Vereador Catulé faz aniversário e recebe abraço de amigos

31.7.19

O presidente da Câmara Municipal de Caxias, vereador Catulé (PRB), foi surpreendido, na manhã desta quarta-feira (31), em seu gabinete de trabalho pela visita inesperada de dezenas de amigos que foram abraçá-lo pelo transcurso de mais um aniversário de vida.

Entre os amigos que foram cumprimentar o vereador, estavam o prefeito Fábio Gentil (PRB), o secretário de Estado de Turismo, Catulé Júnior, vereadores, assessores do primeiro escalão do município, familiares, amigos e correligionários e funcionários da Câmara Municipal.

Agradecido pela homenagem de que fora alvo, Catulé conversou alegremente com todos que foram cumprimentá-lo na ocasião, ressaltando que comemorar aniversário, de surpresa, é uma das emoções mais gratas que tem da vida, uma vez que cada momento se transforma em algo especial a ser registrado com alegria durante a existência. "São esses momentos que guardamos com carinho; que nos estimulam a viver e a continuar a servir a todos que convivem conosco, assim como a todo esse maravilhoso povo de Caxias", disse, emocionado, na ocasião. (Da assessoria)

Inaugurações e shows marcarão comemoração dos 196 anos da adesão de Caxias à independência do Brasil

30.7.19

A Prefeitura de Caxias preparou uma programação especial para comemorar os 196 anos de adesão do município à independência do Brasil. A celebração da data se estenderá de 1º a 3 de agosto, na sede e na zona rural. O prefeito Fábio Gentil (PRB) entregará mais de 100 benfeitorias ao povo, entre obras e ações, contemplando áreas como saúde, educação, infraestrutura, lazer, cultura e mobilidade.

Uma das obras mais aguardadas é o Complexo Hospitalar Gentil Filho, o maior hospital municipal do interior do Maranhão. Localizado no bairro Siriema, o complexo de saúde será referência em assistência a pacientes no Maranhão e atenderá mais de 50 municípios. O projeto compreende a reforma e a ampliação do antigo Hospital Geral, de modo a oferecer serviços médicos de melhor qualidade à população caxiense.

A área que passa por reforma compreende o setor de nutrição, enfermarias, centro cirúrgico com ampliação de mais duas salas de cirurgia, sala de recuperação pós-anestésica, construção de um novo Centro de Material Esterilizado (CME) e reforma da UTI Adulto. Já a área que está sendo construída inclui um novo bloco de atendimento de urgência e emergência, composto de dois pavimentos: subsolo e térreo.

O subsolo terá estacionamento para os servidores/médicos e o térreo terá área externa para desembarque de ambulância, recepção/espera adulto, sala de triagem médica, sala de serviço social, sala de higienização, sala de suturas/curativos, sala de inalação, sala de aplicação de medicamentos, sala de gesso, sala para exame indiferenciado, dentre outras instalações.

Terminal rodoviário

Outra obra aguardada com enorme expectativa e que se tornará realidade na gestão do prefeito Fábio Gentil é a reforma e climatização do Terminal Rodoviário Nachor Carvalho. Também serão entregues o calçamento e asfalto de mais 14 ruas, dentre elas, a Rua Beira Rio, no bairro Ponte, onde também foram rebocadas e pintadas as fachadas das casas e do entorno. Na programação também consta a inauguração de mais sete sistemas de abastecimento de água em comunidades rurais, a exemplo dos povoados Pau Pombo e do Brejinho, além da entrega da reforma e ampliação de 31 escolas na zona rural, como a da U.I.M. Antônio Rosa de Lima, Povoado Sítio (2º Distrito) e U.E.M. Enedino Araújo, no Povoado Canto Alegre (2º Distrito).

A lista de benfeitorias é extensa e para entregar cada uma, Fábio Gentil e comitiva cumprirão uma verdadeira maratona em todo o município. E como disposição é o que não falta, o prefeito promete estar presente em cada bairro e em cada povoado para entregar as obras e demais ações e ter a satisfação de conferir, nos semblantes das pessoas, a alegria de receber tantas melhorias.

Shows

A programação comemorativa será encerrada com dois grandes shows no Parque da Cidade. Subirão ao palco os astros Léo Magalhães, Durval Lelys, além de artistas locais. A noite festiva realçará o momento especial que vive Caxias, com uma gestão eficiente e disposta a impulsionar o desenvolvimento da cidade e elevar a qualidade de vida da população.

À frente do trabalho, marcado por inegável êxito, está o prefeito Fábio Gentil, que em pouco mais de dois anos e meio, já entrou para história do município como exemplo de compromisso, seriedade e competência.

Suspeito de matar Gabriel teria planejado fuga, diz delegado


O delegado Sérgio Alencar, do 1º Distrito Policial, acredita que o mestre de obras Deivid Ferreira de Sousa, suspeito de ter assassinado o estudante Gabriel Breno, planejou a fuga antes de cometer o crime. 

“Acreditamos que ele realmente tenha planejado a fuga. Ele não matou e saiu à toa, ele supostamente planejou para onde iria depois disso”, disse o delegado.

Segundo Sérgio Alencar, por conta da repercussão do caso, a prisão do suspeito recebe atenção da polícia. “A polícia está trabalhando nas buscas, está fazendo tudo o que pode fazer. Contamos com o apoio da Delegacia de Captura, e do Núcleo de Inteligência. A prisão dele é prioridade”, pontuou o delegado.

Ao ser questionado sobre um prazo para a prisão do investigado, o delegado assinala que a captura não deverá tardar mais que um mês. “Em breve iremos encontrá-lo”, assegurou.

