Um pai que precisa, uma filha que grita e a omissão do poder público - Quando um lamento se torna um grito

14.2.15
Quando uma filha utiliza uma rede social na internet para expor o drama vivido pelo seu pai, um homem de 110 anos cujo corpo já não pode enfrentar de igual pra igual o desgaste do tempo, e clama publicamente pelos direitos dos seu velho pai, a isso podemos chamar de grito social.

A senhora Zuleide Sousa, numa tentativa desesperada de chamar a atenção do poder público municipal, ocupou sua página pessoal no facebook nesta sexta-feira, 13, e fez saber a todos os comunicadores de Caxias a situação que passa com seu pai na busca por atendimento médico de qualidade e por uma cadeira de rodas para facilitar a locomoção do mesmo.

Relatando a falta de um agente de saúde em sua rua e da dificuldade em encontrar remédios para pressão no Posto de Saúde do bairro, Zuleide fala que compra com muita dificuldade os medicamentos numa farmácia da cidade, mas que a renda de seu pai, obtida através de aposentadoria é pouca e mal consegue suprir sua alimentação.

Quanto a cadeira de rodas, ela diz que já bateu na porta de vereador e até mesmo da emissora do prefeito, mas não obteve sucesso.

O lamento de uma mulher cujo pai conseguiu chegar aos 110 anos é triste e merece a reflexão das autoridades, pois o que ela precisa é muito pouco diante dos recursos da Prefeitura de Caxias.

Seria um ato de grandeza e amor ao próximo se o serviço social da Prefeitura de Caxias ouvisse o lamento da senhora Zuleide Sousa e que o sofrimento do seu pai fosse aliviado.

Confira o relato:

Eu como pessoa comum que pago meus impostos em dia estou precisando de tudo pouco. Olha meus amigos primeiro preciso de uma agente de saúde na minha rua, falei com a enfermeira chefe da volta redonda ela falou que minha área e descoberta, depois do carnaval ela vai tentar amenizar minha necessidade. Tenho um pai com 110 anos necessitando de fraldas geriátricas o remédio da pressão dele e comprado nas farmácias big bem e pague menos só tenho o desconto do governo se eu tiver o laudo do medico do PSF , resumindo doença não espera não muito menos o meu bolso, e no posto de saúde da volta redonda não tem maca nem cadeira de roda mem eu tenho condição de comprar. Já fui. Pedir a cadeira na emissora não consegui ainda, fui falar com vereador Manoel da caçamba ele disse que só pode me atender depois que ele pagar a que já comprou, e agora faco o que? Só ganho um salario ele tem o dele mal da pra comprar o que comer. Por favor peco o trabalho de vocês publiquem essa matéria por favor eles só fazem alguma coisa obrigados sabia a carência de saúde em Caxias chega a doer alma de tanta raiva que a gente passa”.

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Recomendo essa filha ir na promotoria e fazer uma denúncia. O estatuto do Idoso deve fazer alguma coisa. Esse senhor tem todas suas necessidades protegida por lei. Me indigno ao ver um idoso assim. Enqanto a prefeitura esbanja o nosso dinheiro, dinheiro esse de gente que trabalha feito condenado, em carnaval as pessoas ficam nessas situações. Esquecidos, penando na fila do funesto sistema de saúde e sofrendo para ter direito ao um medicamento. Eu estou revoltado com essa situação pois sou defensor número 1 dos idosos, ao qual tenho grande admiração. Que Deus olhe para essa filha e esse senhor. Eis aquu minha revolta.

  1. Anônimo disse...:

    No corredor da folia tá cheio de Samu. Quando uma pessoa precisa cadê? É lamentável. E ainda tem gente ignorante que acha que a saúde de caxias é as 7 maravilhas. Isso é o retrato do descaso com o dinheiro público. Dinheiro esse que está sendo jogado ao vento como serpentina nesse carnaval, enquanto isso esse senhor sofre esse descaso. Triste

Postar um comentário