Roberto Rocha: “Vejo com tristeza um Governo paralisado por interdições ideológicas, avesso ao capital privado e ao empreendedorismo do seu povo”

6.11.16

Do Blog do Robert Lobato - Ótima e muito esclarecedora a entrevista do senador Roberto Rocha (PSB) publicada na edição deste domingo, 6, do Jornal Pequeno.

O socialista faz uma avaliação do resultado das eleições municipais no país e no Maranhão, comenta sobre a conjuntura política local e lamenta que o Governo do Maranhão ainda não tenha avançado em novas políticas que efetivamente alavanquem o desenvolvimento do estado.

Um dos responsáveis mais destacados pela engenharia política que culminou na vitória dele ao Senado Federal e de Flávio Dino ao Governo do Estado nas eleições de 2014, Roberto Rocha critica a postura do governador comunista frente ao seu projeto de criação de uma Zona de Exportação do Maranhão, criando um novo regime chamado exclave aduaneiro, capaz de transformar a Ilha de São Luis em um hub mundial de produtos. “Tive apoio no meio empresarial, na FIEMA, em nichos universitários, mas a rede institucional do Governo mostrou-se impermeável a discutir a ideia, sem ao menos contrapor outra em seu lugar. É nesse cenário, de arrogância ideológica, que surgem correntes capazes de formular um projeto para o Maranhão que seja mais plural e mais sintonizado com as demandas de nosso tempo.”

Confira a íntegra da entrevista com o senador Roberto Rocha:

Que análise o sr. faz dos resultados da eleição, no plano nacional?
Não tenho lembrança de nenhuma eleição que tenha provocado uma maior reacomodação das forças políticas nacionais, em tempos democráticos. Para ficarmos no exemplo mais dramático, o PT, que foi o partido que mais cresceu na última década, teve nestas eleições menos votos que o PSB ou o PDT, que são forças médias. Temos portanto um desenho de forças políticas completamente novo, que se projeta para as eleições de 2018.

E quem saiu ganhando com esse novo desenho?

Partidariamente, é claro, foi o PSDB. Ele sozinho conquistou quase 18% dos votos apurados nas urnas em todo o Brasil. Pra dar uma ideia do que isso significa, foi mais que o triplo dos votos obtidos pelo PT.

Do ponto de vista de liderança pessoal o maior vitorioso foi o governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, que se fortaleceu como o candidato natural do partido para disputar a Presidência da República, em 2018.

Mas terá que enfrentar outros nomes fortes do partido, não?

Sim, é verdade, mas nenhum deles reúne hoje o capital eleitoral do Geraldo e uma base de lançamento com a potência do Governo de São Paulo. Vale dizer que o PSB foi o principal parceiro nesse projeto, pois é o fiador da governança no Estado, pelas mãos do vice-governador Marcio França.

Então PSB e PSDB devem estar juntos em 2018

É o caminho natural da lógica política. Aliás, já foi o caminho trilhado pelo partido após a morte de Eduardo Campos, quando o PSB se engajou no segundo turno na candidatura de Aécio Neves.

E qual o efeito dessas novas configurações na eleição de 2018?

Em 2018, para presidente, a tendência é termos muitas candidaturas no primeiro turno, mas as forças políticas devem convergir para uma disputa no segundo turno entre basicamente duas forças: de um lado o PSDB e o PSB, em torno do governador Geraldo Alckmin, e do outro as forças da chamada esquerda que devem buscar uma renovação numa candidatura como a de Ciro Gomes, que poderá reunir, além do PDT, o PT, o PCdoB e um ou outro partido médio.

E no plano municipal e estadual, qual o efeito dessas novas configurações?

No municipal, o efeito já aconteceu nesta eleição. Todos sabem que o governador apostava suas fichas na candidatura do deputado estadual Bira do Pindaré, por não acreditar na capacidade de regeneração da administração do prefeito Edivaldo Holanda Jr. Mas o PSB nacional entendeu que o partido não poderia ser usado como saída de emergência do projeto do Governador, e eu mesmo tive que agir politicamente para garantir que o PSB correria em raia própria, mesmo com mínimas chances eleitorais. E o resultado nós vimos, o prefeito teve que desmontar o puxadinho do Palácio, pelo menos até o momento em que o próprio governador resolveu pular no bonde andando, quando as pesquisas apontaram a vitória do prefeito.

Vamos ver se na recomposição do secretariado do Prefeito vai prevalecer o Edivaldo que falou grosso no debate do segundo turno ou aquele que administrou o puxadinho, com voz mansa e cordata.