A Polícia Civil solicitou à Justiça a  prisão preventiva de Deivid no dia 19 de julho, desde então ele permanece foragido.  O 1º DP tentou fazer acordo com o advogado do suspeito para que ele se entregasse, no entanto, o mestre de obras prefere não se apresentar e estaria "assustado" diante da repercussão do caso na imprensa. (Cidade Verde)

Márcio Jerry: “Moro fraudou a eleição e ganhou um Ministério”


A última revelação trazida pelo The Intercept e Folha de São Paulo, no que ficou conhecido como escândalo da Vaza Jato, mostra que Sérgio Moro fez política com delação de Antônio Palocci dias antes do primeiro turno, ajudando a eleger Jair Bolsonaro (PSL), para em seguida ganhar o cargo de ministro da Justiça. O caso indignou parlamentares e democratas.

Segundo o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA), o ex-juiz federal deveria ser convocado outra vez para prestar esclarecimentos na Câmara e no Senado. “Moro fraudou a eleição e ganhou um Ministério, ele deve explicações ao país, deve até explicações à Justiça. O que já se sabe caracteriza claramente uma vergonhosa armação política comandada pelo atual ministro da Justiça, que se escondeu no “combate à corrupção” para corromper o sistema político”, declarou.

Jandira Feghali (PCdoB-RJ), lembrou que Laura Tesler, procuradora que Moro chamou de “fraca”, aparece na reportagem justamente reiterando que havia falta de provas na delação de Palocci. “O ex-juiz covarde agiu politicamente e desonestamente na divulgação da delação de Palocci próximo do primeiro turno presidencial”, afirmou a deputada.

O depoimento de Palocci foi tomado em abril de 2018, mas divulgado apenas em outubro, dias antes da eleição. Na época, o então juiz foi acusado de querer prejudicar a candidatura de Fernando Haddad (PT). (Do blog do John Cutrim)

MARANHÃO - Temporada de Férias do Mais Cultura e Turismo se despede do público com gostinho de quero mais

29.7.19

A ideia de manter vivo o clima junino por mais um mês em São Luís deu tão que certo que o evento já integra o calendário cultural da cidade.

Mais Cultura e Turismo Férias se estendeu por todo o mês de julho (Foto: Gilson Teixeira)

A temporada 2019 do Mais Cultura e Turismo Férias vai deixar saudades. Com programação durante todos os finais de semana do mês de julho, o projeto foi um sucesso de público, com shows de forró, apresentação de diversos grupos de bumba-meu-boi, cacuriá, tambor de crioula e muitas outras atrações.

A ideia de manter vivo o clima junino por mais um mês em São Luís deu tão que certo que o evento já integra o calendário cultural da cidade.

Neste sábado (27), na Praça da Fé, ao lado da Casa do Maranhão, Andrezinho e os Brotos do Forró, o Bumba-meu-boi de Leonardo e a Companhia Barrica fecharam com chave de ouro a festa este ano.

A aposentada Etelvina Penalber é de Belém e adorou
o projeto (Foto: Gilson Teixeira)
A aposentada Etelvina Penalber é de Belém e adorou o projeto. Ele está pela primeira vez em São Luís, mas só conseguiu chegar à cidade em julho, após o São João. Com o Mais Cultura e Turista Férias ela pode aproveitar as brincadeiras folclóricas locais, mesmo fora da temporada junina.

“Achei o projeto fantástico porque estimula a cultura, o povo vem mais, e se aproxima mais da cultura. Essa festa até julho é ótima. Quando eu vim me disseram: a senhora ainda vai aproveitar porque tem programação até o final de julho”, conta.

Para a vendedora autônoma Paula Ramos, o Mais Cultura e Turismo de Férias é uma oportunidade criativa de e estimular o turismo gerar renda em tempos de crise e alto índice de desemprego.

“Eu achei maravilhoso. Tem muito turista e nós temos que mostrar o que tem de bom do Maranhão. Um projeto como esse aumenta nas vendas dos autônomos que vendem bebida e refeição, porque o desemprego tá muito grade. Isso aí ajuda a fortalecer tanto a população de São Luís, como o Maranhão, que fica mais conhecido lá fora”, ressalta.

Dona Joanice Frazão mantém uma barraquinha com venda de bebidas no Centro Histórico. Ela conta que a lucratividade foi boa no São João deste ano, mas que no mês de julho as vendas foram ainda melhores.

Joanice Frazão lucrou com barraquinha de
bebidas (Foto: Gilson Teixeira)
“Ótimo! Foi muito bom, graças a Deus. Eu trabalho aqui todo dia, independente das festas, mas esse ano foi muito bom. Junho e julho foram bons de venda, mas julho foi melhor ainda”, destaca.

As últimas atrações do Mais Cultura e Turismo Férias se apresentam neste domingo (28), na Praça da Fé, com direito a apresentação do projeto Circo Tá na Rua e dos grupos de bumba-meu-boi de Santa Fé e Itapary.

Programação cultural o ano inteiro

Apesar do encerramento de mais um temporada do projeto, o secretário de Estado da Cultura Anderson Lindoso avisa que vem mais festa por aí.

“A programação de férias encerra, mas em agosto já começam as Ocupações Artísticas. Vamos oferecer atrações culturais o ano inteiro com a marca da nossa diversidade incentivando o turismo e a economia criativa”, antecipa.

Em artigo publicado neste domingo, Lindoso assegura que “o Mais Cultura e Turismo Férias dá até logo, mas a programação cultural do nosso estado não vai parar”.

Maranhenses e turistas também vão poder aproveitar as atrações do Projeto Quinta do Reggae, às quintas-feiras na Praça do Reggae, e o Pôr do Sol no Palácio, com shows gratuitos de música instrumental todas as sextas-feiras do ano, até dezembro. (Secom/MA)

INVESTIGAÇÃO ENCERRADA - Polícia de SP conclui inquérito e não indicia Neymar por estupro e agressão


Delegada concluiu inquérito na tarde desta segunda.

Neymar fala após prestar depoimento na delegacia da mulher em São Paulo — Foto: GloboNews/Reprodução
Do G1

A delegada Juliana Lopes Bussacos, titular da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, concluiu na tarde desta segunda-feira (29) o inquérito que apura a acusação de estupro e agressão feita pela modelo Najila de Souza contra Neymar. A polícia decidiu não indiciar o jogador pelo crime.

