O taxista e o homem dos remédios

28.1.15
Por Edson Vidigal, advogado, foi Presidente do Superior Tribunal de Justiça e do Conselho da Justiça Federal.

Calçada do setor de embarques em Congonhas.

- Está livre, companheiro?

O taxista ergue o polegar direito sinalizando sim. O passageiro acomoda a mochila no banco traseiro e senta no banco da frente.

O endereço de destino próximo ao quartel do antigo IV Exército cruzando com a rua onde uma moça que nem era assim a ovelha negra da família foi torturada instiga o taxista:

- O senhor mexe com política?

- Não. Mexo com remédios. Sou um daqueles que levam amostras-grátis aos consultórios médicos.

O homem que mexe com remédios saca do bolso do paletó seu iPhone, um 5S, e começa a ver e-mails. O taxista vê aí a ponta do novelo para uma conversa.

- Sabia que o iPhone mais caro do mundo é o seu? Custa quase o dobro do que é vendido no Canadá.

- Ééé... no Brasil paga-se muito imposto.

- Muito? A maior parte da população não sabe é de nada. Um ano não tem 12 meses? Pois nós, os bestas aqui, precisamos trabalhar 5 meses de cada ano, entregando tudo do nosso trabalho em impostos para o Governo. E o que ganhamos em troca? Numa relação de 30 países o Brasil é o último no grau de satisfação  entre os pagadores de impostos.

O rádio do táxi está na Band News e o assunto é a Operação Lava Jato. Os desvios na Petrobrás, diz o rádio, somaram até agora 21 bilhões de reais, o que, daria para comprar, segundo o saite Impávido Colosso, os principais times de futebol da Europa - Real Madrid, Barcelona, Chelsea e Inter de Milão. O homem que mexe com remédios desliga o celular e não querendo passar por indiferente compartilha.

- Enquanto isso, penamos aqui com a inflação enrustida, a gasolina mais cara...

O taxista retoma o discurso.

- Tudo que a mulher disse na campanha que os outros candidatos é que fariam – aumentar juros, gasolina, impostos, cortes no orçamento e tal – ela já fez logo nos primeiros dias.

- Não está na hora de o povão, como fez em junho do ano passado, ir para as ruas provando que não aceita mais ser maioria silenciosa?

- Depois daquela em que o operariado se juntou à classe media, incluindo a rapaziada do passe livre, provocando o maior medo no Governo e nos políticos, vimos que nenhuma mobilização se repetiu naquele volume. O que aconteceu? O Governo infiltrou aqueles mascarados que saíram quebrando tudo e outros pedindo a volta da ditadura. Resultado? Ninguém mais quis sair às ruas. Todo mundo ficou assustado.

O homem que mexe com remédios interrompe o taxista.

- O senhor é muito bem informado e articulado. Já foi militante politico?

- Não. Fiz economia na FMU, mas logo descobri que não tenho vocação para fazer horóscopos. Este carro é meu. Ao mesmo tempo trabalho em tempo integral para a guerra fria.

- E o que isso? Que guerra é essa?

- Lembra da invasão do Iraque? Foi obra da guerra fria. Sobrou para os americanos. Agora o foco é o Brasil. Vamos prender e fuzilar esses políticos todos. Vamos arrancar com alicate fio por fio das barbas e dos bigodes deles. Depois  virão os alemãs para dar um jeito nisso aqui. É para a Alemanha que o Governo, errando em quase tudo, trabalha.

Muito reflexivo, o homem que mexe com remédios estende um braço para o banco traseiro como se procurasse na mochila alguma amostra-grátis para o taxista. Alguma encefalina granulada, talvez. Desiste. Paga a corrida além do que cobra o taxímetro. Antes de sair, pergunta-lhe:

- E essa guerra fria quando vai ser, companheiro?

- Já estamos nela.

Só então o homem que mexe com remédios percebe que o taxista usa barba cerrada, o que o faz muito parecido com aquele politico, o Valdir.

0 comentários:

Postar um comentário