João Antônio Queiroz nega calote e diz que erro foi da empresa Sentimento Louco Produções Artísticas, que preencheu o cheque em valor além daquele que era devido

18.5.19


Em entrevista ao jornalista e blogueiro Ricardo Marques, o empresário João Antonio Queiroz, secretário de Indústria e Comércio de Caxias, deu explicações plausíveis sobre o imbróglio envolvendo a recente realização de evento musical na cidade, e a consequente celeuma em torno de um cheque emitido para o pagamento do cachê da cantora Marília Mendonça.

Confira trecho da publicação:

Por telefone, JAQ explicou os motivos que resultaram no imbróglio em torno de um cheque devolvido, que fora dado em complementação ao pagamento do cachê da cantora Marília Mendonça referente ao show da rainha da sofrência realizado no último dia 5 no estacionamento do Caxias Shopping Center. O caso ganhou repercussão nacional depois que o blogueiro Léo Dias, do Portal UOL, revelou a história, repercutida pelo programa Fofacalizando, do SBT.

João Antônio Queiroz nega que tenha havia calote e diz que o erro foi da empresa Sentimento Louco Produções Artísticas, que gerencia os shows de Marília Mendonça, e teria preenchido um cheque dado em forma de calção em valor acima daquele que faltava para completar o cachê da artista. Segundo ele, faltando algumas horas para o início da apresentação, a produção do show avisara que a cantora não subiria ao palco, pois o cachê ainda não havia sido completamente pago. “Para não prejudicar o público, foi acertado que um cheque em branco seria dado em forma de calção”.

Ainda de acordo com João Antônio Queiroz, como ingressos também estavam sendo vendidos via cartão de crédito/débito – cujos valores eram creditados diretamente na conta da Sentimento Louco, não tinha como saber com exatidão quanto estaria faltando para complementar o cachê da artista. “Razão pela qual foi dado o cheque em branco como uma espécie de calção; agimos de boa-fé”, diz ele.

DESACORDO

João Antônio explica que o cheque somente foi sustado, porque teria sido preenchido em valor além daquele que era devido. Ele conta que houve um desacordo comercial, que teria motivado a sustação do cheque, pois o montante de R$130.269,40 estava muito além da diferença que faltava para quitar o cachê da cantora.  Ainda segundo JAQ, o restante devido pelo cachê era de R$ 52.567,39.

O empresário-secretário afirma que a principal prejudicada no enredo foi sua esposa, e que os advogados contratados por ele estão discutindo juridicamente os termos da questão com o setor jurídico da Sentimento Louco Produções Artísticas. A empresa, inclusive, já teria sinalizado que deve admitir o erro no valor preenchido no cheque, o que gerou toda a celeuma.

OUTRO LADO

O Blog não conseguiu contato com a empresa Sentimento Louco Produções Artísticas Ltda, mas se coloca à disposição, caso a empresa também queira se manifestar.

0 comentários:

Postar um comentário