No começo do mês, a Justiça acolheu pedido da delegada e autorizou a prorrogação do inquérito por até 30 dias para que diligências complementares pudessem ser feitas. O Ministério Público pediu a cópia do inquérito de extorsão, do inquérito que suposto furto no apartamento de Najila e do inquérito sobre a divulgação de imagens íntimas da mulher, em apuração no Rio. Já delegada solicitou o acesso às imagens das câmeras de segurança do hotel em Paris e o prontuário médico do ginecologista particular de Najila.

As cópias dos inquéritos chegaram e foram anexadas à investigação de estupro. Já as imagens e o prontuário médico não chegaram, porém, a delegada decidiu encerrar a investigação mesmo assim.

As promotoras do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid) podem oferecer denúncia (acusação formal à Justiça), pedir o arquivamento do inquérito ou pedir novas diligências. O Ministério Público tem prazo legal de 15 dias para se manifestar.

1ª Feira da Agricultura Familiar de Timon reniu produtores rurais de 15 comunidades


A 1ª Feira da Agricultura Familiar de Timon atraiu centenas de pessoas à Praça São José na manhã do último domingo (28). A data escolhida marca por lei no calendário municipal o dia dedicado à Agricultura Familiar, uma motivação a mais para a realização da feira.

Ao todo, vinte barracas montadas na praça, local de grande circulação de pessoas, expuseram produtos cultivados na zona rural do município, com uma gama de produtos, tudo fresquinho, 100% orgânicos e com preço acessível. Frutas e verduras trazidas de, pelo menos, 15 comunidades da região de Timon. O Sr. Clóvis Emílio, por exemplo, veio do sítio Potylândia. Ele, que a vida inteira se dedicou ao cultivo da terra, fala da alegria em participar da 1ª Feira da Agricultura Familiar. “É um espaço importante pra nós. Aqui eu posso mostrar o resultado do plantio. Vendo tudo rapidinho e do jeito que o cliente gosta. Quero muito participar de outras feiras.” – frisa o produtor rural.

Quem visitou a feira pôde comprar de tudo um pouco, entre frutas e verduras: cheiro verde, alface, tomate, macaxeira, banana, melancia, tudo de extrema qualidade. “É maravilhoso ter uma feira como essa, poder colocar na mesa hortifrutis que são plantados aqui mesmo na região de Timon.” – Claudirene Freitas, professora.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Rural, Rodrigues Neto, o grande objetivo da feira é poder auxiliar o produtor rural na comercialização de seus produtos com mais rapidez e preço justo, além de disponibilizar produtos mais saudáveis à população. “A partir do momento que os hortifrutis saem do campo direto para o consumidor, evitamos atravessadores e conseguimos ajudar quem vende e quem compra.” – frisa o secretário.

Além dos hortifrutis, a feira também reservou um espaço para a gastronomia, oferecendo bolos e cafés. Para valorizar o artesanato, as mulheres do Clube de Mães também tiveram espaço na feira. Panos de prato, tapetes, roupas, tanta coisa feita à mão sendo comercializada na praça.

“Nós achamos perfeita a ideia da feira. Tudo que nós mulheres e donas de casa produzimos trouxemos pra cá. E o que vendemos vira uma renda extra pra ajudar nas despesas de casa.” – relata Francisca Maria, artesã do Clube de Mães.

De acordo com o planejamento da Prefeitura de Timon, através da SEMDR, essa foi a primeira de muitas feiras a serem realizadas.  A Secretaria vai continuar cadastrando os produtores rurais interessados em participar. A ideia é tornar a feira itinerante, sempre realizando em locais de grande movimentação de pessoas. (Da assessoria)

Feriado municipal suspende expediente no fórum de Caxias em 1º de agosto


Ficam suspensos também os prazos processuais iniciados ou encerrados durante essa data, os quais serão prorrogados para o primeiro dia útil seguinte.

O juiz de direito Ailton Gutemberg Carvalho Lima (2ª Vara Cível), diretor do forum da comarca de Caxias, determinou a suspensão do expediente no Forum “Des. Arthur Almada Lima” na quinta-feira, dia 1º de agosto, devido ao feriado municipal de “Adesão do Município de Caxias à Independência do Brasil”.

Com essa medida, ficam suspensos também os prazos processuais iniciados ou encerrados durante essa data, os quais serão prorrogados para o primeiro dia útil seguinte, a fim de que não haja prejuízo às partes.

Na Portaria nº 3111/2019, o juiz considerou norma do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, segundo a qual não haverá expediente forense nas comarcas do interior, nos feriados instituídos por lei municipal. E, ainda, a existência da Lei Municipal nº 1020/87, aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito, instituindo o dia 1º de agosto feriado municipal comemorativo da Adesão de Caxias à Independência do Brasil. (Da assessoria)

Flávio Dino e Governadores do Nordeste fazem primeira reunião após críticas de Bolsonaro

Os governadores do Nordeste se reúnem nesta segunda-feira (29) na Bahia. Será a primeira vez que eles se encontram após terem sido chamados de “governadores de paraíba” pelo presidente Jair Bolsonaro. Mesmo assim, garantem que a pauta oficial do fórum é mesmo o Consórcio Nordeste. Principal alvo das críticas do chefe do Executivo, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), explica que será com uma agenda de trabalho que o Nordeste vai responder ao presidente.

“Enquanto alguns querem criar conflitos com o Nordeste, nós queremos trabalho, ação e resultados. É isso que vamos procurar distinguir. Então, a reunião vai ser marcada sobretudo pela agenda do Consórcio Nordeste”, declarou Flávio Dino.

Para Bolsonaro, Dino é “o pior dos governadores de Paraíba” e não deveria receber nada por isso. Na última pesquisa do Painel do Poder, porém, o maranhense foi o governador mais bem avaliado pelos parlamentares entrevistados pelo Congresso em Foco em parceria com a In Press Oficina.

