Fábio Gentil: “Humberto Coutinho foi um Judas na minha vida”.

4.6.13
Fábio não decepcionou e fez duro discurso
contra os vários prefeitos existentes hoje na cidade
Conforme o blog divulga desde domingo, o rompimento do vereador Fábio Gentil era iminente. Um telefonema feito a ele no início da tarde de hoje me dizia que algo de muito importante estava para acontecer. “Não perca a sessão de hoje”, disse-me o vereador.

Não perdi e vi que valeu a pena ter ido. Presenciei um daqueles acontecimentos que tem o poder para mudar o cenário político da cidade. Poucas vezes, em mais de 20 anos que acompanho os debates políticos em Caxias, registrei algo tão impressionante como presenciei hoje.

Tivemos numa só sessão do parlamento dois acontecimentos que procurarei repassar aos internautas da melhor forma possível.

Logo no pequeno expediente, quando os vereadores falam por 5 minutos, Fábio Gentil já mostrou ao que veio. Foi duro na defesa do requerimento da vereadora Benvinda onde pedia que fosse instalada uma comissão para averiguar a denúncia de que a Prefeitura havia pago por equipamentos de uma UTI neonatal e que a mesma não existe.

Mas foi no grande expediente, ao dizer as primeiras palavras, que o vereador mostrou que veio pintado pra guerra.

Fábio lembrou que estava sofrendo inúmeras represálias desde que lançou-se como candidato a presidente da Câmara, segundo ele, com o apoio do então prefeito.

“Reuni-me com o prefeito Humberto Coutinho naquela oportunidade e levei até ele o nome de 12 vereadores que estavam me apoiando para presidente da Câmara e ele, batendo nas minhas costas, reafirmou-me que eu era o seu candidato, mas percebi que aquela mão nas minhas costas era na verdade um punhal”, iniciou o vereador que em seguida disparou: “Humberto Coutinho foi um Judas na minha vida”. O público na Câmara foi ao delírio.

Seguindo seu relato em que explicava seu descontentamento, Fábio colocou em pratos limpos mais detalhes dos bastidores daquela disputa da Câmara. “Ele (HC) me disse naquele período que todo homem tem seu preço e perguntou-me qual era o meu. Respondi que ele estava falando com a pessoa errada e na hora errada”, revelou o vereador que seguiu: “depois disso ele passou a semear a discórdia entre os colegas e conseguiu minar minha candidatura a presidência da Câmara”.

A cada frase ou pensamento concluído, Fábio Gentil era interrompido por aplausos do público presente na sessão o que o deixou mais a vontade ainda.

Segundo o vereador, depois da eleição da Câmara ele vem sofrendo todo tipo de perseguição por parte da Prefeitura, onde vários correligionários seus estão sofrendo também.

“Eles não tem como conquistar as pessoas e passam a coagir, a intimidar, pois várias pessoas ligadas a este vereador estão sendo demitidas e eles estão prometendo o emprego de volta caso se afastem de mim”, protestou o parlamentar que seguiu: “Eles demitiram muita gente e continuam com demissões, é um governo que tem prazer em demitir”.

Num tom de revolta a cada pensamento concluído, Fábio continuou com sua oratória.

“Não vou aceitar uma cidade com dois prefeitos. E agora temos a cidade administrada por três tios do prefeito (Humberto, Cleide, Berilo) e pelo pai (Eugênio), pois nós só votamos em um”.

Além do poder exercido na cidade pela família Coutinho, FG também falou de que agora o poder havia sido dado a outra família.

“Agora a cidade tem dois donos, os Coutinho e os Barroso, que vieram da Bahia vendendo tudo o que tinham e hoje estão todos empregados na Prefeitura enquanto as pessoas que realmente necessitam estão sendo demitidas sem dó e sem piedade”, disse Fábio para uma atenta platéia.

Fábio fez um discurso abordando as represálias que tem sofrido há alguns meses e criticando a administração por conta de pagamentos suspeitos e de omissões contra estudantes.

“A Prefeitura fez um pagamento pra banda Magníficos no final do ano passado onde pagou 230 mil reais pra uma banda que toca em todo lugar por apenas 30 mil”, abordou o vereador lembrando uma denúncia feita aqui no blog na semana passada.

“Temos 30 alunos no Buriti Corrente que ficaram sem aula porque o prefeito disse que não tinha recursos para viabilizar um ônibus para que os mesmos pudessem estudar na escola mais próxima”.

Ao final do discurso, Fábio Gentil revelou o que teria sido o principal motivo das perseguições que tem sofrido. “O prefeito de fato (Humberto Coutinho) me disse que eu teria que votar no Flávio Dino, pois ele era o chefe político do grupo, mas eu respondi que ele poderia ser chefe na casa dele, não na minha”, revelou o vereador afirmando que seu candidato a governador “chama-se Luis Fernando Silva”.

Trarei daqui a pouco ou amanhã pela manhã a matéria abordando a intromissão de assessores de Humberto Coutinho durante a sessão de hoje.


3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Ser Judas e dar inúmeras obras , empregar a mulher o irmão, e toda a família e ser Judas, acho que os papeis aí estao invertidos nobre Saba, pois hoje o que muda são apenas as opiniões de posicionamento político a nível estadual, mais isso nao e ser Judas, o hc apenas quer consolidar seu grupo pro flávio Dino, e com se explica ter as benesses d governo e nao acompanhar o candidato deles....pense nisso

  1. Wallther disse...:

    ta o prefeito é o Humberto ou o Léo ?

  1. Anônimo disse...:

    O QUE É ISSO SENHOR EDIL? FOSTE ELEITO PRA SERVIR O POVO OU À SI MESMO? RAPAZ CUIDADO ESTÁS A ENREDAR-TI A TI MESMO COM ESSES DISCURSOS SEM NEXO. PROCURA TRABALHAR INCANSAVELMENTE AI SIM TERÁS COMO COBRAR DO GOVERNO MUNICIPAL AQUILO QUE ELE NÃO FAZ PELA POPULAÇÃO. MAS ESTÁS À COBRAR BENEFÍCIOS PARA TI MESMO. ASSIM É DIFÍCIL MEU CARO ALGUÉM ACREDITAR EM VOSSA EXCELÊNCIA.

Postar um comentário