Já no plano estadual, o primeiro efeito será quebrar o espectro de alianças que elegeu o governador Flavio Dino em 2014. Naquela ocasião o Maranhão vivia uma circunstância de ruptura com um modelo político exausto e a realidade regional se sobrepôs à realidade nacional. Em condições normais, em 2018, isso não se repetirá. Uma aliança entre PC do B e PSDB, como aconteceu em 2014, seria algo teratológico.

E quais as forças que poderão se contrapor aqui ao grupo do governador?

Em razão da gravitação do campo nacional, é claro que o PSDB, assim como o PSB deverão compor um projeto diferente. Talvez o PMDB lidere uma terceira força e aí vem os partidos médios e pequenos que a circunstância política do momento deve determinar para onde pendem.

O seu nome pode liderar essa corrente de oposição?

Nós temos aqui no Maranhão uma tradição, alimentada pela mídia, de visualizar a política como uma disputa pessoal, uma briga de personalidades. É como se as afinidades pessoais ou as amizades determinassem as escolhas políticas. Nada mais falso. A disputa deve se dar por visões de mundo e capacidade de construir maiorias para formular um projeto para o Estado. Por enquanto não estão dadas as condições para a discussão de nomes, mas à medida que o Governo vai demarcando seu campo de atuação é possível identificar, na sociedade, expressões de desconforto com os rumos que vem sendo tomados.

Por exemplo?

O que eu vislumbro de mais grave é a ausência de um projeto generoso e ousado que formule uma inflexão no rumo de desenvolvimento do Estado. Pensar grande, projetar para o futuro um Maranhão que é possível construir a partir do que alcançamos nas últimas décadas.

Vejo com tristeza um Governo paralisado por interdições ideológicas, avesso ao capital privado e ao empreendedorismo do seu povo. Na origem, há boas intenções, mas a crença de fundo é de que apenas as ampliações de ganhos sociais e da consciência do povo é capaz de conduzir o Estado para um outro plano de conquistas. Por mais meritório que seja, essa agenda choca-se com a realidade e a experiência que nos mostra que somente o desenvolvimento das forças de produção pode alavancar a sociedade para um outro patamar de progresso civilizacional.

E o que o sr. tem a oferecer em contraste?

Os estados que mais cresceram no Brasil, nos últimos anos, como o Ceará ou o Tocantins, assim como o Piauí, partiram de uma base mínima de consenso da classe política para alavancar os seus indicadores educacionais, a partir de uma vigorosa ação política em favor da atração de capital e indústrias. O Ceará e o Piauí, comparados ao Maranhão, são quase inviáveis, pela pobreza de biomas e de recursos hídricos. No entanto nos ultrapassaram em todos os indicadores.

Veja que as eleições nesses estados não são marcadas por diferenças pessoais que transformam a disputa em verdadeiro pugilato retórico. São disputas de projetos. Mesmo a esquerda no Ceará, por exemplo, ainda que crítica, não nega o que foi plantado desde o governo Tasso Jereissati, que deu início à transformação do Estado.

Aqui no Maranhão, veja a que estamos reduzidos: uma gincana em que se discute quem asfaltou mais ruas nos municípios, quem inaugurou mais praças. Somos incapazes de estabelecer um consenso sobre a óbvia vantagem comparativa do Maranhão, em função da sua posição geográfica e das potencialidades do Complexo Portuário do Itaqui.

Nós somos o Estado capaz de viabilizar toda a produção agropecuária do Centro-oeste, a maior fronteira agrícola do planeta, e estamos discutindo o varejo da política. Está nas nossas mãos construir um futuro de possibilidades grandiosas, mas continuamos agindo como se o futuro viesse por inércia, por gravidade.

Recentemente eu formulei um projeto de criação de uma Zona de Exportação do Maranhão, criando um novo regime chamado exclave aduaneiro, capaz de transformar a Ilha de São Luis em um hub mundial de produtos. Tive apoio no meio empresarial, na FIEMA, em nichos universitários, mas a rede institucional do Governo mostrou-se impermeável a discutir a ideia, sem ao menos contrapor outra em seu lugar. É nesse cenário, de arrogância ideológica, que surgem correntes capazes de formular um projeto para o Maranhão que seja mais plural e mais sintonizado com as demandas de nosso tempo.

4 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Gostei da entrevista, a muito tempo não vi um político maranhense tão bem articulado, como um pensamento muito progressista e liberal. Que observe modelos de gestões que deram certo. Roberto Rocha para governador do Maranhão 2018.

  1. Anônimo disse...:

    kkkkkk é só ver a administração do Pai dele que você tira quem vai roberto rocha como governador. esse discurso é meramente eleitoreiro.

  1. Anônimo disse...:

    O maior traíra de todos os tempos...

  1. Anônimo disse...:

    Já virou senador, agora os outros que se lasquem

Postar um comentário