Primeiro ano de Agritec deixa legado de desenvolvimento para o Estado

16.1.16
Em suas quatro primeiras edições de 2015 a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão - AGRITEC, trouxe uma nova fase em inovação para a Agricultura Familiar no Maranhão.

A Feira realizada pelo Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema de Agricultura Familiar do Estado (SAF, Agerp e Iterma) em parceria com Embrapa Cocais, Sebrae, Movimentos Sociais (MST, FETRAF, FETAEMA, ACONERUQ e MIQCB) e prefeituras municipais, atuou como porta de entrada de conhecimento para o pequeno agricultor e um facilitador de aproximação entre os municípios e os recursos destinados ao desenvolvimento da agricultura, como o Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA.

Mais de R$ 4 milhões em propostas do PAA foram aprovadas durante ou logo após o trabalho desenvolvido pelas equipes do Sistema SAF nas Agritecs, distribuídos em 9 municípios e atendendo quase 700 famílias de agricultores.

Os municípios com maiores propostas aprovadas foram Caixas, com R$ 1,500 milhão, seguido de Santa Luzia, com cerca de R$ 730 mil.

Com a divulgação do PAA nas Agritecs tivemos uma grande procura de gestores municipais para aderir e executar as propostas do Programa. A Feira possibilitou também uma melhor logística com as equipes do PAA municipais, uma vez que nós do PAA estadual conseguimos capacitar vários municípios em um mesmo local”, disse a coordenadora interina do Programa na SAF, Aline Reis.

Aline aponta ainda o significante número de municípios que tiveram suas propostas aprovadas após conversa com a equipe do PAA da SAF.

Como exemplo tivemos as propostas de Lagoa do Mato e Afonso Cunha, que foram capacitados e tiveram suas propostas aprovadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário no decorrer da Agritec de Caxias. Já na primeira Agritec, no Território de Campos e Lagos, tivemos a adesão do município sede, São Bento”, completou a coordenadora.

O município de Caxias, na Região dos Cocais, recebeu uma das mais frutíferas edições da Agritec, sendo responsável diretamente pelo início do cultivo de feijão Biofortificado no município de Belágua.

2015 foi apenas o primeiro ano de Agritec sob gestão do Governo do Estado, mas já colhemos vários frutos. Nosso objetivo de levar conhecimento e inovação ao pequeno produtor foi alcançado e isso só nos motiva a fazer muito mais nesse ano. O governador Flávio Dino já determinou mais Agritecs em 2016 e é com grande alegria que vamos dar continuidade a esse trabalho. O PAA e os Biofortificados movimentam a economia, modernizam e melhoram a produção de alimentos e levam comida saudável à mesa dos maranhenses, produzida em solo do nosso próprio estado”, disse o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Em 2016 a Agritec acontecerá em lugares diferentes, com foco nas cadeiras produtivas. Reforçar as potencialidades dos municípios será a nova abordagem da Feira.

Se um município já trabalha, por exemplo, com a cadeia produtiva de caprinocultura, a programação técnica da Agritec levará em conta essa cadeia e contará com oficinas e cursos que visam aprimorar a produção e desenvolver a região com base no que ela tem de melhor”, comentou o secretário.

Alimentos Biofortificados no Maranhão

Desenvolvidos pela Embrapa Meio Norte, os alimentos biofortificados no Maranhão entrarão em uma nova fase, agora com atuação direta do Governo do Maranhão, através da elaboração do Programa Estadual de Biofortificação de Alimentos, promovendo segurança alimentar e nutricional às famílias maranhenses.

O Projeto está sendo elaborado pela SAF em conjunto com a Secretaria Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, a Secretaria de Estado da Igualdade Racial, o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão”, apontou a superintendente de Articulação de Políticas Públicas da SAF, Adelana Santos.

Agricultores da Região dos Cocais, nos municípios de Codó, Timbira, São Mateus e Alto Alegre já estão recebendo, por exemplo, sementes de milho e feijão para começarem suas plantações.

0 comentários:

Postar um comentário