Festejo de São Sebastião

14.1.19

Por Wybson Carvalho

São Sebastião nasceu na França, no século III. Adolescente, em Milão, alistou-se no exército de Diocleciano, chegando ao cargo de comandante da guarda pessoal deste imperador. Denunciado por outros soldados, por ser cristão, Sebastião foi condenado à morte, sendo executado por centenas de flechas atiradas por outros soldados, estando Sebastião amarrado a um tronco - esta é a imagem mais conhecida deste santo. Como não morreu, voltou a pregar o cristianismo, o imperador então mandou que fosse espancado e, depois de morto, jogado no esgoto público de Roma, mas o corpo foi achado e sepultado por outra cristã. Em 680, por época da trasladação dos restos mortais para uma basílica construída pelo imperador Constantino, a peste epidêmica que assolava Roma cessou, por isso ele é conhecido como protetor contra epidemias, guerras e fome. São mais de cem as paróquias de São Sebastião no Brasil, mas, talvez, a mais conhecida seja a do Rio de Janeiro, onde as homenagens contam com a corrida de São Sebastião, missas e procissão que sai da igreja de São Sebastião dos Capuchinhos, na Tijuca, em direção à Catedral Metropolitana para bênção e missa solene oficiada pelo Arcebispo do Rio de Janeiro. Na Paróquia de São Sebastião fica a imagem do padroeiro trazida em 1565 por Estácio de Sá para a fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. O marco de fundação e os restos mortais de Estácio de Sá também ficam na paróquia. As festas a São Sebastião acontecem de norte a sul do Brasil e possuem peculiaridades em cada lugar.

São Sebastião era um soldado romano que foi martirizado por professar e não renegar a fé em Cristo Jesus. O Santo é conhecido como protetor da igreja e por "realizar" vários milagres. Isso fez com que São Sebastião com o passar dos anos ganhasse milhares de devotos.

Em Caxias do Maranhão, no mês de janeiro é realizada a principal devoção a São Sebastião: festa com missa pela manha, à tarde acontece uma procissão percorrendo as principais ruas e travessas da comunidade do Pau D'água, na qual fica a Capela, que recebe e encerra a procissão, e o largo do festejo distinguido com o nome do Santo. São Sebastião é devotado, principalmente, pelos fiéis que se doam ao tríduo: novenas, missa e procissão nas comemorações em louvor ao Santo. Na cidade, a manifestação religiosa já foi instituída, tradicionalmente, há décadas, no calendário local, pela família Assunção. As homenagens acontecem a partir do domingo que precede ao dia 20 de janeiro, com a busca do mastro na reserva ecológica do Inhamum; um verdadeiro ritual matinal, capitaneado por membros da família Assunção, fiéis e líderes comunitários, dentre os quais, o servidor público federal, Odak, que leva amigos a se fortalecerem com o, também, tradicional lanche - café, chocolate e caldo de carne - na residência de Dona Seba. À tarde há o levantamento de mastro, queima de fogos de artifício e novenas.

O Mastro - Neste mês de janeiro, devotos de São Sebastião participarão das solenidades alusivas ao Santo, que começarão às 5h com alvorada festiva no largo de São Sebastião, após a alvorada será feita a retirada do mastro na reserva ecológica do Ynhamun e finalizará com um cortejo em carregamento do mastro pela cidade, sendo o mesmo fincado ao chão antigo Largo, precisamente, em frente à Capela com o nome do santo. São cerca de 2 km percorridos até à Reserva Ecológica do Inhamun, situado na MA-127, que liga Caxias ao município de São João do Sóter. Todos os anos, antes do início do festejo, integrantes da Associação de Amigos e Devotos de São Sebastião se organizam para a escolha dos troncos da Pindaíba. Algumas vezes se dá lugar à Imbiriba. As árvores são demarcadas. Mas no percurso mata adentro, a escolha do tronco, conta com a ajuda dos fiscais de área de preservação do meio ambiente, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Após a escolha de três opções da Imbiriba, que servirá como mastro de São Sebastião, fiéis devotos do santo aguardam a chegada do domingo. Momento em que ocorrerá o ritual de derrubada do mastro, dando início a uma das mais importantes festejos católicas da região dos Cocais.

Wybson Carvalho é jornalista, poeta e membro da Academia Caxiense de Letras.

0 comentários:

Postar um comentário