SUMIU!!! Vereadora propõe audiência pública para discutir saúde, sugere convocação de gestores municipais e estaduais, mas não comparece na Câmara

17.9.19

A vereadora Taís Coutinho (PSB), líder da oposição na Câmara Municipal de Caxias, demonstrou mais uma vez nesta segunda-feira, 16, que ela precisa urgentemente de uma assessoria a altura para não continuar protagonizando denúncias vazias e por vezes patéticas.

É que na segunda tentativa de se fazer uma audiência pública para discutir a saúde do município que ela mesma havia proposto, a oposicionista não deu as caras nas dependências da Câmara Municipal e muito menos o gestor regional de saúde em Caxias, que vem a ser seu esposo, e nem o diretor do hospital macrorregional, Jefferson Coutinho.

Marcada inicialmente para acontecer na segunda-feira passada (dia 11), a audiência foi suspensa por conta da ausência dos representantes do Governo do Estado, nas pessoas do diretor regional de Saúde, e do diretor do Hospital Macrorregional Everardo Aragão, que justificaram ausência por conta de compromissos anteriormente assumidos, mas que foram convidados para novamente comparecerem no parlamento para discutir um tema tão importante para os interesses do povo de Caxias, conforme a líder oposicionista tanto lutou para acontecer.

Taís Coutinho deve decidir logo o que quer fazer com o seu mandato de vereadora e também como líder da oposição, quando tem dois liderados a lhe acompanharem em denúncias vazias, como o episódio da recente participação em uma licitação que ela via como “um roubo”, mas que deixou de tocar no assunto quando constatou que se travava de um procedimento transparente e dentro dos ditames da lei.

“Então, nós temos que sair da inércia. Que esta Câmara está parada, sim, nessa questão de saúde... e vamos fazer uma audiência pública, senhor presidente...”, disse Tais Coutinho no último dia 26, quando conclamou os colegas a discutirem o tema.

“Então vamos fazer uma audiência pública, chamar todos os órgãos caxiense responsável pela saúde municipal e tanto no órgão municipal e estadual... É de secretário, secretário da gerência regional de saúde, desde o diretor do Hospital Geral, da Upa, do Macro... Vamos fazer uma audiência pública, chamar as pessoas, chamar a televisão e deixar o povo consciente a nossa missão aqui como vereador e saber que nós também não estamos de acordo com que está acontecendo na questão da saúde de Caxias. E saber a função de cada órgão: qual a função do Hospital Geral, qual a função da UPA, qual a função do Macro, qual a função de cada hospital em Caxias...”, bradava a vereadora sendo prontamente atendida pela maioria dos vereadores que por um momento ficaram sensibilizados e acreditaram nas suas palavras.

Com a ausência da vereadora Taís Coutinho na audiência pública que ela mesma havia insistido tanto, fica cada vez mais difícil acreditar em algo minimamente sério daqueles que ficaram calados quando Caxias ficou conhecida nacionalmente como a cidade que tinha uma “maternidade da morte” que tanta dor causou em centenas de famílias.

1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    MORRO E NÃO VEJO TUDO....

Postar um comentário