Tays Coutinho é eleita a preferida do governo

30.6.13
Tays: vitória sem fazer esforço
A vereadora Tays Coutinho acaba de ganhar outra eleição.

Concorrendo com 13 colegas da base de apoio ao governo no parlamento, Tays saiu-se muitíssimo bem.

Foi eleita a preferida do governo Léo Coutinho.

Para essa vitória não foi nem preciso fazer campanha.

Parece que somente o sobrenome foi o suficiente para papar mais esse degrau na política caxiense.

O ‘diploma’ da conquista dessa eleição foi entregue na noite de sábado no Parque da Cidade.

Os cantores das bandas que se apresentaram no encerramento dos festejos juninos citavam somente o nome do prefeito, da primeira-dama, do secretário de cultura e o da vereadora Tays Coutinho nos microfones.

Era um Tays Coutinho pra cá, um Tays Coutinho pra lá que não acabava mais.

Milhares de caxienses ouviram em alto e bom som que, para o governo Léo Coutinho, parece que só existe um membro da Câmara Municipal que merece ser lembrado e exaltado.

Amargando essa preferência familiar, resta agora aos derrotados, os 13 vereadores governistas, repensarem a estratégia dentro do próprio grupo.

O período das férias será de muita reflexão e de muitas queixas entre eles.

Será que o prefeito Léo Coutinho só precisa da prima a defender seu governo no parlamento local?

Estratégia para evitar vaias dá certo e Léo Coutinho escapa ‘fedendo’ no encerramento dos festejos juninos

Prefeito escapou de receber mais
vaias no Parque da Cidade
“Gato escaldado tem medo de água fria!”. O ditado se aplica bem a inteligente fórmula usada pela assessoria palaciana no encerramento dos festejos juninos realizado na noite deste sábado, dia 29, no Parque da Cidade, para evitar que o prefeito Léo Coutinho fosse mais uma vez vaiado em evento público.

É que em todos os grandes eventos realizados pela Prefeitura de Caxias nas últimas décadas, é de praxe que a organização aproveite o grande número de pessoas para exaltar a figura do gestor.

Tem sido assim no carnaval, reveillon, aniversário da cidade e, naturalmente, nos festejos juninos.

Nos 8 anos que governou nossa cidade, HC sempre subia ao palco e era anunciado com pompas pelo locutor oficial dos eventos realizados no Parque da Cidade. Pouquíssimas vezes ensaiou um discurso, mas sempre foi aplaudido por parte do público, enquanto o restante ficava indiferente a sua presença.

Por conta da enorme rejeição que acumulou nos poucos meses que administra a cidade, Léo Coutinho já tem um histórico considerável de vaias e de protestos contra o seu governo.

Foi bastante criticado durante o evento Vem Pra Rua, bem como recebeu vaias estrondosas na abertura dos jogos escolares caxienses.

No facebook então, Léo Coutinho é o campeão de agressões e críticas.

Na apresentação do cantor Reginaldo Rossi no Parque da Cidade, quando o rei disse, de maneira pausada e com ar de seriedade, que Léo Coutinho era um dos melhores prefeitos do Brasil, o público não perdoou e uma parte considerável dos presentes respondeu com vaias.

Caso acontecesse outra saraivada de vaias tal qual como as que foram vistas nos últimos dias, o clima seria de desespero na família Coutinho.

Pensando nisso, uma inteligente estratégia foi feita para evitar qualquer dissabor ao nome do prefeito.

Os cantores só falavam o nome do prefeito no meio das músicas. Nada de citação tipo aquela de Reginaldo Rossi.

No meio das músicas o nome do prefeito, da primeira-dama e do secretário de Cultura não deixavam pausa para reflexão do público e nem clima para uma reação que pudesse demonstrar a insatisfação ao atual governo.

Merece um aumento salarial quem bolou essa estratégia.

Assessores palacianos com medo de vaias ao prefeito hoje no Parque da Cidade

29.6.13
Discursar hoje a noite ou não, eis a questão
Desde a noite de ontem em Caxias, o prefeito Léo Coutinho está vivendo um dilema para sua participação hoje no encerramento dos festejos juninos no Parque da Cidade.

Aliás, esse dilema é vivido por ele, por familiares e também por assessores.

Na noite de quarta-feira, dia 26, durante apresentação do cantor Reginaldo Rossi, quando o artista tentou fazer uma média com o prefeito (que não estava presente) afirmando que o mesmo era um dos melhores do Brasil, a reação do público não foi das melhores para a impressão que Rossi tem da atual administração em nosso município.

