Abertura dos JECs: As vaias para Léo Coutinho em 2013 e os aplausos para Fábio Gentil em 2017 servem como alerta pra “turma do desespero”

12.6.17
CONSTATAÇÃO: Fábio Gentil aplaudido em 2017 e Léo Coutinho vaiado em 2013

Na tarde/noite do dia 14 de junho de 2013, com o Ginásio de Esportes João Castelo lotado, iniciava-se mais uma edição dos jogos escolares caxienses.

Como era de praxe todos os anos pelos chefes do executivo municipal, o prefeito da época, Léo Coutinho, no esplendor do sexto mês do seu governo, é chamado ao microfone para fazer a abertura oficial dos JECs. Foi talvez a primeira grande experiência negativa de muitas que ainda iria enfrentar no seu primeiro (e talvez último) mandato eletivo. Num discurso de aproximadamente 5 minutos, Léo Coutinho foi vaiado estrondosamente (reveja matéria do blog aqui).

Matéria do Blog do Sabá de junho de 2013 abordava as vaias 
recebidas por Léo Coutinho na abertura dos jogos 
escolares (reveja aqui)
O vexame foi maior devido a falta de experiência do então prefeito, que não conseguia encontrar as palavras certas para terminar rapidamente seu longo discurso e dar um fim ao primeiro suplício da sua breve carreira política. Aliás, as vaias recebidas por Léo Coutinho naquela ocasião foram as maiores já vistas contra um gestor caxiense.

Já na tarde/noite da última quinta-feira, dia 08 de junho de 2017, durante a abertura de mais uma edição dos jogos escolares caxienses realizado no mesmo Ginásio de Esportes João Castelo, viu-se o inverso da agrura vivenciada pelo prefeito de plantão em 2013.

Com a mesma lotação máxima de 2013, a edição de 2017 foi sem dúvida alguma a mais bonita e a mais empolgante de todos os tempos.

Assim que teve seu nome anunciado para fazer o discurso de abertura dos JECs, a multidão de jovens, estimada em cerca de 5 mil pessoas, aplaudiu efusivamente o prefeito. A cada frase finalizada por Fábio Gentil, os aplausos aumentavam num entusiasmo nunca visto por nenhum prefeito caxiense em toda a sua história.

Agora vamos ao “X” da questão desta postagem.

Quando Léo Coutinho foi vaiado na abertura dos jogos escolares em junho de 2013, ele estava no sexto mês da sua administração e havia saído das urnas em outubro de 2012 com uma vitória maiúscula sobre o seu adversário.

Tendo recebido a Prefeitura das mãos de Humberto Coutinho, que detinha então 68% de aprovação popular, e que seus aliados alardeavam que havia sido “o melhor prefeito do nordeste”, Léo Coutinho já mostrava ali em 2013 que o fim do grupo Coutinho tinha data marcada.

Depois do episódio das vaias recebidas por LC nos primeiros meses do seu governo, e vendo as pesquisas que chegavam nas suas mãos indicando o altíssimo risco que era insistir na reeleição do sobrinho, assim que Flávio Dino assumiu o governo, HC ‘peitou’ o governador e dezenas de milhões foram despejados em Caxias para tentar evitar o inevitável: a derrota de Léo Coutinho ao tentar se reeleger em 2016.

Enfrentando as poderosas máquinas da Prefeitura de Caxias, do Palácio dos Leões e da Assembleia Legislativa, Fábio Gentil fez a verdadeira campanha do tostão contra o milhão e elegeu-se prefeito na eleição mais comentada do Maranhão.

Desde que Fábio assumiu a Prefeitura, os cofres do Governo do Estado fecharam-se para Caxias. Nenhum convênio, mesmo aqueles existentes para salvar vidas, foram renovados.

Mesmo sem parcerias do governo do Estado, em junho de 2017, no mesmo evento de abertura dos JECs, a cena de vexame vivida pelo prefeito de 2013, não foi vista, numa demonstração de que a população caxiense apoia o seu prefeito.

Perseguido implacavelmente pela mídia do grupo Coutinho, onde uma emissora de TV transformou-se em poço de recalque dos seus proprietários, e cuja missão é mostrar qualquer buraco nas ruas e fazer plantão nos hospitais em busca de defuntos, tentando arrancar depoimentos de parentes fragilizados com a perda de um familiar, o prefeito Fábio Gentil, também no sexto mês do seu governo, segue popular como nunca.

A onda de desespero que tomou conta dos ex-mensalinhos da Prefeitura, que usam as últimas forças para vomitar todo tipo de loucura nas redes sociais e com isso criar uma falsa imagem de caos na cidade, não colou.

Os aplausos recebidos pelo prefeito no Ginásio João Castelo foi uma demonstração clara como a luz do sol de que as loucuras ditas por ex-mensalinhos em crise de abstinência não chegou na comunidade.

Não dá para esperar que ex-mensalinho crie juízo, pois o surto psicótico provocados pela abstinência só tem cura com remédio tarja preta ou com a volta do saudoso ‘benefício’.

Sem remédio e sem mensalinho, só resta esperar pelas próximas eleições municipais.

Calma, turma! 2020 tá pertinho...

3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Esperamos que realmente faça um governo voltado para as necessidades da população de Caxias, diferentemente do grupo nefasto derrotado no último pleito, onde podiamos perceber que misturavam negócios familiares e de seus "parças", com a administração pública e seus recursos.

  1. Anônimo disse...:

    pareceu frases do Paulo Marinho. kkkk

  1. Anônimo disse...:

    O ex prefeito não governou Caxias para o povo, ele tem consciência disso,o povo deu a resposta!Se Deus quiser nunca mais ele voltará para prefeitura de Caxias! Então o melhor é ele pegar a bicicletinha dele é ir dar uma volta bem distante daqui com seus amiguinhos bajuladores!

Postar um comentário