Serviço prestado pela Cemar na zona rural de Caxias volta a ser pauta na Câmara

14.11.17
A prestação de serviço da Companhia Energética do Maranhão (Cemar) na zona rural de Caxias voltou a ser pauta na Câmara de Vereadores. O assunto foi levantado pelo vereador Neto do Sindicato (PCdoB), na sessão ordinária de segunda-feira (13), dando ênfase ao "desserviço" da concessionária.

Neto do Sindicato relatou problemas de energia em alguns povoados. Entre os casos citados, a falta de água no poço do povoado Rodagem, no 2º Distrito, pela insuficiência de energia que mantém a rede de abastecimento de água. Ele solicitou da Mesa Diretora da Câmara encaminhamento de ofício à Cemar pelo "desserviço prestado para com o povo de Caxias, em particular com o da zona rural". Em resposta, o presidente da Casa, Catulé (PRB), disse que o vereador será atendido dentro da forma regimental.

Ximenes (PR) apoiou a insatisfação de Neto do Sindicato e frisou que o problema maior nas comunidades rurais é a falta de transformador em conformidade com a demanda de cada localidade. O vereador reiterou a formalização da cobrança. "Uma das piores prestadoras de serviços é a Cemar. Vamos pagar ainda muito caro por isso porque parece que nossas autoridades superiores, deputados, senadores e até o governador, não conhecem bem essa realidade, e temos que provocar é daqui", disparou.

"Eu tenho discutido aqui nessa Casa já exaustivamente essa questão. Até por que a energia mais cara do país é a aqui no Maranhão. Nós subimos a alíquota de 5%, que aumentou ainda mais a conta de energia elétrica, fora essa bandeira vermelha. E o problema maior da Cemar é que ela não faz investimentos. É uma empresa que maltrata os consumidores, e mais ainda a quem mora na zona rural", comentou Catulé.

O vereador Magno Magalhães (PSD) aproveitou a temática para destacar a importância da produção do babaçu como alternativa energética, apresentada recentemente em forma de palestra por uma cooperativa na Câmara. "Deixar claro que não estou defendendo a bandeira da empresa. Em termos energéticos, o babaçu do Maranhão vale uma Arábia Saudita. Ainda não temos conhecimento do nosso potencial energético". (Ascom/CMC)

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Poxa, comparar babaçu com petróleo, o que que é isso... É muito blá blá blá...

  1. Anônimo disse...:

    Será que a Cemar está repassando para o município de forma justa a taxa cobrada de iluminação pública!?

Postar um comentário