Mais da metade daqueles que estavam presentes no evento ficaram indiferentes a tosca avaliação do “Rei” sobre Léo Coutinho.

O restante não perdoou e um coro de vaias rasgou os céus.

Apesar de significativa, as vaias a menção do nome do prefeito foram bem abaixo daquelas ouvidas na abertura dos jogos escolares caxienses.

Mas nos jogos escolares, Léo Coutinho estava de corpo presente. Já no Parque da Cidade, não.

O tira-teima poderá acontecer hoje durante a apresentação do show do cantor de forró Toca do Vale.

São esperadas cerca de 30 mil pessoas no último dia dos festejos em Caxias.

Seria uma avaliação, embora sem muito valor cientifico, interessante de como anda o humor do caxiense em relação ao governo Léo Coutinho.

Só espero que não vejamos baixarias contra o prefeito tais quais aquelas feitas por seus ‘amigos’ do facebook.

Professor de História aponta dilemas no Concurso Público de Caxias

O professor de História e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias, Francinaldo Morais, enviou um artigo para o blog questionando vários pontos do recente concurso público realizado em Caxias.

Os questionamentos levantados pelo professor e estudante de Direito são coerentes e põe em dúvida a fórmula usada pela Fundação Sousândrade para avaliar os candidatos.

Confira o artigo na íntegra:

Dilemas de um Concurso Público Municipal
Francinaldo Morais*
O dilema de todo advogado é praticar a Lei ou praticar a Justiça. O ideal seria resolver o dilema com o casamento de ambas, mas infelizmente a verdade concreta é que muitas vezes Lei e Justiça se mostram divorciadas. Assim, tanto um talentoso e respeitado advogado, quanto qualquer outra pessoa física ou ente jurídico poderá  ter que decidir por praticar a Lei com o sacrifício da Justiça. Os advogados kelsenianos dirão escolherem a Lei, mas como devem escolher os políticos?

Os três entes que realizam o concurso público de Caxias-MA., Secretaria de Educação, Prefeitura e Fundação Sousândrade, já devem ter percebido que o Edital 001, Item 6.15, sub-itens 6.15.1;  6.15.14, “a” e “b”, de 14.05.2013 (Retificado), pode ter criado um dilema igual ao do  advogado.

O Edital  apresenta  situações hipotéticas e uma concreta face as quais aquela denúncia do vereador caxiense torna-se minúscula, apenas a ponta de um grande iceberg. Conforme o referido Edital, verbis:

6.15. Das Provas de Conhecimentos
6.15.1. A Prova de Conhecimentos, para todos os cargos, terá caráter eliminatório e classificatório...(...);
6.15.14. Será considerado não habilitado nesta etapa e, consequentemente,  eliminado do Concurso Público o candidato que:

a) concorrendo a cargo de professor, não obtiver o mínimo de 70% (setenta por cento) de acerto na parte de Conhecimentos Gerais da Prova de Conhecimentos;

b) concorrendo a cargo de professor, não obtiver o mínimo de 70% (setenta por cento) de acerto da parte de Conhecimentos Específicos da Prova de Conhecimentos;

Uma situação hipotética grave que se verifica é que, sendo eliminatória a primeira prova, um candidato que soubesse não ter alcançado os 70% exigidos, não teria feito a segunda prova. Como não pode ter esse conhecimento foi à segunda prova, com a presunção de que teria alcançado o valor mínimo na primeira.

Outras situações hipotéticas  e uma concreta, mas não menos graves e igualmente injustas: um candidato hipotético, com formação em História, Geografia ou Letras, para ficar nestes três exemplos, dificilmente se saiu bem nas questões de Matemática. Acertei apenas três, das dez questões pedidas (30% de acerto). Outro candidato hipotético, formado em Matemática, Química ou Física, possivelmente teve grande dificuldade para responder acertadamente questões da História do Maranhão e, especialmente, da História de  Caxias. Estudo há mais de vinte anos as duas e ainda errei duas questões (07 e 39) , das quarenta apresentadas (95% de acerto).

Assim, deixando as hipóteses, para ilustrar com um caso concreto: segundo o Edital 001, de 14.05.2013, os meus títulos, que não são poucos, não valerão  nada, uma vez que pelo fato de ter buscado me aperfeiçoar na minha área (especializações e mestrado em História) e nunca ter gostado de Matemática, afastei-me quase por completo desta outra importante área do saber.

