INSEGURANÇA - Nem atrás das grades caxienses se sentem seguros com onda de assaltos

15.7.14
Casas com grandes não são problemas
para os bandidos. Foto ilustrativa
Câmeras de segurança, grades nas janelas e portas, monitoramento 24 horas, Nem mesmo assim os caxienses se sentem seguros. A onda de assaltos que se espalha pelo município não tem dia nem hora para acontecer.

No último domingo, uma família foi vítima de uma possível nova modalidade de assalto no município, onde para o criminoso, não importa se a casa está rodeada de grades, para ele, o importante é que a porta ou janela estejam abertas, o suficiente para visualizar alguém dentro do imóvel que possa ficar na mira do revólver.

O caso ocorreu por volta das 19h do dia 13, na Rua São Vicente de Paula, no bairro Ponte. De acordo com informações, dois criminosos, aparentemente menores de idade, se aproximaram do local em uma motocicleta.

O condutor da moto ficou na cobertura. Já o outro indivíduo, se aproximou da porta da casa e mesmo do lado fora por conta do gradeado, visualizando as vítimas anunciou o assalto. Eles queriam dinheiro e principalmente o objeto "foco", aparelho celular.

Com a arma apontada para as vítimas, que estavam assistindo TV na sala da residência, o bandido recolheu dois aparelhos. Uma jovem que estava na mira do criminoso, disse não possuir o objeto e o bandido insistia. Ao ouvir das vítimas que ali residiam parentes de um policial militar, o assaltante empreendeu fuga.

Grande movimentação
Boa parte dos assaltos que estão ocorrendo em Caxias, de acordo com estatística da polícia, é praticada por menores. A motocicleta é o principal veículo utilizado no delito e na fuga. Geralmente eles agem em dupla.

Os criminosos buscam principalmente aparelhos celulares de última geração para vender no mercado negro. Os assaltantes agem principalmente nas áreas de pouca movimentação durante o dia, baixa iluminação à noite e nos arredores de grandes eventos, como festas, shows e reuniões.

Polícia ativa
Para tentar brecar esseS crimes, a polícia tem feito uma trabalho ostensivo através do Grupo de Operações Especiais, Força Tática, Esquadrão Águia e Serviço de Inteligência do 2º BPM.

Para ajudar na elucidação desses delitos, a polícia orienta que as vítimas precisam ligar para o 190, ou utilizar o aplicativo WhatsApp (99-99343074), bem como devem registrar ocorrência na DEPOL, o que facilita o trabalho de identificação, localização e prisão dos indivíduos. (Fonte: Mano Santos\Portal Noca)

0 comentários:

Postar um comentário