DOR QUE NÃO PASSA - Correligionários de Léo Coutinho ainda procuram culpado pela derrota nas eleições de 2016

16.1.17
O que restou da comunicação do grupo Coutinho fica perdendo tempo apontando o 
dedo um para o outro pela derrota de Léo Coutinho

A configuração política em torno do prefeito Léo Coutinho em 2016, quando as máquinas da Assembleia Legislativa (distribuindo cargos para aliados a torto e a direito), do governo do Estado (também distribuindo cargos para cabos eleitorais) e ainda a gigantesca estrutura da Prefeitura de Caxias, onde centenas de funções estratégicas conseguiam asfixiar os movimentos oposicionistas, nunca foi vista na história política do município.

Aliado ao poder político em torno do então prefeito de Caxias, a máquina de propaganda dando suporte aos feitos da administração Léo Coutinho, e uma estrutura financeira invejável, faziam a candidatura governista ser praticamente imbatível. Léo Coutinho teve o que todo político sonha, mas foi incapaz de tirar proveito da situação, haja vista que sua popularidade era extremamente baixa.

A cada pesquisa encomendada pelo grupo Coutinho, em que era constatada a estagnação do nome do prefeito na aceitação popular, o grupo Coutinho mudava de marqueteiro na esperança de que um milagre pudesse acontecer e o ‘produto’ de marketing pudesse ser ‘comprado’ pelo eleitor.

Logo nos primeiros passos da gestão Léo Coutinho, em 2013, a prestigiada agência Enter Propaganda, de São Luis, responsável pelo sucesso de Jackson Lago em sucessivas eleições, e mais recentemente de Edvaldo Holanda Júnior em outubro último, foi contratada pelo jovem prefeito para fazer o seu marketing. Poucos meses depois, quando as pesquisas de opinião para consumo interno já apontavam uma queda constante na popularidade, a Enter Propaganda foi dispensada. O próprio prefeito acreditava que as peças publicitárias da agência usavam uma linguagem de difícil entendimento para os caxienses. Ele não aceitava a queda nas pesquisas como culpa exclusivamente sua.

Em 2014, quando a família de Humberto Coutinho resgatou o ex-marqueteiro Carlos Alberto da venda de pizzas em São Paulo para cuidar da sua candidatura a deputado estadual, eis que CA voltou a comandar a propaganda de Léo Coutinho. Pensavam que a receita caseira, que garantiu popularidade para HC durante 8 anos, serviria para o prefeito. Tudo deu errado e Carlos Alberto foi dispensado de forma deselegante, como se fosse ele o culpado pela paralisia nos índices de aprovação do prefeito de Caxias.

Mas a reeleição se aproximava e a família jogou pesado para honrar o nome do clã. Contrataram um marqueteiro de renome internacional, Einart Paz, de São Paulo, que tinha na bagagem a eleição de presidentes na Europa e de governadores em solo brasileiro, para vender um produto que os caxienses não queriam mais. Como propaganda não faz milagre, o marqueteiro paulista também foi dispensado e dizem que ainda saiu sem receber boa parte dos serviços prestados.

Desnorteados, e sem saber o que fazer diante da crescente impopularidade, partiram para contratar uma agência de propaganda de Teresina. A CJ Flash, que tem a conta publicitária de grandes empresas no Piauí, e que tem uma boa reputação no mercado publicitário da região, mergulhou de cabeça na gigantesca missão, digo até impossível, de fazer o nome de Léo Coutinho competitivo nas eleições de 2016.

Como todos já sabem o desfecho, a CJ Flash não obteve sucesso, pois fazer o filme “Missão Impossivel” fora de Hollyoowd é realmente impossível, assim como filmar uma segunda versão de “A Espera de um Milagre” sem os atores originais se torna uma tarefa apenas para um Steven Spielberg do cinema.

Por ser do Piauí, e logicamente mais em conta, acreditavam que o poder político e financeiro do grupo faria a diferença e que a reeleição seria fácil. Só esqueceram de combinar isso com os eleitores...

CJ Flash vira saco de pancada do Sistema Sinal Verde

Pois bem, diante do insucesso eleitoral, conseguido após uma administração sem avanços visíveis, e de um candidato nada palatável ao eleitor, os remanescentes da comunicação do grupo Coutinho, tendo a frente o apresentador Ricardo Marques, não economizam nas críticas aos publicitários Cynthia Freitas e Eudes Júnior, proprietários da CJ Flash, como os culpados pela derrota do ex-prefeito da cidade. Marques conseguiu achar até um “empate técnico” (como se isso fosse possível) no resultado das últimas eleições em Caxias para justificar suas análises, sempre culpando os publicitários piauienses pelo infortúnio couthiniano.

Por sua vez, os donos da agência CJ Flash, talvez sentindo-se com alguma ‘dívida’ com seus contratantes, usam o site 45 graus, do qual são os proprietários, para fazer política em Caxias e criticar a administração de Fábio Gentil. Os escribas do site, sem nenhuma capacidade e sem entender a politica local, lançam-se a fazer análises pouco sérias, e muitas vezes malucas, sobre fatos e acontecimentos da cidade, agora administrada por Fábio Gentil.

Não existe culpado pela derrota de Léo Coutinho fora dos muros do condomínio Village Caxias. O único culpado ocupa uma bela e confortável casa naquele endereço luxuoso.

Aqueles que culpam a CJ Flash pela derrota de Léo Coutinho deveriam se olhar no espelho antes de criticar.

Este blog, fazendo um trabalho quase solitário na blogosfera caxiense, conseguiu dar uma boa contribuição no sucesso da candidatura de Fábio Gentil ao formar opinião e mostrando os equívocos da administração Léo Coutinho.

Se um blog conseguiu fazer a diferença no resultado de uma eleição, imagina então uma emissora de TV com equipamentos de última geração e mais de 50 profissionais nos seus quadros...

A importância deste blog no contexto político de Caxias foi tão grande que até jovens recém-formados estão botando o diploma universitário embaixo do colchão para tentar repetir o mesmo sucesso desta página eletrônica e tentam ser blogueiros. Alguns fazem isso por inveja da força e credibilidade do blog, enquanto outros miram os dividendos do blogueiro para tentar conseguir uma boa renda (como são tolos...).

Resumindo: não procurem um culpado pela derrota do grupo Coutinho, pois isso só provoca mais desgaste e mais intriga no que restou da oligarquia.

Deveriam era se abraçar e se unir para passar numa boa os próximos 4 anos.

Quem sabe se com união, e com um bom candidato, não conseguem voltar ao poder?!

1 comentários:

  1. ESQUECERAM DO SINTRAP , DAS GREVES DE PROFESSORES E GUARDAS MUNICIPAIS QUE FORAM TIRADO TODO VENCIMENTO DESTES, E OS SECREÁRIOS DESASTROSOS DA SAÚDE EDUCAÇÃO E OUTROS TANTOS?

Postar um comentário