Registre-se que não se trata de questionar o valor da Matemática para a História, Geografia ou Letras ou destas para a Matemática, mas da constatação do afastamento de exigências matemáticas ou históricas da prática e de estudos cotidianos dos candidatos.

Do exposto, evidencia-se o provável dilema dos três entes responsáveis pelo concurso de Caxias-MA. Caso escolham por praticar a Lei (o Edital 001) será possível que mais candidatos, do que o número esperado, sejam eliminados na fase de Conhecimentos (parte Geral) pelas situações ora descritas, resultando seus títulos em letra morta. Na eventualidade de optarem pela Justiça, poderão ter que assumir o equívoco avaliativo, gerado pelo excesso de zelo, e produzirão nova retificação do Edital, naquele ponto onde este criou um “monstrengo legal”, pois dissociado da verdade formativa da maioria dos Educadores Especialistas e Mestres que participaram do concurso. Espero que os três entes responsáveis pelo concurso optem pela Justiça fazendo com que a denúncia do vereador ex-governista não se mostre iceberg mas simples ponta de gelo flutuando.

Pretendo, através deste texto, falar pela maioria dos candidatos, mas se isto não for possível, assumo estar “advogando” em causa própria: a defesa da escolha livre e soberana de concentrar minhas atenções cognitivas e práticas docentes na História.

*Professor de História, membro do IHGC, Caxias-MA.

Protestos em Caxias diminuem e prefeito já pode voltar para casa

Prefeito não precisa mais temer os protestos das ruas
O prefeito Léo Coutinho, afastado de Caxias desde que explodiu a onda de protestos, finalmente já pode voltar para casa.

O enfraquecimento do Vem Pra Rua afasta qualquer medo que ele possa ter em estar na cidade durante as reivindicações populares.

Alvo de boa parte dos protestos realizados no município, Léo Coutinho só piorou a avaliação do seu governo durante os últimos dias em que as pessoas foram às ruas reivindicar seus direitos tão negados pelo poder público municipal.

Parece ser tão grave os números encontrados em pesquisas de opinião que mesmo já tendo feito pelo menos duas sondagens no Instituto Amostragem, antigo Ipop, os índices de aprovação do governo Léo Coutinho não foram divulgados.

A divulgação de um pronunciamento na TV abordando o movimento Vem Pra Rua e publicado na página pessoal do prefeito de Caxias teve um feito contrário ao esperado.

O bombardeio a gestão de LC feita pelos próprios amigos dele no facebook fez acender o sinal vermelho no clã Coutinho.

Movimento Vem Pra Rua em Caxias perde força e corre o risco de acabar

28.6.13
Imagem do movimento do dia 24
O que era pra ser uma segunda grande manifestação do movimento Vem Pra Rua em Caxias acabou servindo para levar desânimo aos organizadores.

O pequeno número de participantes reunidos na Praça da Uema, por volta das 16:00hs da tarde desta sexta-feira, 28, era o prenúncio de que os ânimos já não eram os mesmos da última segunda-feira.

As explicações para o reduzido número de pessoas são muitas e avalio que alguns equívocos cometidos pelos envolvidos na organização do movimento pode ter contribuído para isso.

É fato: nenhum desses jovens tem experiência em movimentos de protestos. E nem poderiam ter, afinal, a onda desse tipo de movimento no Brasil é nova e não encontra explicação em análises dos mais experientes sociólogos do país.

O Vem Pra Rua não tem um histórico que possa levar seus organizadores a saber onde erraram e o que fazer de agora em diante.

Mas outro erro que considero fatal foi a realização do ato na quarta-feira, 26, no mesmo horário do jogo do Brasil.

Com apenas 10% do número de pessoas do dia 24, aquele de quarta-feira serviu como uma ducha de água fria na efervescência dos principais envolvidos.

Para piorar a situação, membros da UJS, braço político do PC do B no movimento estudantil maranhense, tentaram se apossar da 2ª edição do movimento.

E foi essa tentativa de se apossar do movimento que fez ele encolher ainda mais.

Antes da saída do grupo no roteiro pré-determinado pela organização, a UJS puxou um grupo de 25 pessoas e desceu o Morro do Alecrim em direção ao centro da cidade.

