Nada de parcerias - Governo Flávio Dino frustra sonho de Centro de Oncologia em Caxias e pode contratar serviço privado no Hospital Macrorregional

28.6.17
Anúncio de serviço de oncologia em Caxias pelo governo do estado ganhou
manchete espalhafatosa: “Serviço Inédito”

Em meio ao escândalo nacional na saúde do Maranhão, provocado devido a contratação de empresas e institutos que gerenciavam a rede pública do setor, o governo Flávio Dino, que deveria dar o exemplo, acaba de anunciar a criação de uma ala no Hospital Macrorregional de Caxias para prestação de serviços de oncologia, e onde cujo serviço pode seguir o mesmo modelo praticado em Imperatriz, que é terceirizado.

O anúncio de mais um duro golpe contra a intenção da administração municipal em abrir o seu Centro de Oncologia ganhou manchete espalhafatosa na mídia alinhada ao Palácio dos Leões: “Serviço inédito de oncologia”.

O objetivo, aparentemente nobre, é na verdade uma forma de, mais uma vez, prejudicar a gestão municipal, que conta um Centro de Oncologia pronto e faltando poucos detalhes para seu funcionamento.

De acordo com o médico oncologista Glauto Tuquarre, que atende pacientes oncológicos em Caxias, transformar o hospital Macro em hospital do câncer, “será um tiro no pé”, pois, segundo ele, a cidade já “tem um espaço pronto”.

Para o médico, ao se criar um setor no Hospital Macrorregional para atendimento de oncologia, dificulta um convênio federal para a abertura do Centro de Oncologia, uma vez que o Ministério da Saúde não iria bancar duas unidades hospitalares prestando o mesmo serviço numa cidade de 160 mil habitantes.

Como falei anteriormente, a abertura de uma ala de oncologia no Hospital Macro é de fato um ato aparentemente nobre, mas na verdade é uma forma (mais uma) que o governo Flávio Dino encontra para diminuir a rede pública de saúde do município e onde parte dos funcionários para atendimento oncológico no hospital estadual será preenchida por aliados do deputado Humberto Coutinho.

Jogada de mestre!

Com a criação de uma ala para atendimento oncológico no Hospital Macrorregional o governo Flávio Dino alcança vários objetivos políticos. 1 – Consegue propaganda positiva com o atendimento médico para portadores de câncer em Caxias; 2 – Dificulta ainda mais a tentativa do município abrir o seu Centro de Oncologia e 3 – Cria mais um cabide de empregos para aliados do deputado Humberto Coutinho na princesa do sertão, que irão preencher parte dos cargos nessa nova ala do hospital estadual.

Quem será que está dando essas dicas desastrosas para o governador Flávio Dino no tratamento dispensado a Caxias?

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Meu caro os pacientes querem é atendimento independentemente onde seja. Este Dr Glauto fala em causa própria pois quer ser o chefe da oncologia.

  1. Anônimo disse...:

    Caro Sabá, sendo realista acredito que é o melhor para a Região. Um serviço custeado pelo Estado não dependerá das intermináveis exigências e protocolos do Ministério da Saúde para habilitar o serviço e aparentemente já começa com pelo menos um corpo clínico experiente, já que falam de terceirização. A Oncologia em Caxias é tema desde a gestão Paulo Marinho até os dias atuais e a verdade é que nenhum gestor municipal teve competência para montar o serviço, diga-se de passagem de altíssima complexidade. Conseguiram fazer um prédio e equipar precariamente, porém daí a dizer que existe um "Centro" montado é ingenuidade. Tal serviço tem um custo muito elevado e carece de uma suporte de outros serviços que o município não tem condições de prover, tais como UTI, Centro Cirúrgico com equipe especializada, exames de alta complexidade e um pronto-atendimento para intercorrências e por isso existem os tais "protocolos" que até hoje nunca foram alcançados pelos serviços municipais. Dessa forma deixemos de lado os sonhos e o besteirol e vamos pensar na população pelo menos dessa vez. O Prefeito atual reclama que não consegue tocar o básico e quer Centro Oncológico? Não vejo lógica nenhuma nisso. É a minha opinião! Um abraço...

Postar um comentário