Outros governadores endossaram a pauta do Consórcio Nordeste e explicaram que, apesar de acontecer exatamente dez dias depois da declaração do presidente, o encontro já estava marcado anteriormente. O fato de o fórum ser realizado na Bahia, estado em que o governador Rui Costa (PT) se recusou a participar de uma agenda ao lado do chefe do Executivo por conta da declaração considerada racista pelos nordestinos, também foi apontada como uma coincidência. Afinal, Costa recebe a reunião porque foi escolhido para ser o primeiro presidente do Consórcio Nordeste.

“Uma agenda de trabalho é a principal resposta que nós podemos dar. É mostrar que nós estamos pensando no Brasil e, sobretudo, na parte do Brasil que nos cabe, que são os estados que governamos”, reforçou Flávio Dino, lembrando que os governadores do Nordeste já se posicionaram contra a declaração do presidente através de uma carta em que cobraram explicações do Executivo em relação à possível restrição de recursos a estados nordestinos.

É para resolver problemas financeiros como esse, por sinal, que os governadores se encontram nesta segunda. A ideia principal do encontro é lançar oficialmente e definir o plano de trabalho do Consórcio Nordeste – projeto que estabelece uma parceria entre os nove estados da região para agilizar, facilitar e baratear processos burocráticos, além de permitir ações conjuntas em temas como o desenvolvimento social, econômico e ambiental. Uma das ideias é, por exemplo, realizar licitações conjuntas que garantam a compra de materiais para todos os estados com preços menores que os que seriam praticados em licitações individuais, de menor escala.

“Nesta reunião, vamos tomar ações importantes para o avanço do consórcio. Vamos aprovar a  direção administrativa e o primeiro plano de trabalho, com temas de desenvolvimento econômico como o turismo e as compras conjuntas”, explicou Dino. Ele lembrou que, apesar de falar-se sobre o consórcio desde o início do ano, só agora será possível fazer isso porque foi nas últimas semanas que a criação do consórcio foi aprovada nas assembleias legislativas dos nove estados nordestinos, o que permitiu estruturar legalmente e dar CNPJ ao projeto.

Apesar de buscar mais independência financeira através do Consórcio Nordeste, o governador do Maranhão admitiu, por sua vez, que seria positivo ver o governo federal estreitando o diálogo com o Nordeste. “O interesse da nação deve estar acima de preferências políticas ou eventuais antipatias partidárias. E em uma federação em que as competências estão divididas entre governo federal, estados e prefeituras, a maior cooperação possível deve ser buscada”, afirmou Dino, dizendo esperar que a polêmica criada em torno das últimas declarações do presidente sobre o Nordeste sirva para que Bolsonaro reveja sua relação com a região.

(Congresso em Foco)

Senai Caxias abrirá inscrições para cursos gratuitos em agosto


Cursos que serão ofertados: técnico em Segurança do Trabalho e técnico em Edificações.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) em Caxias abrirá inscrições, no período de 7 a 9 de agosto, para os cursos gratuitos de técnico em Segurança do Trabalho e técnico em Edificações.

Os cursos serão ofertados na modalidade presencial, com carga horária de 1.200 horas cada. O início das aulas está previsto para o dia 20 de agosto.

As inscrições ocorrerão na recepção do Senai Caxias, no horário de 8h às 11h e de 14h às 17h, com a apresentação da carteira de Identificade, CPF e declaração de matrícula no 2º ou 3º ano do Ensino Médio, ou certificado de conclusão do Ensino Médio do candidato.

Mais informações sobre os cursos nos telefones (99) 3521-4471 e 3421-0033.

(Portal Noca)

Coelho Neto no topo do ranking de geração de emprego no Estado


As contratações temporárias do Grupo João Santos para a moagem da safra 2019 contribuíram para que Coelho Neto superasse a capital São Luís na geração de empregos no mês de junho.

A cidade ficou no topo do ranking entre os 51 municípios maranhenses com mais de 30 mil habitantes, segundo o levantamento do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego – Caged, do Ministério do Trabalho.

Os dados estatísticos que foram divulgados na última quinta (25), apontam um percentual de variação foi de 0,43% em relação ao mês anterior. Foram 323 vagas abertas, com variação mensal de  18,74%, enquanto que em São Luís  foram 163 vagas de saldo positivo, com crescimento de apenas 0,07%.

No Maranhão, os setores da Agropecuária, Construção Civil e da Indústria de Transformação responderam pelo saldo positivo de 2001 vagas de  carteira assinada.  Os dados apontam ainda retração em dois setores da economia que vinham sustentando o nível de emprego; comércio e serviços tiveram saldo negativo. A queda mais acentuada ocorreu no comércio varejista, com elevada taxa de desligamento. Foram 301 vagas encerradas.

Em relação ao serviço, no subsetor do transporte e comunicação houve a maior retração, com saldo negativo de 45 vagas. Neste subsetor estão os cobradores, trabalhadores das concessionárias do transporte público que vem sendo eliminados dos quadros destas operadoras.

(Com contribuição do Blog do Garrone/ Foto: João Osório)

196 anos da adesão do Maranhão à independência do Brasil: Caxias foi o último foco de resistência


O Maranhão aderiu à independência em 28 de julho de 1823.

Por Wibson Carvalho, jornalista e membro da Academia Caxiense de Letras

Neste domingo (28) é lembrada a antiga data magna maranhense. Proclamada a independência do Brasil no dia 7 de setembro de 1822, no país não reinou a calma. Nos estados da Bahia e Maranhão as lutas contra a independência foram mais sangrentas; o Maranhão só aderiu a mesma em 28 de julho de 1823, e Caxias foi o último foco de resistência.

Segundo o historiador caxiense César Augusto Marques, a Vila de Caxias aderiu à causa da independência da seguinte forma: a junta provisória do governo do Ceará, desejando favorecer as intenções dos habitantes do Piauí que ambicionavam a sua independência, deliberou para expedir essa província o governador das Armas, José Pereira Filgueiras, e Tristão Gonçalves Pereira Alencar Araripe, para que promovesse o bom êxito do tal projeto.