No trajeto, esse pequeno grupo tentava fechar várias ruas e impedir o tráfego de veículos numa tentativa de chamar a atenção dos populares.

Foi uma ação impensada que só tirou o brilho do movimento que, de certa forma, perdeu o caráter de ordeiro ao impedir o direito das pessoas de ir e vir.

O restante do grupo, comandados pelos organizadores que iniciaram e convocaram o Vem Pra Rua, dirigiram-se até a Câmara de Vereadores para concluir o que estava determinado: debater com os vereadores e levar até eles as reivindicações do movimento.

Nenhum parlamentar estava na Casa do Povo para recepcionar os manifestantes.

Num ato simbólico, os manifestantes fizeram o enterro da corrupção, representada por uma urna funerária repleta de cartazes de reivindicações.

O momento é de reflexão e os organizadores farão várias reuniões para avaliar o cenário e o desenrolar dos acontecimentos com vistas a novos atos de protestos.

Mesmo assim, o caráter de protestos ficou marcado em nossa cidade e mostrou que a sociedade caxiense está pronta para reagir em caso de ser chamada para reivindicar seus direitos.

Casa de ferreiro, espeto de pau! Professores de Matões pedem uma "forcinha" para o deputado Rubens Júnior

Rubens Júnior 'aconselha' governo
do Estado, mas esquece da cozinha
da sua casa   

O deputado Rubens Júnior (PCdoB), filho de prefeita Suely Pereira (PSB), deveria estar mais preocupado com a situação política que sua mãe enfrenta em Matões, do que participar de uma entrevista coletiva sem pé e sem cabeça a qual foi induzido na manhã desta quinta-feira (27), na Assembleia Legislativa.
De todos os integrantes da chamada bancada de oposição, apenas Rubens Júnior, Bira do Pindaré (PT) e Othelino Neto (PPS) participaram do factoide.
Isto é, enquanto o comunista deseja encaminhar "sugestões" para o Governo do Estado para atender as demandas das manifestações de rua, o Sindicato dos Educadores de Matões pede apenas uma "forcinha" do deputado para que as suas reinvidicações, ou ao menos partes delas, sejam atendidas pela prefeita Suely Pereira.
Prefeita Suely Pereira é alvo de
protestos dos professores de Matões 
Segundo o Blog do Robert Lobato apurou, o sindicato foi chamado pelo marido da prefeita, o ex-deputado Rubens Pereira, para negociação. Os professores deram uma trégua na greve nesta quinta-feira, mas o movimento continua em alerta.
Fiquem abaixo com a "carta aberta" do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Matões:
SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DE MATÕES-MA
Rua Oswaldo Cruz, s/n Bairro Alto da Seriema Matões-MA
CARTA ABERTA
Assunto: Paralisação municipal nos dias 20 e 21 de junho

