Derrocada do grupo Marinho foi iniciada pela expulsão dos barraqueiros das praças de Caxias – Natal da fome dos guardas municipais proporcionado pelo grupo Coutinho tem o mesmo simbolismo daquele episódio

31.12.13
Léo Coutinho: com muitos atos impopulares,
Natal da Fome dos guardas municipais 
marca o fim do seu primeiro ano de governo.
Muita gente fala da ascensão e queda do grupo Marinho no poder por ouvir dizer. Muitos falam da ascensão do grupo Coutinho por ouvir dizer, e também por vivenciar essa história recente da política caxiense. Eu falo porque estive presente, fosse fazendo cobertura jornalística, seja atuando como parte do processo político da minha terra.

Nesses 20 e poucos anos que acompanho de perto os bastidores dos embates políticos vi de tudo.
Márcia Marinho: expulsão dos barraqueiros
marcou primeiro ano do seu governo em 2001

Este blog veio para dividir com aqueles que tem em mim uma referência no contexto político e social da princesa do sertão uma voz experiente e com conhecimento do que falo.

Vou me aprofundar em dois episódios que encontro grande similaridade na história dos últimos 12 anos do nosso município.

Quando Márcia Marinho assumiu a Prefeitura em janeiro de 2001, recebeu uma cidade com muita turbulência política devido ao vai e vem de prefeito daquela época.

Eleita com maioria significativa de votos, MM tinha tudo para reescrever a história política do seu grupo, que tinha no esposo, Paulo Marinho, a figura de uma pessoa desagregadora e com fama de perseguidor.

Logo no início daquele mandato, a prefeita Márcia, não se sabe se por vontade própria ou por ingerência do marido, põe em prática um plano administrativo de deixar as praças da cidade livre de barraqueiros que tiravam dali o seu sustento.

Olhando a bagunça existente hoje em nossas praças, muitos concordariam com a atitude da então prefeita.

Apesar de ter lá a sua justificativa, a execução do ato foi feita com uma dose excessiva de dureza e de inabilidade política, idem. Os barraqueiros tiveram seu ganha-pão praticamente arrancado a força por equipes da Prefeitura.

A dureza da forma como aconteceu chocou a cidade. Eram dezenas de pais e mães de família que tiravam dali seu sustento.

Eu e muitos outros correligionários de oposição, embora solidários com aqueles trabalhadores, vibrávamos no campo político com a medida governista considerada como terrorista.

Em conversa com muitos amigos naquela época cravei: “é o começo do fim dos marinhos”.

Ainda hoje acredito naquela minha impressão da época. Aquilo ecoou e impulsionou a formação de uma ampla corrente de oposição que lutava contra o que pregávamos ser “um governo tirano”.

A oposição se uniu e tinha no então deputado Humberto Coutinho sua maior esperança de tomar o poder local, embora ele mesmo não se empolgasse tanto com a ideia.

O resto da história todos conhecem e aquela eleição foi vencida gloriosamente pela Frente Caxiense de Oposição.

HC passou, embora com uma ou outra baixa, os oito anos do seu domínio com uma popularidade nas alturas.

Sua aprovação sempre recorde proporcionou uma vitória fácil do sobrinho, Léo Coutinho, em 2012.

Advogado, aprovado em vários concursos públicos, procurador dos estados do Piauí e Ceará, Leonardo surgiu como uma promessa para herdar o capital político do tio.

Márcia Marinho teve um ato (expulsão dos barraqueiros) que marcou o primeiro ano do seu mandato. Já o atual prefeito segue colecionando atos de impopularidade que não acabam mais.

Vou me reservar nesta postagem na avaliação de apenas uma medida de LC. A não negociação com os Guardas Municipais, que lutavam por algo que o próprio prefeito havia lhes prometido, serviu para desgastar ainda mais o cambaleante governo instalado.

Não negociando uma saída para a justa e louvável pauta de reivindicação dos guardas municipais, o prefeito terminou o ano, quando todos comemoram a data mais sagrada do calendário cristão, que é o nascimento de Jesus, proporcionando aos guardas um Natal de Fome.

Em 2001 não existia facebook, instagram, twiter e os blogs ainda nem existiam por aqui.

Hoje, o facebook e os blogs potencializam um ato dessa dimensão em praticamente todos os lares do nosso conglomerado urbano.

Pela minha experiência na política caxiense, o Natal da Fome proporcionado pelo governo Léo Coutinho (2013) tem o mesmo potencial da expulsão dos barraqueiros das praças no governo Márcia Marinho (2001).

Se isso representa o início da derrocada dos coutinhos, só o tempo dirá.

Acorda, Leonardo!

12 comentários:

  1. Concordo em parte com seus comentário acima no entanto o fato que derrubou os Marinhos foi a greve do magistério financiado pelo governado do estado Zé Reinaldo com o claro propósito de eleger o Dr. Humberto, na época eu acompanhava os eventos do grupo Coutinho e era visível a falta de traquejo que o grandão tinha com o publico, sendo esse o motivo da primeira derrota do Humberto para Macia.

    Cascavel verdadeira direto ao ponto.

  1. jose wellington do carmo cruz disse...:

    ESSE ATO É AINDA PIOR QUE A RETIRADA DOS BARRAQUEIROS NA ÉPOCA DOS MARINHOS E DE FATO MARCA O DECLÍNIO VIRTUOSO DO ATUAL GESTOR.

  1. Cláudio Sabá disse...:

    Cara cascavel, a postagem aborda o início da derrocada dos marinhos e não os outros episódios, entre eles a greve dos professores, que culminaram com a vitória da Frente Caxiense de Libertação. Entendeu agora?!