Pondo-se em marcha os expedicionários a 30 de março de 1823, recebeu o dito governador a carta imperial, de 16 de abril do mesmo ano, autorizando-o a reunir toda a força para proclamar a independência do Maranhão.
Apresentou-se a junta aos redores da Vila de Caxias com 6.000 homens, e, depois de longas fadigas e privações, no dia 31 de julho do mesmo ano foi celebrada uma honrosa convenção em sessão extraordinária da Câmara Municipal, reunida na então capela de Nossa Senhora dos Remédios, tendo a ela comparecido: o clero, a nobreza, o povo e os sitiantes comandados pelo major Salvador Cardoso de Oliveira e João da Costa Alecrim e os sitiados sob o comando do major português João José da Cunha Fidié.

No dia seguinte: 1º de agosto de 1823, as tropas independentes entraram em Caxias e no dia 6 daquele mês procedeu-se a eleição para vereadores, tendo sido eleitos: Francisco Henrique Wilk, capitão Clemente José da Costa, José Isidoro Viana, Francisco Joaquim de Carvalho, João Ribeiro de Vasconcelos Pessoa e José Maria César Brandão.

Na realidade, a bravura do povo caxiense foi, é, e sempre será uma característica marcante nas conquistas de uma cidadania livre e soberana.

Em verdade, no ano de 1822, quando ocorreu, simbolicamente, o Grito da Independência do Brasil, a Vila de Caxias era habitada, predominantemente, por uma população lusitana. A classe hegemônica, constituída de portugueses, exercia a dominação ao comércio, a igreja e a educação no lugar. E, portanto, assim, não queria contrariar os interesses da Coroa de Portugal à qual tínhamos o jugo de subordinação política.

Mas, somente quase um ano depois, precisamente, em 1º de agosto de 1823, o povo caxiense livrou-se do domínio português e a aderiu à independência para se tornar soberano e patriota, também, à cidadania brasileira. A Vila de Caxias tornava-se, também, livre do cunho de estado colonial e se constituía em um próspero centro comercial e soberano da nova Província do Maranhão.

Séculos se passaram, e o povo desta terra de bravos cidadãos é, atualmente, um torrão liberto e ávido aos anseios de seu destino. Portanto, na data de 1º de agosto, há parabéns para Caxias pela bravura, encanto e beleza desta terra eternizada em dois dos principais símbolos nacionais: o Hino Nacional Brasileiro com os versos do poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias “nossos bosques têm mais vida/nossa vida mais amores” e a Bandeira Nacional Brasileira, idealizada pelo positivista caxiense, Raimundo Teixeira Mendes, e, também, autor da insígnia “Ordem e Progresso”, extraída do Lema positivista escrito por ele e que diz:

“O povo brasileiro, assim como a maioria dos povos ocidentais, acha-se, vivamente, solicitado por duas necessidades, ambas imperiosas e que se resumem em duas palavras: Ordem e Progresso”.

O local onde se acha situada a bela cidade de Caxias foi, primitivamente, um agregado de grandes aldeias dos índios Timbiras e Gamelas que conviviam pacificamente com os franceses. Porém, com a expulsão dos franceses do Maranhão, em 1615, os portugueses reduziram tais aldeias à condição de subjugadas e venderam suas populações como escravos ao povo de São Luís.

Várias denominações foram impostas ao lugar, dentre as quais: Guanaré – denominação indígena -, São José das Aldeias Altas, Freguesia das Aldeias Altas, Arraial das Aldeias Altas, Vila de Caxias e, finalmente, através da Lei Provincial, número 24, datada de 05 de julho de 1836, fora elevado à categoria de cidade com a denominação de Caxias. Foi na Igreja de São Benedito que em 1858, o antístite da Igreja Maranhense, Dom Manoel Joaquim da Silveira, denominou Caxias com o título: “A Princesa do Sertão Maranhense”.

É bom lembrar que, ao contrário do que muitos pensam, o nome Caxias não se atribui a Luís Alves de Lima e Silva, patrono do Exército Brasileiro; ele, sim, recebeu o título “Barão de Caxias” por ter sufocado a maior revolução social existente no Estado do Maranhão: a Balaiada. A cidade de Caxias foi palco da última batalha do movimento. Posteriormente, já em terras do Rio de Janeiro, o Barão de Caxias foi condecorado, novamente, com o título de Duque de Caxias.

Geralmente quando os portugueses criavam, num lugar, uma Vila, mudavam-lhe o nome, às vezes criando uma homônima do Reino nas Colônias. Inicialmente, a grafia Cachias viera de Portugal, que se refere a uma excelente Quinta Real com muitas palmáceas e davam flores e frutos em cachos, e que ficava nos arredores de Lisboa perto de Oeiras (Portugal) outra bonita quinta do Márquez de Pombal, que era também residência real. Nessa área existia uma estação de caminho de ferro de Cascaes; lugar com uma estação balneária, com água excelente e caldas térmicas muito procuradas para o tratamento de paralisias e reumatismo.

Fonte de Pesquisa: César Augusto Marques – Dicionário Histórico e Geográfico do Maranhão; Coutinho, Milson – Caxias das Aldeias Altas e Francisco Caudas Medeiros Aconteceu em Caxias.

Polícia inocenta esposa e diz que acusado agiu e decidiu tudo sozinho ao matar estudante de Caxias

27.7.19

O delegado Sérgio Alencar, do 1º Distrito Policial (na foto acima), confirmou que o mestre de obras Deivid Ferreira de Sousa agiu sozinho no homicídio do estudante Gabriel Brenno Nogueira, 21 anos.

Segundo o delegado, era Deivid quem conduzia o veículo Ônix onde ele fugiu após atirar na cabeça de Gabriel. O estudante estava saindo de uma pensão, na Rua Paissandú, Centro de Teresina, quando foi baleado. O  crime aconteceu na último dia 17 de julho.

O delegado também nega rumores que a esposa de Deivid tenha tido alguma participação no crime. “Não tem nada contra a companheira dele.  Ela não tem participação nesse crime”, afirma Alencar.

