Caxias em quarto lugar entre as cidades mais violentas do Maranhão segundo pesquisa

14.7.14
Foi divulgada na última quarta-feira, 09, um estudo que lista as 500 cidades mais violentas do Brasil. O estudo tem como base o ano de 2012 e foi feito com dados retirados do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde.

Para tristeza daqueles que consideram nossa cidade como pacata e ordeira, estamos ocupando a 220a posição no Brasil e a 4a no Estado. Estamos ‘ganhando’ apenas de São Luís (130a posição nacional e 3ª no Estado); de Imperatriz (107a posição no Brasil e 2ª no Estado) e de Presidente Dutra (1a no Estado e 24ª no país).
 

Caxias consta nesse aparece nesse estudo com 53,8 homicídios por grupo de 100 mil habitantes.

Está no Art. 144 da Constituição que “a segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio”. Dito isto, cabe aos órgãos estaduais de polícia (civil e militar) preservar a vida das pessoas.

Vamos lá! A segurança de uma cidade também pode melhorar com a qualidade de vida dos seus habitantes. Um povo com uma boa educação, com empregos e saúde pública satisfatória certamente é um povo feliz.

A violência refletida em grande número de assassinatos não pode ser jogada simplesmente na responsabilidade do Estado. Não temos guerras de gangues na cidade que patrocinam tiroteios e que só acontecem pela falta de policiais. Um pai de família revoltado com a falta de emprego, e que enche a cara num bar, e lá comete um crime contra alguém não o fez por que não tinha policia por perto. A causa está na falta de perspectiva de vida para ele e para sua família.

As causas da violência em nossa cidade são muitas, mas não acredito que seja falta de policiamento nas ruas. Os homicídios que acontecem aqui tem muito a ver com os índices de qualidade de vida do nosso povo.

Mas é um debate que deve ser discutido a exaustão pela sociedade na busca das suas causas e também das soluções.

0 comentários:

Postar um comentário