Mais uma vez, a Educação em Matões para, para que o governo que tanto pregou a democracia levante os olhos e entenda de uma vez por todas que a classe trabalhadora precisa ter seus direitos reconhecidos e que é necessário governo e sindicato manter o diálogo.
Há alguns meses atrás, o Blog de Roberto Lobato publicou uma nota sobre a paralização dos educadores de Matões. Algumas pessoas do governo que publicaram comentários falaram que era mentira. Que a prefeita era uma das melhores do Maranhão. Resultado: Das pautas em reivindicação ainda continua pendente principalmente o plano de cargos e salários.
Lemos nos jornais e Blogs, a luta do Dep. Rubens Jr, filho da Prefeita Suely Pereira, para que o Estatuto do Educador do Maranhão fosse aprovado e este foi. Das frases do deputado para o SIMPROESEMA, tem uma que nos motiva a cobrar o nosso plano quando ele disse: "Mobilização e muitos gritos de cobrança". Foi a sugestão do deputado Rubens Júnior para que os trabalhadores fossem vitoriosos na luta pela aprovação da pauta da educação. Ele reafirmou sua postura de manter o apoio aos educadores e a cobrança pelo estatuto em suas atividades na Assembleia Legislativa. Lembrou que é importante que a categoria esteja organizada e mobilizada para enfrentar a batalha pela aprovação do projeto, que se não acontecesse agora, poderia ser prorrogada para o ano eleitoral de 2014. (Publicado no site do Simproesema)
Isso é simplesmente fantástico se não fosse só uma fachada para impressionar o povo maranhense.
Por que ele, que é filho da prefeita de Matões, que foi eleito com os votos daqui também, não vem aqui dá uma forcinha para o nosso sindicato?
Estamos parando mais uma vez diante dos absurdos que acontecem aqui. Eis alguns:
*O nosso Plano de Cargos e Salários nunca foi aprovado;
*Os conselhos da educação estão recheados de gente da base aliada do governo, inclusive o do FUNDEB que tem como presidente uma vereadora da base do governo.
*Eleições para diretores nunca houve.
*Na Educação Infantil existe um professor somente para até 30 crianças na faixa etária de 1 ano e seis meses pra frente.
*Rubens Pereira falou na TV local que a merenda não chegava porque estava sendo desviada e nos perguntamos: porque não puniu os culpados? Dois conselheiros da merenda escolar pertencentes ao sindicato comprovaram as irregularidades absurdas da merenda escolar.
*Nem todos os professores receberam o HP (Horário Pedagógico).
*Muitos municípios pagaram o abono salarial para os professores, menos Matões, que diz não ter entrado esse dinheiro. Curioso é que Parnarama, cidade vizinha e que se encontra com dívidas da gestão passada pagou R$ 1.000,00 para cada professor.
*O portal transparência não consta a lotação dos funcionários porque seria até impossível lotar todo mundo que está na folha e recebendo sem trabalhar ou com desvio de funções.
*O governo não respeita os poucos acordos feitos e tentam intimidar de forma repressiva os atos do sindicato. Contraditório, não?
* Alguns ônibus deixaram de transportar alunos por não receberem pagamento;
* Existe um cargo por nome assessor de polo que nunca ficou definido sua função e estão aglomerados nas escolas;
*Nunca a Prefeita na sua gestão sentou conosco para resolver as questões que ainda se encontram pendentes.
O secretário de Educação não tem autonomia para resolver os problemas e ficamos a ver navios.
Não é atoa que o Brasil vive um momento como este de revolta contra o sistema. O descaso dos políticos levou um país a estabelecer o caos e o que é pior, sem líderes! Não havendo líderes, não há com quem negociar.
Não tem quem faça parar! O Brasil vive um momento que o descaso com o povo chegou ao limite. Matões é Brasil também e não se apaga fogo com o fogo nas mãos.
Fonte: Blog do Robert Lobato


Organização do Vem Pra Rua espera que vereadores estejam na Praça do Panteon para ouvir reivindicações dos manifestantes

Buscando resultados práticos e a solução dos problemas do dia a dia da comunidade, os organizadores do Vem Pra Rua em Caxias aguardam a presença dos 19 vereadores caxienses na Praça do Panteon para ouvir os reclames da população.

De acordo com a organização, os vereadores não serão agredidos e as cobranças serão feitas em questões inerentes ao poder público municipal, que é a esfera de poder em que os mesmos podem atuar.

O público que tem lotado as sessões do parlamento caxiense assiste calado aos debates que ali são travados.

Embora discordem das posições e assuntos tratados pelos vereadores caxienses, a platéia não pode intervir e nem opinar.

“Queremos reverter essa situação, pois agora serão os vereadores que irão ouvir os reclames da população ao vivo e a cores”, diz Caio Motta, um dos organizadores do movimento.

E quem quiser já pode ir à Praça da Uema levando seu cartaz e sua faixa de protestos.
A concentração começa a partir de 14:00hs, sendo que a passeata até a Praça do Panteon sairá a partir das 16:00hs.

Concentração da 2ª Edição do Vem Pra Rua será daqui a pouco na Praça da UEMA

Os organizadores do movimento Vem Pra Rua em Caxias estão esperando uma maior participação popular na segunda edição que será realizada daqui a pouco, a partir das 14:00hrs na Praça da Uema.

No mesmo molde da primeira edição do protesto, todos poderão levar suas reivindicações na passeata e todos também terão direito a fazer suas reivindicações em cartazes, faixas e camisetas.

O percurso também será o mesmo, assim como a parada para discursos em frente a Prefeitura.

Ao contrário do primeiro evento, onde infiltrados do grupo dominante conseguiram, em pequena escala, direcionar o movimento para ser um ato anti-Sarney, desta vez os organizadores estão atentos para que isso não aconteça.

A UJS, braço do PC do B no movimento estudantil no Maranhão, foi alvo de muitas criticas dos organizadores do Vem Pra Rua.