A Polícia Civil solicitou à Justiça a  prisão preventiva de Deivid na última sexta-feira (19),desde então ele permanece foragido.  O 1º DP tentou fazer acordo com o advogado do suspeito para que ele se entregasse, no entanto, o mestre de obras prefere não se apresentar e estaria “assustado” diante da repercussão do caso na imprensa.

O delegado confirmou que desconhece o paradeiro de Deivid e não descarta a possibilidade dele ter saído do Piauí.

“Não acredito mais nessa possibilidade dele se entregar. Estamos trabalhando com outros mecanismos para tentarmos localizar ele[Deivid]”, disse o delegado.

Deivid Ferreira de Sousa (foto acima) continua foragido.
Deivid foi indiciado por homicídio qualificado. O inquérito apurou que o crime teve motivação passional. O mestre de obras teria atirado em Gabriel após descobrir um relacionamento entre o jovem e sua companheira.

Gabriel Brenno morreu após ficar seis dias internado em estado gravíssimo no Hospital de Urgência de Teresina. Natural de Caxias (MA), o jovem estava na capital para estudar em um curso preparatório. Ele faria as provas da Escola do Sargento das Armas (ESA) do Exército Brasileiro.

(Do cidadeverde.com)

Caxias: Largada do X Enduro do Leste terá show de manobras radicais neste sábado (27)



A noite contará com show de wheeling com a equipe Adventure Moto Show, de São Luís.

Há 10 anos, Caxias está na história do off-road nacional. É na Princesa do Sertão que acontece o Enduro do Leste. A largada promocional do evento acontecerá às 19h deste sábado (27), em frente à prefeitura municipal, onde o público conhecerá os pilotos que participarão desta edição.

A noite contará com show de wheeling com a equipe Adventure Moto Show, de São Luís. Modalidade do motociclismo composta por manobras radicais que unem força, equilíbrio e acrobacias que prometem tirar o fôlego de toda a plateia.

A prova larga às 8h da manhã de domingo (28) no Posto Leste, no centro da cidade, seguindo sentido Sulina, saindo para as trilhas, e retornando ao mesmo posto para o neutro principal de 20 minutos, onde acontece a divisão de etapas, com aproximadamente 1h40 de prova, que conta com aproximadamente 110 km e tempo de prova da categoria Sênior de aproximadamente 4h30 de tempo total.

A entrega da premiação será às 15h30 no Posto Leste, com troféus para os cinco primeiros colocados nas categorias Sênior, Júnior, Novatos, Moto Rally e Duplas.

Enduro do Leste

O Enduro do Leste é tradicional evento realizado em Caxias pela Trail Clube de Caxias (TCC) e Norte Cronometragem. A prova faz parte da Copa Brasil Nordeste de Enduro de Regularidade 2019, pela união dos estados do Ceará, Piauí e Maranhão, valendo assim como 3ª e 4ª etapas da Copa.

SERVIÇO

O quê: 10º Enduro do Leste

Quando: 27 e 28 de julho 

Horário: largada promocional às 19h em frente à prefeitura; largada para trilhas às 8h no Posto Leste; premiação às 15h30 no Posto Leste

(Da assessoria)

Bolsonaro será bem tratado no Maranhão, garante Flávio Dino

Flávio Dino disse que vai manter diálogo com o presidente, mas quer ver a esquerda
unida contra Bolsonaro em 2022. Foto: Marina Barbosa

Chamado de o “pior dos paraíbas” pelo presidente Jair Bolsonaro, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), acredita que o chefe do Executivo tem dado declarações polêmicas como essa apenas para ocupar a agenda pública com conflitos e, assim, esconder a falta de resultados do governo federal. Mesmo assim, disse estar pronto para o diálogo e para receber Bolsonaro no Maranhão. Dino foi recentemente apontado pelos principais líderes do Congresso como o melhor governador do país, conforme revelou nova rodada do Painel do Poder, pesquisa feita pelo Congresso em Foco em parceria com a In Press Oficina.

“Se ele resolver visitar o Maranhão, se depender de mim, vai ser bem tratado e bem recebido”, garantiu Flávio Dino, dizendo que, ao contrário do governador da Bahia, Rui Costa (PT), também não hesitaria em cumprir uma agenda ao lado de Bolsonaro. “Se ele desejar e se houver condições de diálogo, eu vou. Não é porque ele não gosta de mim que vou deixar de cumprir o juramento que fiz de defender meu estado”, acrescentou.

O governador do Maranhão falou sobre a relação com o governo Bolsonaro durante passagem por Brasília, exatamente uma semana depois de o presidente dizer ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que “esses governadores de ‘paraíba”, o pior é o do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara”. Na ocasião, porém, garantiu que a viagem não foi motivada por essa declaração e revelou que ficou surpreso com a opinião de Bolsonaro sobre ele porque nunca nem sequer conversou com o presidente. "Nunca nos falamos pessoalmente a não ser em reuniões de governadores. A sós nunca. Os assuntos que temos para tratar são tratados nos ministérios e em reuniões gerais de governadores. Mas, se ele chamar uma reunião na próxima semana, eu estarei presente", afirmou Dino.

Ao Congresso em Foco, Dino disse ainda que, a não ser sua filiação partidária e sua origem nordestina, não enxergava razões para o atrito com o presidente. Por isso, associou a fala de Bolsonaro à prática do governo de “criar conflitos” e “criar inimigos”. “Como o governo é muito fraco, tem poucos resultados a mostrar e não tem uma agenda própria de trabalho, acaba ocupando a agenda pública com esse tipo de conflito, perseguição e discriminação”, declarou Flávio Dino, afirmando que essa é uma atuação clássica das correntes de direita. “Procurar um inimigo é funcional para a manutenção do grupo social que apoia o governo. Como o judeu está para o nazismo e os imigrantes estão para Trump, os paraíbas estão para Bolsonaro”, atacou Dino, ressaltando, por sua vez, que os nordestinos não foram os únicos inimigos escolhidos por Bolsonaro.

