Datailha já teve pesquisa suspensa em São José de Ribamar por indícios de irregularidades; sondagem feita em Caxias apresenta erro grosseiro no questionário

15.7.20
Não é só em Caxias que o instituto Datailha sofre questionamentos acerca de suas pesquisas. 

Recentemente em São José de Ribamar, a juíza Tereza Cristina de Carvalho Pereira Mendes, titular da 47ª Zona Eleitoral daquele município, acatou representação eleitoral proposta pelo Partido Republicano da Ordem Social (PROS), e suspendeu a divulgação de uma pesquisa eleitoral do instituto no início do mês.

O jornalista Gilberto Léda explica no seu blog as circunstâncias que levaram a juíza a suspender a divulgação da pesquisa do Datailha: “Pelo registro, os números podem ser tornados públicos a partir do dia 9 de julho, mas a magistrada determinou que nada sobre o levantamento seja divulgado enquanto “indícios de irregularidade” não sejam sanados.

De acordo com a decisão, há três problemas que impedem a publicação da pesquisa. Um deles é a ausência de informação sobre a origem dos R$ 4 mil utilizados para o pagamento da consulta.
“No presente caso, há a informação apenas de que os recursos foram próprios, sem, no entanto,
indicar a origem de tais recursos, fato que contraria a norma contida na mencionada Resolução”, destacou a magistrada. A contratante da pesquisa é a Joas Consultoria e Marketing, de Zé Doca (veja aqui).

A magistrada destacou, ainda, divergência no número de entrevistados – a empresa indicou 452, porém o plano amostral, informa 494. Por último, a pesquisa foi registrada sem assinatura, com certificação digital, do estatístico responsável.

Em seu despacho, a juíza Teresa Pereira Mendes determinou que essas irregularidades sejam sanadas antes da publicação dos dados, sob pena do pagamento de multa de mais de R$ 53 mil.” (Confira aqui)

Em Caxias, a pesquisa Datailha que será divulgada no próximo domingo apresenta um erro grosseiro no questionário apresentado aos entrevistados, ocasionando prejuízo irreparável a um dos pré-candidatos a prefeito conforme revelado pelo Blog do Sabá (reveja).

Contratada por José Celton Gonçalves Bezerra, cujo endereço funciona no mesmo prédio da loja Look Doçura em Caxias, a pesquisa do José Celton lhe custou R$ 5 mil reais, mas cujo valor pode ir pelo ralo caso o pré-candidato do MDB, César Sabá, acione a Justiça Eleitoral alegando dano irreparável a sua campanha.

Pobre José Celton. Pode perder seu rico dinheirinho...

0 comentários:

Postar um comentário