Drama continua – Em depoimento no rádio, famílias que tiveram casas alagadas na Vila Paraíso relatam descaso da Amorim Coutinho, da Prefeitura e de vereadores governistas

2.4.16
Moradores da Vila Paraíso continuam sofrendo com o descaso da Prefeitura e
da Construtora Amorim Coutinho

De nada adiantou a enorme repercussão negativa que o alagamento de várias casas do residencial Vila Paraíso, em Caxias, provocou na cidade.

O sofrimento das famílias atingidas pela sequência de erros de planejamento da edificação das casas em terreno inadequado, também parece que não recebeu da construtora Amorim Coutinho, que as construiu, e da Prefeitura de Caxias, que recebeu a obra, nenhuma prioridade para resolver o problema.

Neste sábado, 02, vários moradores da Vila Paraíso foram entrevistados no programa “Fala, Catulé!”, transmitido pela Rádio Tropical FM no horário do meio-dia para protestar com o tratamento recebido daqueles que poderiam solucionar o problema.

Bastante revoltados, os moradores usaram os microfones da emissora para descrever a situação vivida desde a chuva do último dia 10 de março.

Aquele local não era pra ser construído casas”, disse Maugiane Wilma da Silva, ressaltando que existem muitos terrenos adequado na cidade para a construção de casas. “Tinha tantos locais, de terras planas, bons pra se construir casas, então por que nos jogaram lá?”, questinou a moradora enfatizando o abandono das famílias atingidas: “a gente tá lá abandonada”.

Ameaças

Demonstrando indignação, Mugiane da Silva, revelou na entrevista na Rádio Tropical, que a Construtora Amorim Coutinho estaria ameaçando os moradores caso os mesmos continuassem a denunciar o drama vivido por eles aos órgãos de imprensa da cidade. “A Construtora Amorim Coutinho a todo momento nos ameaça”, revelou ela afirmando que as ameaças por parte da empresa acontecem desde o dia que o drama começou. “Desde o início ela vem nos ameaçando, se nós déssemos entrevista, nós não iriamos ser ressarcidos com os móveis”, disse ela acrescentando que “em nenhum momento ele nos falaram dos danos morais, eles não querem saber dos danos morais”, contou Maugiane revelando o seu caso, que vive com sua avó, de 73 anos de idade, e que está operada. “Já pensou se no momento daquela enchente, ela estivesse lá? Quem era que ia trazer a vida dela de volta?”, questionou.

Abordando o descaso da construtora Amorim Coutinho, Maugiene relatou um episódio ocorrido na manhã deste sábado, 02, nas dependências da empresa, quando, segundo ela, uma funcionária, de nome Aida, teria agido com indelicadeza com uma das moradoras da Vila Paraíso. “Inclusive quando eu acompanhava uma moradora, porque eu acompanho todos os moradores, e ela [Aida] pensou que essa moradora fosse filmar e gravar.. ela avançou pra cima dessa moradora e ainda deu um tapa na mão dela... e foi quando eu tive que intervir para que ela não fizesse nada contra e disse pra ela: agressão verbal é crime, dá cadeia, e agressão física também”.

Além das ameaças, a todo momento eles estão tentando nos intimidar”, contou a estudante, que atua como uma das líderes dos moradores da Vila Paraíso.

Firme nas suas reivindicações, Maugiane deixou um recado para a construtora Amorim Coutinho, para o prefeito Léo Coutinho, e para os vereadores da base aliada do prefeito por terem votado contra o requerimento apresentado na Câmara Municipal que pedia a convocação da empresa responsável pela construção das casas da Vila Paraíso. “Nós estamos jogados. Nem bicho se deixa jogado daquele jeito”.

Por sua vez, Catulé aproveitou para lamentar a posição dos colegas governistas, por terem ficado contra a convocação dos diretores da Amorim Coutinho. “Como é que uma Câmara Municipal pode ficar contra um povo que põe um vereador ali para falar pelo eles?”, questionou Catulé que lamentou também a atuação do Ministério Público nesse episódio: “Mas o mais grave de tudo isso é que o Ministério Público está com uma venda nos olhos, está cego, porque em cidades menores que a nossa, donos de construtoras já foram para a cadeia por menos coisas do que isso”. O vereador ressaltou ainda o papel da OAB caxiense, que está tendo atribuições que seriam do MP, “nós estamos encontrando uma voz, que é a OAB”.

Os moradores da Vila Paraíso, que participaram da entrevista na Rádio Tropical, também falaram sobre os danos nos móveis das suas residências, e do não ressarcimento dos mesmos por parte da Amorim Coutinho, que no primeiro momento, se prontificou a reparar, tanto da edificação dos imóveis, quanto dos móveis e eletrodomésticos atingidos. “O sofá de uma moradora, que custou R$ 1.300,00 (mil e trezentos reais), eles queriam dar um de péssima qualidade e que custa apenas R$ 400,00 (quatrocentos reais”, revelou Mauricio Reis Felix.

Além da chuva do último dia 10 de março, em outras 3 oportunidades os moradores sofreram as consequências das chuvas nas casas.

As paredes estão dando choque na gente”, revelam as vítimas.

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    É muita falta de respeito com o povo, pessoal vão ao ministério público federal, pois o dinheiro foi repassado pelo governo federal, eles tem o dever de tomar previdências e investigar todas as irregularidades que pelo visto são muitas.

  1. Roger Alexandre disse...:

    O Grande lance do PT e seus afiliados foi conceder benefícios ao povo inculto e das classes D, E a custa das classes A, B e C que estão nesse nível a custa de seu trabalho e renda, e com isso ter esse mesmo povo como fiel defensor de seus interesses neste momento em que a maioria da população não aprova este governo de corruptos. Digo isto porque fazer parte das classes C, D e E a custa de esmola do governo não é legitimamente fazer parte de uma classe, mas sim ser colocado nesta classe a custa de esmola governamental. Não somos contar as esmolas do governo para com os mais pobres, mas este governo deveria estabelecer um prazo para extinguir esses benefícios e criar condições de emprego e renda para que este povo humilde migrasse de beneficiários a trabalhadores formais merecedores de seus salários por conta de empregos que dignificam o homem e os pais de família, mas não, acostumaram o povo humilde a receber sem produzir durante esses mais de 12 anos de governo PT. Simplesmente para tê-los como defensores e ainda os aterroriza dizendo que estas esmolas acabarão caso o o PT e a Dilma saiam do governo.
    Estamos à beira de uma guerra civil e caso isto ocorra ai sim teremos um golpe, pois as forças militares irão para a rua preservar a lei e a ordem, pois a população estará refém desses PTralhas radicais, que já avisaram que pegarão em armas e invadirão terras, propriedades e órgão públicos caso a Dilma seja impedida. Os mesmo insistem em defender um governo que perdeu a legitimidade de governar, pois enganou mais de 54 milhões de brasileiros que votaram em mentiras e foram ludibriados pelos PTralhas inclusive pelo senhor LULA.
    Este dono da tal LILS, sigla de seu nome e que recebera milhões em pagamento por palestras sem nenhum valor e que serviram apenas para receber as propinas desviadas da Petrobrás e de outras obras Brasil a fora, como todas as obras do PAC, posso apostar, salvo melhor juízo, que até o minha casa, minha vida foi lugar de lavar propina.

Postar um comentário