Pesadelo sem fim!!! Em nota, Maternidade Carmosina Coutinho tenta explicar morte de mais um recém-nascido, mas confunde ainda mais

25.4.16
Depois de denúncia dando conta da morte de mais um recém-nascido na Maternidade Carmosina Coutinho no último final de semana, nesta segunda-feira, 25, a direção do Hospital deu uma nota para esclarecer o episódio, mas as explicações não resistem a uma análise mais apurada.

Primeiro a direção da Maternidade aponta claramente as causas da morte do bebê, que teriam sido “pré-eclâmpsia (pressão alta da mãe) e hipóxia intrauterina (falta de oxigênio no útero para o feto)”, para em seguida afirmar que a gravidez seria de “alto risco”.

No entanto, na mesma nota, a Maternidade diz que, “entre os dias 18 e 23” a gestante Francisca José da Conceição “foi medicada e passou por exames de ultrassom, sendo o último na quinta-feira (21), mostrando que o bebê estava vivo, com batimentos cardíacos normais”, o que afastaria qualquer indício de gravidez de “alto risco”, uma vez que a mesma estava devidamente medicada e o bebê apresentava situação normal.

Durante o parto cesariana, no sábado (23), a obstetra Yoneide Maria retirou um natimorto do sexo masculino”, explica a Maternidade citando palavras da diretora geral, Juliana Linhares, que irá “apurar os fatos, e caso sejam descobertas imperícias ou negligências, um processo administrativo será instaurado”.

Gostaria de acreditar nas palavras duras da diretora da Maternidade Carmosina Coutinho e que ela realmente tome medidas enérgicas que o caso requer, mas duvido que até o último dia da administração Léo Coutinho seja feita alguma coisa nesse sentido.

Depois, todas as medidas cabíveis vão ser tomadas junto aos conselhos de Medicina e de Enfermagem, para que os responsáveis sofram as punições previstas por lei”, encerra a nota explicativa sugerindo que alguém poderá ser punido nessa história.

Caso Caxias tivesse um Ministério Público atuante e o caso fosse apurado corretamente, no decorrer das investigações, e após muitas cobranças, a Martenidade iria, no máximo, colocar a culpa do triste episódio na mãe do bebê que não fez um pré-natal adequado.

Enquanto isso, mães e bebês inocentes pagam o preço por uma situação de calamidade naquela que já ficou conhecida nacionalmente como “Maternidade da Morte”.

Veja abaixo a nota da Maternidade Carmosina Coutinho:

Nota de esclarecimento - Maternidade Carmosina Coutinho (MCC)


A Maternidade Carmosina Coutinho (MCC) apura informações para saber o que aconteceu com o bebê de Francisca José da Conceição, que nasceu morto nesse sábado (23), por volta das 16h. Na certidão de óbito entregue à família, as causas foram pré-eclâmpsia (pressão alta da mãe) e hipóxia intrauterina (falta de oxigênio no útero para o feto).

A gestante de 25 anos, natural do Povoado Lagoa Seca, em Coelho Neto, chegou à MCC no dia 18, referenciada pelo seu município de origem, porque tinha uma gestação de risco.

Entre os dias 18 e 23, Francisca José foi atendida pelos médicos Edson da Paz, Eduardo Santos e Yoneide Maria. Nesse período, também foi medicada e passou por exames de ultrassom, sendo o último na quinta-feira (21), mostrando que o bebê estava vivo, com batimentos cardíacos normais.

Durante o parto cesariana, no sábado (23), a obstetra Yoneide Maria retirou um natimorto do sexo masculino. A partir daí, foram realizados todos os procedimentos para garantir a saúde e bem-estar da mãe. A parturiente Francisca José ainda se encontra recebendo os cuidados da maternidade, internada para a boa recuperação do procedimento pós-cirúrgico.

A diretora-geral da MCC, Juliana Linhares, irá apurar os fatos e, caso sejam descobertas imperícias ou negligências, um processo administrativo será instaurado.

Depois, todas as medidas cabíveis vão ser tomadas junto aos conselhos de Medicina e de Enfermagem, para que os responsáveis sofram as punições previstas por lei.

A Maternidade Carmosina Coutinho se solidariza com a perda dos pais e está trabalhando para que a saúde de Francisca José se reestabeleça o mais rápido possível.

Caxias – MA, 24 de abril de 2016

Juliana Linhares Coelho

Diretora-geral
Maternidade Carmosina Coutinho

0 comentários:

Postar um comentário