Magno Magalhães diz que o suicídio deve ser tratado como questão de saúde pública

1.9.17
Vereador Magno Magalhães

O Brasil, hoje, é o oitavo país em número de suicídio no mundo. Atualmente, se morre no mundo 1 milhão de pessoas, em 2020 morrerão 1 milhão e 600 mil pessoas de suicídio. 17% dos brasileiros já tentaram suicídio em algum momento da vida. É a segunda causa de morte no mundo, perdendo apenas para os acidentes. Em 2010, no Maranhão, segundo dados do Ministério da Saúde, 3.15% das mortes foram devido a suicídio. Depois destes dados, podemos pensar o suicídio como uma questão de saúde pública? O vereador Magno Magalhães (PSD) defende que sim.

Magno usou a tribuna nessa quarta-feira (30) para aprofundar a discussão sobre o suicídio, devido os recentes casos registrados na cidade. Ele disse que por duas vezes fez o alerta em sua página pessoal no Facebook, chamando atenção para um fenômeno conhecido como efeito Werther. "Isso acontece quando se disseminam fotos ou fatos sobre alguma morte onde a vítima se mata. Werther é o nome de um personagem do romance de Goethe que lançou o realismo na Alemanha. Após o lançamento do livro 'Os sofrimentos do jovem Werther', houve uma onda de suicídios sem precedentes na Europa. Não é salutar que se espalhem esse tipo de notícias".

De acordo com Magno Magalhães, o suicídio é um problema que passa pela saúde mental. "Sou homem de fé, mas também sou médico, milito na saúde, e não podemos atribuir o suicídio meramente a questão espiritual", frisou, atentando para a importância de envolver profissionais da saúde na problemática. Ele apresentou dados do neuropsiquiatra caxiense Ruy Palhano, divulgados em entrevista ao Jornal O Imparcial: "No Brasil, uma pessoa se mata a cada 44 minutos, e no mundo a cada três segundos. Noventa mil pessoas morrem no país por ano, e um milhão delas no mundo. É uma questão de saúde pública".

O parlamentar lembrou a proximidade do Setembro Amarelo, campanha nacional de conscientização a prevenção do suicídio, mas que as ações não se restrinjam somente a este período. Comentou sobre o devassamento da saúde mental nos últimos anos, dando como exemplo de como era o Hospital Dia, em Caxias, e quando a unidade de saúde deixou de existir, se decentralizou para os CAPS, e percebeu-se que houve um "certo abandono do Estado, a União com os doentes mentais". Magno aproveitou para comunicar a ação do prefeito Fábio Gentil (PRB) em mudar o CAPS do Salobro, que estava num mal estado de conservação, "demonstrando a sensibilidade dele com a saúde mental".

O pronunciamento de Magno foi elogiado pelo presidente da Câmara, vereador Catulé (PRB). "Como sempre vossa excelência preocupada não só com esse tema, mas com outros aqui nessa Casa. A sociedade caxiense está bem representada e hoje vossa excelência deu uma aula".

Indicação

O vereador agradeceu o apoio dos colegas na aprovação da sugestão do Projeto de Lei ao Poder Executivo que "obriga os estabelecimentos públicos e privados no município a inserir, nas placas de atendimento prioritário, o símbolo mundial do autismo e dá outras providências". (Ascom/CMC)

1 comentários:

  1. Fidel Lindeberg disse...:

    E principalmente proibido de compartilhar fotos. Creio que induz quem estar sofrendo com essa doença ver uma solução rápida tb de tentar amenizar sua dor. Pois quem faz isso com depressão, não tenta suicídio, tenta amenizar a dor e acaba acontecendo o Pior infelizmente.

Postar um comentário