Oposição fragmentada - Dissidências no ex-grupo Coutinho favorece reeleição de Fábio Gentil

31.1.20

O que se chamava de grupo Coutinho em Caxias, e que até pouco tempo era símbolo de oposição na política da cidade, está agora apenas como lembrança daqueles que gostam e vivem no mundo político, esse sentimento que desperta paixões e a cada 2 anos movimenta a cidade aqui e alhures.

Com a desistência da deputada Cleide Coutinho em se lançar candidata a prefeita, preferindo indicar a sobrinha, vereadora Thaís, como candidata a vice-prefeita do deputado estadual Adelmo Soares, um estranho no ninho que chegou desagradando a importantes nomes das forças oposicionistas, o que antes era referência de oposição representa hoje apenas uma recordação daquele importante grupo político que, comandado por Humberto Coutinho (in memoriam), manteve o protagonismo em Caxias por mais de 20 anos.

O primeiro integrante do ex-grupo Coutinho a abandonar as fileiras dessa ala oposicionista foi o radialista e empresário César Sabá, que ainda em 2018 decidiu não apoiar a candidatura de Cleide Coutinho e hoje é pré-candidato a prefeito de Caxias.

Dos 5 nomes que se lançaram como pré-candidatos a prefeito na fatídica reunião do ainda grupo Coutinho em setembro de 2019, apenas a vereadora Thais, talvez por motivos familiares, ainda continua cerrando fileiras ao lado de sua tia Cleide.

Magno Chaves, Luis Lacerda, Tino Castro e Júnior Martins, nomes que representavam a pluralidade e a essência do grupo Coutinho na sociedade caxiense, se afastaram e buscam viabilizar seus nomes na disputa majoritária de 2020, já tendo Tino Castro e Júnior Martins lançado seus nomes como candidatos a prefeito.

No desenrolar dos acontecimentos, e com a fragmentação da oposição no município, o prefeito Fábio Gentil assiste de camarote ao desmonte dos seus potenciais adversários, o que só o favorece, uma vez que no recente pleito de 2018, onde teve a chance de medir seu potencial eleitoral, conseguiu eleger seu pai, Zé Gentil, como o deputado estadual com maior votação na história do município, uma demonstração inequívoca de prestígio junto ao eleitor caxiense.

Apesar das movimentações oposicionistas ainda estarem dispersas, e caso continuem assim, teremos uma eleição com vários candidatos a prefeito de Caxias, o que é salutar numa democracia.

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    É, decididamente, o Grupo Coutinho se perdeu no tempo.

    É Fato que tudo começou na D-e-s-a-s-t-r-o-s-a gestão do Léo. Depois a perda do grande líder e amigo de todos, inclusive de adversários políticos (inconteste).

    E agora, para terminar de piorar, as lamentáveis desconsiderações políticas que culminaram nas coerentes dissidências.

    No final das contas, Junior, Magno, Tino e Luis se fortalecem proporcionalmente dentro dos seus níveis.

    Quanta falta faz Humberto para Família e para o Povo.


    Marcelo Alcântara de Algarves de Bourbon Kuerten II

  1. Anônimo disse...:

    Saba meu querido, boa matéria isso mostra q ja era para o grupo coutinhos,caxias ganhou muito com o cabeludo, nunca vi uma cidade tão organizada e bonita, sendo que muita coisa mudou para melhor.

Postar um comentário