“Esse movimento não é estudantil, de grupos políticos e nem de nenhum segmento em especial, é um movimento social e sem partidarismos”, diz um dos organizadores.

Sem violência e sem badernas, o Vem Pra Rua já conseguiu obter sua primeira reivindicação. A Prefeitura de Caxias atualizou seu Portal da Transparência com os gastos do governo.

Embora com mais de 2 meses de atraso, essa atualização dos gastos não foi feita a contento, haja vista que de uma receita de 18 milhões de reais em média por mês, em maio só existe justificativa de gastos de pouco mais de 5 milhões.

Apesar de ser uma atualização feita pela metade, isso só foi feito por conta dos protestos das ruas.

Caxias vai mais uma vez parar para protestar por direitos.


Vem Pra Rua consegue metade de uma reivindicação: Prefeitura atualiza Portal da Transparência

27.6.13
Uma das reivindicações do movimento Vem Pra Rua, realizado em Caxias, conseguiu seu primeiro resultado prático: o governo Léo Coutinho atualizou o seu Portal da Transparência, endereço hospedado no site da prefeitura.

Mesmo assim, essa atualização não pode ser vista como uma boa vontade da administração, haja vista que só foi feita por conta da onda de protestos que se espalham pelo Brasil e que chegou em nossa cidade com força total.

Estendo a análise da divulgação dos gastos da Prefeitura, desde o primeiro mês do atual governo, essas despesas feitas pela municipalidade são realizadas de maneira estranha, para não usar outra expressão mais forte.

É que recebendo em média 18 milhões de reais entre repasses constitucionais, convênios e receitas próprias, nos 3 primeiros meses de 2013 o prefeito Léo Coutinho só apresentou gastos de cerca de 3,5 milhões em média.

Não existe no Portal da Transparência caxiense o destino da diferença, ou seja, do ‘troco’ entre a receita e a despesa, o que suscita todo tipo de dúvida sobre o que foi feito com essa verdadeira fortuna.

Sem os valores e os pagamentos feitos para custear a máquina administrativa atualizados desde março, que foi o último mês divulgado, como num passe de mágica o prefeito disponibilizou hoje, dia 27, os meses de abril e maio.

Como se as suspeitas e dúvidas acerca da seriedade de tudo que é feito nos governos da família Coutinho, mais uma vez essa ‘atualização’ coloca mais dúvidas ainda no governo cada vez melhor.

No mês de maio, ao contrário da média dos 3 primeiros meses do ano, que era de 3,5 milhões de despesas, esse valor aumenta um pouco e chega a R$ 5. 243.114, 20.

Apesar do aumento de quase 2 milhões nas despesas efetuadas, o ‘troco’ entre a diferença das receitas ainda é enorme.

Já o mês de abril, este blogueiro tentou fazer o download do arquivo por várias vezes, mas não obteve sucesso.

Mudei o navegador e o computador e nada de conseguir abrir a caixa preta das despesas de abril.

Um alerta aos organizadores do Vem Pra Rua: a Prefeitura só atualizou o seu Portal da Transparência por conta da pressão do movimento.

Mesmo assim, deixou muito a desejar e mostra que, transparência, definitivamente não é o forte do governo que se mostra sério e honesto.

Se quiseram simplesmente dar uma satisfação aos manifestantes na intenção de “aliviar a barra” sobre a administração, pioraram um pouco mais a situação.

Quem quiser saber os valores pagos em maio de 2013 é só acessar o site da Prefeitura de Caxias e se divertir com os números. O link disponível aqui: http://caxias.ma.gov.br/transparencia/c/3

Prefeito Léo Coutinho grava vídeo insosso sobre movimento Vem Pra Rua

Prefeito teve uma triste ideia de gravar vídeo
sobre o movimento de protestos na cidade que
não foi bem recebido nem pelos seus 'amigos'
Não deve ter partido do prefeito Léo Coutinho a ideia de jerico de gravar um ‘pronunciamento’ sobre o movimento Vem Pra Rua realizado na cidade na ultima segunda-feira, 24.

Com 57s de duração, Léo Coutinho teve uma performance bem aquém do que se esperava de alguém com o currículo jurídico que ele acumula.

Triste, com a voz pausada e sem demonstrar firmeza em nenhuma palavra dita, o pronunciamento de LC serviu apenas para mostrar como o mesmo está acuado diante da onda de insatisfação que toma conta do seu governo.

