PAPO FURADO!!! aliados de Léo Coutinho tentam encontrar crime em abastecimento de veículos para carreata e fazem papel de bobos

30.9.16
PAPEL DE BOBOS - ‘Denúncia’ transmitida ao vivo no facebook por Daniel Barros e
explorada no site da marqueteira de Léo Coutinho é o maior mico desta campanha

Bem, espera-se de um grupo político que tem a certeza da vitória numa eleição que acontecerá dentro de 48 horas, e onde uma pesquisa de opinião garante uma suposta vitória acachapante, que os integrantes desse grupo mantenham uma postura equilibrada e tranquila aguardando o fechamento das urnas e a consequente festa da vitória. Isso é o normal, mas em Caxias, o grupo Coutinho protagonizou no meio da tarde desta sexta-feira, 30, um espetáculo digno dos desesperados.

Um suposto crime eleitoral, praticado num posto de combustível que abastecia alguns veículos que iriam participar da carreata de Fábio Gentil, ganhou ares de “grave denúncia” feita pelos partidários de Léo Coutinho.

O super sub-secretário de Saúde do Município, Daniel Barros, que vem a ser esposo da vereadora Tais Coutinho, que faz uma campanha milionária rumo a reeleição, foi o ‘maestro’ da tal “denúncia”. Daniel Barros fez uma transmissão ao vivo em frente ao posto de combustível ‘denunciando’ em tempo real o suposto e patético crime.

Como tem se tornado recorrente nestas eleições, a tal denúncia recebeu o apoio logístico na internet do site 45 graus, de Teresina. O portal piauiense, de propriedade da publicitária Cyntia Freitas, que faz a campanha de marketing de Léo Coutinho, tratou logo de dar ares de grande e grave “escândalo” para a notícia e tentou transformar tudo numa absurda e inaceitável “compra de votos”.

O que aconteceu?

A Polícia Militar, o Ministério Público Eleitoral, e até a juíza eleitoral, Marcela Santana Lobo, realmente estiveram no posto de combustível, localizado na Avenida Alexandre Costa, para apurar a denúncia de farta distribuição de combustível para atividade política.

De fato o gerente do estabelecimento foi levado para prestar esclarecimentos na Polícia Federal, que é a autoridade policial responsável pela apuração de crimes eleitorais.

O combustível que estava sendo distribuído para os veículos que iriam participar da carreata era na proporção de 5 litros para motocicletas e de 8 a 10 litros para carros.

A legislação eleitoral permite a distribuição de combustível para veículos participarem de carreatas e motocadas, desde que isso seja devidamente declarado na prestação de contas do candidato que ofertou o produto.

Seria caracterizado crime se tal distribuição não fosse devidamente registrada e, em outra hipótese, se os veículos estivessem sendo abastecidos com 40, 50 ou mais litros de gasolina, o que, logicamente, excedia a quantidade necessária para uma simples carreata.

A própria juíza Marcela Santana Lobo, que esteve no local conferindo a ‘denúncia’, assim que constatou que a quantidade de gasolina doada era mínima (5 litros para motos e de 8 a 10 litros para carros), liberou a distribuição desde que a coligação de Fábio Gentil apresentasse na próxima prestação de contas a nota fiscal do pagamento do combustível distribuído para a carreta.

O senhor Daniel Barros, que foi o autor da transmissão ao vivo para denunciar o suposto crime, é advogado e certamente conhece a legislação eleitoral.

Tentar caracterizar a distribuição da quantidade mínima de combustível para a carreata de um candidato que faz uma campanha humilde e com pés no chão, demonstra no mínimo uma situação de desespero.

Partidários de Léo Coutinho, a grande maioria contratados na Prefeitura de Caxias, mergulharam de corpo inteiro na tal denúncia bombástica e estão em estado de histeria coletiva acreditando até em papai noel.

Calma!

No domingo tudo passa.

Ou talvez, não...

3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    É 10 10 10 10

Postar um comentário