Crueldade!!! Documentos mostram regularidade em repasses para o SAMU de Caxias e atraso de salários dos servidores não tem justificativa

25.3.15
Está ficando cada vez mais difícil para o governo Léo Coutinho encontrar uma justificativa plausível para a falta de pagamento de 20 servidores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU/Caxias.

Dados disponíveis no site do Ministério da Saúde comprovam que, todos os meses, os repasses (dinheiro) para o funcionamento do serviço estão sendo depositados pelo MS na conta da Prefeitura de Caxias.

Confira nas imagens publicadas nesta postagem os valores e as datas em que esses repasses aconteceram.
Repare que, desde 2013, não houve um único mês em que o governo federal deixou de cumprir sua obrigação em efetuar os pagamentos.

São condutores, técnicos de enfermagem e auxiliares, de um total de 20 pais e mães de famílias, que passam todo tipo de privação e vivem numa situação análoga a escravidão sem receber seus salários nos últimos 5 meses da gestão Léo Coutinho.

Imagino como fica o humor desses funcionários ao lado dos seus filhos quando passa o comercial da TV mostrando supostas conquistas do atual governo em Caxias e que levam uma estranha e descabida assinatura no final das peças publicitárias: “Pode arrochar, aqui tem trabalho!!!”.

Paiê, esse arrocho que o prefeito fala na TV é sobre a situação de penúria que a gente passa aqui em casa?”, deve indagar os pequeninos diante da falta de uma alimentação digna em seus lares.

3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Não pagou médico,prestadores...e o dinheiro cai todo mês na conta da prefeitura! Agora vai ver o bando q tá empregado sem dar um prego numa barra de sabão,se não tão com os "salários" em dia!!!

  1. Anônimo disse...:

    Improbidade Administrativa. Será que o MP tá sabendo disto? É bom a turma do serviço móvel dar uma passadinha lá, não custa nada.

  1. Anônimo disse...:

    Vedadi, pode arrouxar que tem gente ganhado sem trabalhar... os professores precisa botar a barba de molho, já, já falta R$ na educação.

Postar um comentário