100 primeiros dias da sua administração, seus críticos ficaram anestesiados. Essa paralisia dos adversários deu-se por conta das mudanças no aspecto urbanístico da cidade, que, mesmo atrapalhando momentaneamente o trânsito, a população entende e apoia a realização das mesmas, afinal, a cidade passará por uma mudança como há muito tempo não se via e certamente vai devolver orgulho aos caxienses diante da beleza das intervenções da municipalidade.

O fato das grandes obras iniciadas pela administração Fábio Gentil serem todas feitas com recursos próprios é outro ponto que machuca seus opositores. Atordoados, os comunicadores atrelados a folha de pagamento da Assembleia Legislativa procuram agulha em palheiro para tentar encontrar argumentos para continuarem a campanha negativa contra o prefeito de Caxias. Fazem isso simplesmente para justificarem os altos salários recebidos.

Por falar em recursos próprios da Prefeitura, nem mesmo os ex-mensalinhos mais subservientes, e que fazem da bajulação aos seus antigos patrões a razão de viver, conseguem apontar uma obra, por menor que seja, feita com recursos do tesouro municipal nos 12 anos que a família Coutinho administrou a cidade, o que é uma tarefa impossível de ser realizada, pois não existe um único metro de calçada feita nesse período com recursos do FPM.

Mesmo diante da incapacidade de conseguirem formular críticas coerentes, alguns ex-mensaleiros, que conseguiram uma vaga de fantasma na Assembleia Legislativa, ainda se esforçam para manter acesso o que restou do grupo político de Humberto Coutinho na esperança de que um dia possam voltar a ter um gordo contracheque na Prefeitura de Caxias.

Muitos “caíram na real” e procuraram se viabilizar diante da nova realidade política da cidade. 

Grandes obras, eventos memoráveis, salários em dia e novas perspectivas projetam um novo rumo para o município.

Diante da nova realidade, os ex-mensaleiros assistem a caravana passar com o bico fechado.

Mesmo assim, custo a acreditar que a fase crítica da crise de abstinência tenha passado.

Vamos aguardar...

5 comentários:

  1. Eu postei aqui nesse blogue aceita aderrota que dói menos mensaleiros

  1. Anônimo disse...:

    Parabéns prefeito, agora a presencia de algumas pessoas a seu lado não dar, eles que te derrubam quando aparecem...

  1. Anônimo disse...:

    Parabéns pro cabeludo é pra Caxias e acredito que o mesmo fará uma boa administração e vamos pra reeleição...

  1. Anônimo disse...:

    Todos os pseudos analistas da politica ou mesmo os que se dizem "jornalista" terao que se calar quase que rotineiramente ao ritmo das obras e realizacoes da administracao Gentil-Marinho, ja que suas profecias e diagnosticos nao se concretizaram. Super casal agora esperamos que orientem melhor aos corjas e baboes de plantao a buscar novos horizontes em suas vidas. Tambem espero que essa oposicao insignificante comece a trabalhar de fato, ja que nao consta nada nos registros oficiais.

  1. Anônimo disse...:

    Essa vai para os assessores do Fábio, por favor avisem pra ele que as ruas do Eugênio Coutinho estão intragáveis, contamos com o apoio de vocês, nos ajudem por favor!

Postar um comentário