“Há um cenário de guerra de todos contra todos, que o próprio presidente da República estimula, inclusive com os seus. Basta olhar o Joaquim Levy e os generais que ele trata tão mal como exemplo”, alfinetou Dino, que também colocou na lista de alvos de Bolsonaro “o Carnaval, os artistas, os cientistas, o Inpe, o Bebbiano, o Santos Cruz e a imprensa”.

Por conta disso, o governador do Maranhão coloca os conflitos como principal característica dos seis primeiros meses do governo Bolsonaro. “O conjunto da obra até aqui do governo federal se restringe à confusão política e à reforma da Previdência que só foi aprovada em razão do Rodrigo Maia, apesar dos obstáculos que o próprio Bolsonaro colocou. Se eu fosse presidente da República ou mesmo governador do meu estado, ficaria muito constrangido de ter apenas isso em seis meses de governo: de um lado confusão e do outro a reforma que andou por causa do Maia, enquanto ele inaugura obra da Dilma e do Temer. É muito pouco”, criticou.

Ainda sobre a atuação do governo federal, Flávio Dino revelou que o Executivo não tem destravado pleitos dos estados, tem apenas dado seguimento ao que já estava encaminhado pelas gestões anteriores. “Nós temos em execução contratos e convênios que foram celebrados no tempo da presidente Dilma e do presidente Temer. Até o momento, não tivemos nenhuma dificuldade com os ministérios quanto a isso. Mas em relação às pautas novas, há muita lentidão do governo federal em atendê-las. E isso não se refere especialmente ao Maranhão, mas aos estados como um todo. Há um travamento geral”, criticou Dino, para quem “o governo está muito lento naquilo que o Brasil precisa e tem urgência, que é a pauta social e o desemprego”.

Apesar das críticas e da polêmica criada em torno dos ‘paraíbas’, o governador do Maranhão garante não ter medo de retaliações. “Não pedimos privilégios. As pautas que o Maranhão apresentou são comuns a todos os estados. Queremos o que é devido e é direito da população", argumentou, lembrando que o presidente tem o dever de cumprir o pacto federativo e zelar pela unidade nacional. “A Constituição diz que eventuais simpatias ou antipatias pessoais não devem determinar o conteúdo dos atos administrativos de um agente público”, afirmou, ressaltando que até na época da ditadura militar os presidentes respeitavam esse preceito. “Não posso acreditar que a essa altura o Brasil vá aceitar que o governo federal seja pior que no tempo da ditadura. Então, não tenho medo. Tenho espanto e indignação”, afirmou Dino.

Mesmo assim, o governador do Maranhão não deve seguir o exemplo da Frente Parlamentar do Nordeste, que protocolou uma representação contra o presidente na Procuradoria-Geral da República por conta do preconceito demonstrado na fala dos ‘paraíbas’. “Temos improbidade administrativa por conta do descumprimento de deveres legais e há indícios do cometimento de crimes. Mas essa petição já me representa, pois permite que o Ministério Público Federal reflita e que o próprio presidente reflita sobre isso”, explicou Dino, que, mesmo sendo jurista, prefere que essa ação gere mais reflexões do que processos. “Se o presidente se acha legitimado a espalhar preconceito, ele acaba induzindo milhares de pessoas a também praticarem isso. E o presidente da República é o último que pode alimentar esse tipo de ódio, discriminação e violência”, explicou.

Eleições de 2022

A despeito das críticas a Bolsonaro, Flávio Dino prefere não se lançar candidato à presidência da República em 2022. Ele até admite a possibilidade, que já havia cogitado anteriormente e agora ganha força já que a polêmica com Bolsonaro deu mais visibilidade ao seu nome; mas diz que vai trabalhar, antes de tudo, para que a esquerda se una em torno de um novo projeto que possa desbancar a reeleição de Bolsonaro.

“Em razão dos eventos que implicaram derrotas da esquerda, nós que temos o papel de lideranças temos que estar presentes no debate nacional para ajudar a encontrar caminhos. Tenho feito debates, quando é compatível com minha agenda administrativa, para ajudar a refletir sobre o Brasil e a criar uma união no nosso campo político, para a que a gente possa vencer a eleição. Mas vencer com qual candidato? Nós vamos ver”, desconversou Dino, ressaltando que não teria problema em fazer campanha para outros companheiros da esquerda. “Posso fazer campanha para qualquer liderança do nosso campo que defende o Brasil e os brasileiros. E digo isso com toda sinceridade, porque já fiz para Lula, Dilma, Haddad e para o próprio Ciro Gomes”, afirmou.

Dino admitiu, por sua vez, que, além de se unir, a esquerda precisa apresentar um novo programa político para vencer as eleições. “Temos duas heranças poderosas que não devem ser negadas – o lulismo e o trabalhismo. Mas, por sobre essas tradições vitoriosas, temos que construir um novo programa. Novas ideias e propostas que impulsionem o país para a frente e mostrem que representamos a soberania nacional, o desenvolvimento econômico e a justiça social”, defendeu. Ele acredita, contudo, que não é preciso um novo nome, como o seu, para representar esse novo programa. “Se o presidente Lula saísse candidato, eu votaria nele. E acho que nomes já citados são excelentes, a exemplo do Ciro e do Haddad. O mais importante é que seja um nome que gere união, diminua arestas e consiga dialogar com a sociedade, inclusive com os setores sociais que não são necessariamente de esquerda”, disse o governador do Maranhão, que, mesmo assim, admitiu o desejo de se lançar à presidência.

“É uma possibilidade. Eu posso ser eventualmente candidato a presidente da República, mas também posso apoiar alguém, ser candidato ao Congresso ou até voltar a dar aula de direito constitucional, que também adoro e acho que mais do que nunca o Brasil precisa, porque esse direito que está sendo praticado não é o direito verdadeiro”, declarou. Lembrando que deixou de ser juiz para ser político, Dino ainda revelou sentir saudades de poder legislar na Câmara dos Deputados. “O Parlamento é muito bom e envolvente, pelos debates e pela possibilidade de mudar a realidade nacional mediante leis”, comentou.

