O caos comunista no pós-José Reinaldo…

2.3.18
COMUNISTA X COMUNISTA. Portela e Cutrim desancam-se mutuamente, em uma
mostra do momento de descontrole do PCdoB no Maranhão

Membros do próprio partido do governador se atacam publicamente, outro chama o comunista de “filho da puta” e mais de uma centena de prefeitos manifestam desejo de pular do barco, numa das mais virulentas rebordosas de um rompimento político no Maranhão

A hecatombe causada pela decisão do ex-governador José Reinaldo Tavares (sem partido) de se afastar do governador Flávio Dino (PCdoB) tem gerado cada vez mais caos no seio do comunismo maranhense.

Além da manifestação de bastidores de mais de 100 prefeitos em favor de José Reinaldo – confirmando a mesma impressão de que Flávio Dino é um ingrato – os bate-boca público entre os próprios membros do PCdoB demonstra o momento de fragilidade do governo.

Filiados no mesmo partido do governador e colegas de profissão, o deputado Raimundo Cutrim e o secretário de Segurança Jefferson Portela se agridem publicamente desde o início da semana.

Cutrim diz que Portela cometeu erros que podem anular a operação que desbaratou uma quadrilha de contrabandistas; em resposta, Portela chama Cutrim de “Besta-fera” e “Demônio”, e sugere que o ex-secretário manipulou casos rumorosos. 

XINGOU ATÉ A MÃE. Levi Pontes partiu pra crime do governador na confissão de
mais um crime eleitoral

No caos comunista do pós-José Reinaldo sobrou até para o próprio Flávio Dino, chamado de “filho da puta” pelo deputado Levi Pontes, do seu próprio partido.

“Botar retrato de macho dentro de casa… Até no meu quarto de dormir eu tirei o da mulher e botei o dele. Não é possível que esse filho da puta [Flávio Dino] não me ajude […] Mão lavada, lava a outra. Se eu tô ajudando ele, então ele tem que me ajudar. Não tem comida de graça”, disse Pontes.

O descontrole público dos comunistas revela o quanto de desastre causou no seio do governo a retirada de José Reinaldo.

E pelo que se vê nos bastidores, o “Deus-nos-acuda” só tende a piorar…

Do Blog do Marco D’eça

0 comentários:

Postar um comentário