  1. A atuação da Câmara Municipal também foi fundamental, a exemplo da conquista da mesa diretora, da casa, do apoio dado a greve dos professores, as duas CPIs entre outros, foram sem dúvidas, importantes no desgaste do governo e na imagem da então prefeita Márcia Marinho e óbvio contribuiu sobre maneira com a eleição do Umberto Coutinho.

  1. Cláudio Sabá disse...:

    Claro, Joãozinho. Você foi um dos mais importantes personagens da vitória de HC. Mas reitero que a postagem aborda apenas o início da derrocada dos marinhos e não os demais episódios que se sucederam em seguida.

  1. Anônimo disse...:

    no meu ponto de vista, caxias necessita urgente de uma pessoa relamente de caxias para realizar as necessidades do nosso povo, FORA COUTINHOS, FORA MARINHOS...

  1. Anônimo disse...:

    Sabá, você aborda o assunto, estabelece comparações e de forma sorrateira e esperta tenta dizer que também os Coutinhos sucumbirão, por motivos semelhantes ou parecidos com os que levaram os Marinhos para o buraco. Não concordo com você. Não concordo porque aqui só existem dois grupos: os Marinhos e os Coutinhos. Esses conseguem manter a rivalidade de tempos atrás, justamente pela falta do surgimento de outro grupo que inspire confiança nos Caxienses. Veja que falo de grupo, não me reporto a nomes. Até porque, o próprio Humberto Coutinho, que conseguiu as façanhas políticas até aqui vistas é o resultado de um "ajuntamento". Grupo de pessoas que, insatisfeitas com os procedimentos administrativos do governo Márcia Marinho, resolveu eleger o "14". Portanto, não foi um nome, foi um grupo. E de 2004 para cá, nada mudou; quem votava em Marinhos, continua votando e nos Coutinhos idem. Existem muitos dissidentes, é óbvio, - dos dois grupos. E não são poucos, esses não votam em nenhum deles. Nem por isso, deixa de existir a polarização entre os dois poderosos. No que resulta isso? Um dos dois grupos ganha qualquer eleição. Quem leva vantagem? Quem é mais organizado e tem maior poder de cooptação. Qual dos dois grupos tem maior capacidade de exercer, com maior eficiência, essas duas funções? Não precisa responder, está na cara. Fritando e juntando tudo, quis dizer que quem não está no poder leva muita desvantagem, por isso a hegemonia Coutiniana continuará, ainda que com as falhas cometidas pelo atual gestor. Só prá encerrar Sabá, é necessário que se diga: Os Caxienses não podem dar gritos de independência porque a grande maioria dos que tem algum poder, vivem gravitando a órbita da viúva.

  1. Anônimo disse...:

    UM CARA QUE SE DIZ ENTENDER DE POLITICA COMPARAR O GOVERNO DE LEO COUTINHO COM DE MARCIA MARINHO SÓ PODE SER ANALFABETO..HÁ NÃO TABALHO EM PREFEITURA ...ELE ESTÁ FAZENDO UM PESSIMO PLEITO ..MAS NÃO DAR PRA COMPRARA COM OS GOVERNOS DOS MARINHOS...QUE NA EPOCA VOCE CUMIA DA PANELINHA DOS MARINHOS

  1. Cláudio Sabá disse...:

    Caro anônimo (que eu já sei quem é), sua tentativa desesperada de bajular seus patrões beira o ridículo. Vc, além dos grandes defeitos que tem, é desonesto ao extremo nas suas bajulações. Eu comia na panelinha dos marinhos?! Um piada sem graça que todos em Caxias sabem que não procede, e vc mais do que ninguém. Mas te cuida! Já tô mapeando todos os teus fakes no face e também em outros endereços virtuais. E para de ficar passando o dia tentando me combater, pois o teu serviço de bajulação vai te dar muita dor de cabeça.

  1. Anônimo disse...:

    Sabá, também sou anônimo, porém, suponho não ser aquele em quem você desce a vara. Sou aquele que fez o comentário maior - centrado. Queria sugerir que você não levasse os comentários para o campo pessoal. Afinal de contas é você o blogueiro, e por isso, o primeiro a se reportar aos assuntos. É natural, portanto, que quem se manifeste discorde ou concorde com seu ponto de vista. O espaço é democrático ou não? Lembre-se: você é uma pessoa pública sujeita a contestações. Torne seu espaço agradável àqueles que lhe acessam. Isso aqui não é um palco de porradas (ringue)

  1. Cláudio Sabá disse...:

    Amigo, comentários centrados, eu aceito e publico, mesmo anônimo e que não agridam ninguém. Mas é que tem um canalha, que eu sei quem é, pois deixa suas digitais em tudo q faz, que eu me referi. Estou tomando as medidas jurídicas para o caso, pois se faço minhas denúncias, faço as claras, pra todo mundo ver e estou sujeito as criticas e aos rigores da Lei, que estou sempre pronto a responder pelos meus atos. O sujeito q falei é tão amador que logo em seguida ao meu comentário, ele acusou o golpe e vestiu a carapuça no facebook. Mais tarde uma postagem sobre o assunto.

  1. Anônimo disse...:

    Aqui em Caxias é assim, o parasita sempre defendendo aquele a quem puxa o saco. Vc está certissimo Sabá, provavelmente esse fato seja o iniciu do fim da Era Coutinho. Espero que isso sirva para o Prefeito, rever as bobagens que fez e comece a andar com as proprias pernas, e para de ser guiado pelos outros.

Postar um comentário