Flávio Dino pontuou, contudo, que antes de pensar em 2022 é preciso pensar em 2019. “Devemos ver primeiro se haverá eleição em 2022, porque se depender de um ou outro que está por aí andando neste momento em Brasília, tem gente com a ideia de que esse negócio de eleição só atrapalha. Basta olhar a internet e as manifestações com faixas para fechar o Supremo e o Congresso e chamar uma intervenção militar para perceber. Não podemos banalizar isso, porque as grandes tragédias históricas surgiram da minimização”, declarou Dino, ressaltando que não cabe apenas à esquerda lutar contra essa situação.

“Fugir dessa armadilha não compete apenas à esquerda. O Brasil todo é vítima disso”, argumentou o maranhense, que aproveitou o ensejo para pedir ações mais enfáticas do Poder Judiciário em relação a ações que considera institucionais por parte do presidente Jair Bolsonaro e também do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Ele citou como errôneo, por exemplo, o envolvimento de Moro nos inquéritos que investigam a ação de hackers em seus celulares. “Por razões diferentes, Moro e Bolsonaro têm trilhado perigosos caminhos antidemocráticos. Por isso mesmo, é preciso manter a luz amarela e reivindicar que aqueles que estão omissos se movam, sobretudo o Ministério Público e o Poder Judiciário. Tenho absoluta certeza que a imensa maioria dos procuradores e juízes do Brasil não concorda com esse tipo de coisa, mas não basta discordar em casa. É preciso tomar providências”, provocou Dino.

Por fim, o governador do Maranhão admitiu que acha pouco provável uma ruptura antidemocrática no Brasil. Pensando em 2022, ele disse até achar possível que a esquerda conquiste novos votos na campanha eleitoral. “Os equívocos de Bolsonaro nos ajudam nesse sentido”, afirmou Dino, para quem um terço da população está à esquerda, um terço está com Bolsonaro e o outro terço está em posição de neutralidade, observando as coisas acontecerem, como um território a ser conquistado.

(Congresso em Foco)

Advogado caxiense tem tese de mestrado aprovada por júri científico de universidade europeia

26.7.19

O curso aconteceu entre os anos de 2017 e 2019.

O advogado Evannildo de Lima Rodrigues, conselheiro da OAB Subseção de Caxias, teve sua tese de mestrado em Ciências Jurídico-Políticas, menção em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente, aprovada por unanimidade pela Faculdade de Direito da Universidade Coimbra em Portugal, que tem 729 anos de fundação, umas das mais antigas e respeitadas da Europa.

O curso aconteceu entre os anos de 2017 e 2019. A modalidade do curso foi regular e presencial, com aulas manhã, tarde e noite durante o ano letivo. Por fim, sua tese foi aprovada com distinção de mérito.

De todos os sentimentos vivenciados, o advogado destaca um. “Entre as grandes exigências acadêmicas, o que mais marcou a minha estadia na Europa foi o frio, o calor e a saudade de minha família e de nossa terra.  Graças a Deus sobrevivi nessa caminhada transformada com uma excelente carga de conhecimento jurídico e de vida, que levo para nossa gente, e para toda a vida", declara Evannildo.

Veja abaixo o resumo da tese aprovada na área do Direito Ambiental:

A dissertação é estruturada em quatro eixos jurídicos temáticos básicos que norteiam sua construção: dever constitucional, dever fundamental, nível elevado de proteção ecológica e direito fundamental ao desenvolvimento sustentável.

A tese possui ampla discussão sobre o dever de garantir nível elevado de proteção ecológica à natureza ordinária, como direito fundamental das presentes e futuras gerações, como dever constitucional dos Estados, em uma dimensão sustentável da biodiversidade.

No trabalho é destacado que a biodiversidade brasileira é riquíssima, com a presença de biomas exuberantes que possuem proteção constitucional, enquanto que outros comuns (ordinários) estão a sofrer toda a sorte de impactos antrópicos.

A proposta assenta nos conceitos do NEPE, de Alexandra Aragão, com ampla definição de Natureza Ordinária, desenvolvida por Laurent Godet. Essas questões são tratadas frente ao acentuado nível de degradação ambiental e das perdas da biodiversidade nos ecossistemas que estão mais próximos do homem, aquela natureza que está mais diretamente ligada ao cotidiano da sociedade e, dessa forma, necessita de um modelo jurídico de nível mais elevado de proteção ecológica, pautado por um pragmatismo e princípios morais e éticos sustentáveis.

Com isso, são analisados um arcabouço jurídico e teorias que apresentam os deveres constitucional e fundamental ao desenvolvimento sustentável da natureza ordinária. Para tanto, no trabalho, defende-se a causa ambiental em uma dimensão inserida no princípio da dignidade da pessoa humana, o qual compõe o conceito de direito fundamental ao desenvolvimento sustentável intergeracional, como dever do Estado e direito humano incontestável.

Nesse sentido, o estudo tem como foco compreender a proteção jurídica de natureza ordinária. No Brasil, em âmbito constitucional, tem-se a proteção da natureza exuberante, como a Mata Atlântica, a Floresta Amazônica, o Cerrado, a Caatinga, o Pantanal e os Pampas. Em Portugal, destacam-se três biomas com tutela comunitária: Região Atlântica, Região Mediterrânica e Região Macaronésica. Porém, no delineamento comparativo, o estudo aponta a proteção jurídica, de modo específico, a do Sobreiro e da Azinheira, em Portugal, presentes na região sul do rio Tejo, bem como o caso da mata dos cocais, da Pré-Amazônia, especificamente da palmeira babaçu, localizada no estado do Maranhão, Brasil. 

A dissertação apresenta-se com uma proposta jurídica atual, com perfil ecológico perante a atual prática socioeconômica e ambiental que viola o direito das presentes e futuras gerações. É um trabalho que corrobora para um dever constitucional fundamental de garantir o desenvolvimento sustentável que engloba a tutela de uma vida digna, no sentido de impedir condições ambientais extremas causadas por fatores antrópicos na natureza ordinária. (Da assessoria)