Professora caxiense lança primeiro livro após repercussão de textos na internet

15.8.19

A professora caxiense Ana Lucia e Silva Pinto Gonçalves lança seu primeiro livro, “Mosaicos”. Será neste sábado, 17, às 19h30, na Academia Caxiense de Letras, durante a  solenidade dos 22 anos da Entidade.

Ana Lucia e Silva Pinto Gonçalves lança seu primeiro livro
O livro “Mosaicos” tem 114 páginas, em sua maioria poesias, além de pequenos textos de reflexão e crônicas. Diversos desses textos tinham sido publicados em espaços digitais (redes sociais) na Internet e mereceram boa acolhida por parte do público leitor. Com a repercussão positiva, a professora Ana Lucia começou a planejar a formação de um livro que reunisse os trabalhos já expostos mais um bom número de textos inéditos.

Para a edição do livro, Ana Lucia Pinto Gonçalves convidou o escritor, jornalista, administrador e consultor caxiense Edmilson Sanches, amigo da família e experiente editor de obras literárias e técnicas. Sanches é membro fundador da Academia Caxiense de Letras, diretor do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias e membro da Academia Sertaneja de Letras, Educação e Artes do Maranhão (Asleama). A convite de Ana Lucia, também fez o prefácio de “Mosaicos”. O texto se juntou aos demais textos de apreciação da obra, como a apresentação, escrita pelo poeta e pesquisador Quincas Vilaneto, o posfácio, de autoria do professor Raimundo Nonato Sousa, além de textos assinados pelos professores e escritores Gilvaldo Quinzeiro, Joseane Maia e Silvana Lourenço de Meneses.

No prefácio, Edmilson Sanches historia: “As poesias de Ana Lucia Pinto Gonçalves começaram a ser vistas e lidas a partir de um ambiente virtual [...]. O acompanhamento e os comentários de seguidores das denominadas ‘postagens’ poéticas estimularam a autora a pensar em enfeixar seus trabalhos literários no mais charmoso e mais ‘histórico’ dos suportes de textos: o livro.” Sobre a poesia de “Mosaicos”, o editor caxiense analisa: “Estes poemas têm, quase todos eles, os mesmos personagens. Explícitos, sombreados ou ocultos, há nos poemas uma mulher presente e um homem ausente. Uma mulher que faz perguntas, que sente faltas, que exprime desejos, que rumina insatisfações, que regurgita necessidades. Uma mulher plena de privações -- românticas, amorosas, sensussexuais...” Sanches observa: “Paradoxalmente, a ausência na personagem é a razão de ser do poema. O poema existe porque algo não existe.”

Por sua vez, Quincas Vilaneto, na apresentação, que “a poesia de Ana Lucia, é feita de inquietação e de retorno, de confrontações e sensações em combustão”. Ele percebe que “nos versos de Ana Lucia até o silêncio diverge [...]” e que “o livro entoca o inquieto silêncio” e “o poeta desentoca o leitor e a palavra, tecendo um colar de imagens que são espalhadas e às vezes se ajuntam num poema”.

Já Raimundo Nonato Sousa, no posfácio, descreve: “Neste mosaico de poesia(s), perceber-se-ão nuances de sobriedade, malícia, pureza, altivez, bucolismo, onírico e real; palavras em movimento, ora se aproximando semântica ou sentimentalmente, ora se afastando, mas sem se desconectarem.”

Parabenizando a autora, Gilvaldo Quinzeiro vê Ana Lucia Pinto Gonçalves “como guerreira do seu canto/pranto”, que “ora oculta as flechas, ora expõe a esfinge”. Isso, para Quinzeiro, “trata-se de uma busca incessante por aquilo que lhe emprenha os sentidos; lhe enverga o corpo e lhe faz peregrina do seu caminhar/poético. É como alguém no meio de uma caravana persa a atravessar os desertos em busca das suas outras vidas.” Nisso tudo, conclui o professor, "o papel de qualquer escrita: despertar a imaginação de quem a lê”.

A professora doutora Joseane Maia, saudando o leitor ao “universo poético de ‘Mosaicos’”, aprecia: "A poesia de Ana Lúcia expressa uma intimidade existencial que encontra ecos nos vazios de quem lê. Do insólito ao comum, do simples ao complexo, a provocação de sentidos se efetiva graças ao trabalho com a linguagem, ao flerte com a metafísica, potencializando a dimensão estética da palavra e revelando sensibilidade no dizer.”

A escritora, poeta e professora Silvana Menezes interjeciona sobre “o amor e as inquietações que permeiam o ser humano”, onde “Ana Lucia nos apresenta a sua parte, recheada de sonhos e cores de vários matizes existindo-se nela”. A professora reflete: "A vida é um risco, se não arrisco, não vou perder, mas nada posso ganhar". E conclui: “Ganhamos nós com a poesia de Ana Lúcia.”

A AUTORA - Ana Lucia e Silva Pinto Gonçalves, autora de “Mosaicos”, é professora, tem graduação em Letras e pós-graduação em Docência do Ensino Superior. Atualmente, cursa graduação em Filosofia. Segundo ela, “às vezes, sem aviso prévio e sem pedir licença, recebe a visita da poesia, que adentra sua alma  --  e esta, prenhe de versos, rimas e sentidos, pare palavra-amor e palavra-dor”.

SERVIÇO

O quê – Lançamento do livro “Mosaicos”, de Ana Lucia e Silva Pinto Gonçalves.
Quando – Dia 17 de agosto de 2019, sábado, a partir das 19h30.
Onde – Na Academia Caxiense de Letras - Rua Alderico Silva, 737 – Centro (antiga Rua 1º de Agosto).

0 comentários:

Postar um comentário