Socorro!!! Sem salários há 5 meses, funcionários do SAMU podem cruzar os braços na próxima quinta-feira, 26

25.3.15
Quando digo que o problema do governo Léo Coutinho é de gestão, e não de falta de recursos, falo isso por conta dos incontáveis casos em que a máquina administrativa não funciona a contento por ações simples e que não precisam necessariamente de dinheiro.

Todos em Caxias tomaram conhecimento de um socorro financeiro realizado pelo governo Flávio Dino ao setor da saúde do município. Foram R$ 5 milhões depositados na conta da Prefeitura de Caxias no último dia 11, de um total de R$ 9 milhões. O restante desse convênio (R$ 4 milhões), será depositado no próximo dia 10 de abril.

Pois bem, com todo esse recurso disponível para sanear as contas da debilitada Saúde tupiniquim, o governo Léo Coutinho não conseguiu socorrer 20 pais e mães de famílias que sofrem há 5 meses sem receber seus salários.

Sabá, nós temos famílias, temos que comprar livros e alimentação para nossos filhos, mas estamos vivendo numa situação de desespero”, relatou-me um dos 20 servidores do Samu que há cinco meses trocaram a alegria de um emprego pelo sofrimento e a humilhação de trabalharem de graça para o município.

Não são poucos os problemas existentes no Serviço de Atendimento Médico de Urgência – Samu/Caxias.

Salários atrasados, diárias que demoram meses para serem pagas e veículos sem combustível que emolduram a decadência de um serviço de suma importância para milhares de caxienses.

Caso fosse um ser humano, diria-se que o nosso Samu sofre de algum mal crônico, dada a quantidade de sintomas que tem apresentado desde que Léo Coutinho sentou na principal cadeira do Palácio da Cidade.

A agonia da vez no Samu caxiense faz com que 20 servidores do setor (condutores, técnicos e auxiliares de enfermagem), trabalhem num regime análogo a escravidão, haja vista que não recebem salários.

Já recorremos a presidente da Câmara, ao Berilo e a Alessandra Daniel, mas só nos fazem promessas que o problema será resolvido logo”, protesta um dos servidores que procuraram o blog.

Imagino que caso o Berilo, a Josvalda e a Alessandra ficassem sem salários durante cinco meses, e sendo essa a única fonte de renda deles, como fariam para sobreviver”, questiona um sem-salário do Samu.

No tempo da escravidão, os negros só podiam sair da condição de propriedade dos seus senhores de duas formas: uma era pagando a sua alforria, o que para esses 20 servidores do Samu é como piada e a outra maneira que os negros tinham para ganhar a liberdade era fugindo das senzalas.

Em Caxias, os 20 valorosos sem-salários do Samu não podem pagar por uma hipotética alforria e muito menos fugir das correntes da esperança de receberem seus salários.

A paralisação prevista para esta quinta-feira, 26, será o tudo ou nada para esses desamparados.

Será que Léo Coutinho finalmente ficará sensibilizado com a situação?!

1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Se for verdade o que você diz, concordo com o comentário. De fato, um servidor deve receber seu salário pelo serviço que presta. E em se tratando de um servidor do SAMU, ai é que deve mesmo. Tem alguma coisa nisso tudo, e deve ser mesmo questão administrativa. 5 meses...sinceramente, não estou nem acreditando. Onde anda o Vinicius?

Postar um comentário