Governo apoia projeto de artesanato voltado para mulheres em Viana

1.11.16
Governador Flavio Dino, acompanhado do secretário da SAF, Adelmo Soares e do presidente da
Agerp, Júlio Cesar Mendonça, em visita ao estande da Economia Solidária para
conhecer o projeto “Meninas que sonham”

Durante a realização da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) Campos e Lagos, promovida no município de Viana entre 27 e 29 de outubro, jovens mulheres na faixa etária de 18 a 30 anos, puderam demonstrar para o público presente como o artesanato extraído do bambu, vime e guarimã, está transformando a realidade que vivem, por meio de um trabalho que exige técnica, paciência e toque feminino.

O projeto “Meninas que sonham”, desenvolvido pela ONG Akoni, que significa “Mulheres guerreiras” na língua africana Iorubá, existe há 9 anos, proporcionando capacitação para qualificação profissional, oportunidade de emprego, geração de renda, potencialização das habilidades artístico-culturais, a participação ativa dessas jovens nos processos organizativos e produtivos por meio da Economia Solidária.

Para o coordenador do projeto em Viana, Raimundo Carlos Pereira, as jovens atendidas têm no artesanato o ponto de partida para romper com a exclusão social e trabalharem também, a sua identidade.

“Começamos a primeira turma em 2007, e já atendemos cerca de 500 jovens, incluindo além da capacitação para a confecção de móveis, a chance de tirarmos muitas delas de situação de vulnerabilidade. Pretendemos gerar não apenas renda e emprego, mas também, a cidadania, a aceitação, a igualdade de gênero, de raça, a defesa e garantia de direitos”, disse o coordenador.

Realização da oficina de artesanato de fibras naturais
durante a Agritec Viana
Thayla Cristina, de 20 anos, começou como aluna de dança na ONG, mas depois descobriu o artesanato e hoje já é uma das monitoras do projeto. “É muito gratificante saber que ensino e ao mesmo tempo aprendo com todas elas. Atendo diariamente 50 jovens, que perceberam no nosso projeto a chance de estimular a conscientização ecológica, pois, o material que utilizamos é todo da região da Baixada; a cidadania, já que tentamos influenciar também o lado humano e social, e também, proporcionamos alternativas de geração de renda, para a dona de casa até a adolescente”, frisou a jovem monitora. 

O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio Cesar Mendonça, afirma que o escritório regional do órgão em Viana, vai atuar em parceria para valorizar a técnica, o artesanato local e incrementar as vendas dos produtos. “O projeto já tem sucesso reconhecido. O Governo do Estado, por meio da Agerp, passa agora a dar apoio com os nossos técnicos, no processo de capacitação e gestão, suporte logístico, prospecção de parcerias com outras instituições, para que o projeto “Meninas que sonham” cresça cada vez mais”, afirmou o presidente.

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, o projeto se destaca por trabalhar a inclusão social junto às mulheres rurais. “O Governador Flavio Dino faz questão de reafirmar a importância do papel desempenhado pelas mulheres na agricultura familiar em todas as Agritecs. E o projeto “Meninas que Sonham” é uma amostra das conquistas que elas vêm conseguindo nas últimas décadas”.

Com espaço voltado para palestras, troca de saberes e comercialização, as integrantes do projeto ministraram oficinas e comercializaram peças durante a realização da Agritec, no estande da economia solidária. 

Agritec

A Agritec é promovida pelo Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), e integra um conjunto de ações para o desenvolvimento do setor rural em todo Maranhão, com o objetivo de fornecer espaços para troca de experiências e ampliar o conhecimento tecnológico em benefício dos  agricultores familiares.

0 comentários:

Postar um comentário