Nas palavras do prefeito, o mesmo declara total apoio ao movimento de protestos dos caxienses.

Léo Coutinho chega a parabenizar a forma pacífica do desenrolar do ato reivindicatório que teve seu governo como alvo principal. Uma tentativa amadora de mostrar que aquilo não foi com ele. Mas foi com ele sim. E como foi.

Como que apelando na sua fala, o prefeito chegou até a falar que os manifestantes estavam certos em cobrar, entre outras coisas, “transparência” durante os protestos.

Justo ele, que tem um governo que não divulga seus gastos no portal da transparência conforme lei especifica determinando isso.

Para piorar o desfecho da desastrada ideia desse pronunciamento ao estilo da presidente Dilma Rousseff, que também ocupou cadeia de rádio e televisão para falar sobre os atos Brasil afora, o prefeito de Caxias postou o vídeo de sua fala na sua página no facebook.

Talvez tenha sido sua pior incursão pelo mundo virtual.

Mesmo sendo sua página pessoal no facebook aberta para os comentários de pessoas que ele mesmo aceitou ou convidou para ser seu amigo, nas primeiras horas depois da postagem do seu pronunciamento o resultado foi catastrófico.

Em apenas 4 horas, Léo Coutinho recebeu 126 comentários sobre o vídeo. Desses, 7 eram favoráveis ao seu governo e lhe desejando votos de apoio.

O restante, 119, foi de criticas pesadas contra o seu governo.

Palavras impublicavéis foram direcionadas ao prefeito.

Este blog, em respeito aos seus leitores, não irá divulgar nenhum desses comentários.

O chefe do Executivo caxiense retirou a postagem do vídeo da sua página no facebook menos de 5 horas depois da publicação.

Se os ‘amigos’ dele do facebook o tratam assim, imagina o restante da população.

Marcada nova manifestação de protestos em Caxias

26.6.13
Durante evento reivindicatório realizado hoje pelo grupo de jovens que está organizando manifestações de protesto na cidade, ficou decidido que na sexta-feira, dia 28, haverá uma nova edição do Vem Pra Rua.

A passeata de sexta-feira, 28, será nos mesmos moldes daquela realizada na segunda-feira, 24.

Apesar das semelhanças dos dois eventos, a organização está tomando todos os cuidados para garantir a participação de todas as correntes de manifestação, mas com o cuidado de não permitir que grupos políticos consigam infiltrar correligionários para preservar o caráter apolítico do mesmo.

Reunidos na tarde desta quarta-feira, 26, os organizadores, seguidos por cerca de 150 manifestantes, percorreram, a partir da Praça da Uema, as principais ruas da cidade.

Pararam em frente a Câmara Municipal e discursaram.

Os vereadores Fábio Gentil e Taniery Cantalice chegaram no local e os manifestantes deixaram os mesmos falarem como forma de mostrar, que embora seja apolítico, o caráter democrático do ato deve falar mais alto.
 
Foi um ato de coragem dos vereadores oposicionistas que os organizadores do Vem Pra Rua esperam que seja seguido pelos demais parlamentares municipais e que a totalidade do legislativo local esteja na Praça na próxima sexta-feira, 28, para ouvir os reclames da população.

O bom senso de querer ouvir a classe política é bem vindo, pois não adianta reivindicar, protestar e gritar, se não se quer ouvir quem realmente pode fazer algo pela comunidade, pois são eles, os políticos, que fazem as leis que regem nosso acesso aos serviços públicos.

Câmara encerra semestre legislativo com sessão realizada fora do horário normal

Mesmo antecipada, sessão legislativa foi bastante
proveitosa e contou com grande número de público
Apesar de ser uma sessão ordinária, a Câmara Municipal de Caxias encerrou seus trabalhos neste semestre num horário incomum. As 10:00hrs da manhã desta quarta-feira, 26.

O horário pegou os caxienses de surpresa, inclusive alguns vereadores, que foram informados da antecipação apenas uma hora antes. Apesar disso, graças as redes sociais na internet, a Casa do povo ficou lotada.

A maioria dos parlamentares usou o tempo de 10 minutos para fazer uma espécie de prestação de contas dos primeiros meses de trabalho.

Fora isso, a avaliação do próprio trabalho, todos eles também comentaram a realização do movimento Vem Pra Rua da última segunda-feira, 24.

Para os vereadores, o evento serviu como um alerta para os poderes públicos acerca da prestação do serviço público ao cidadão e de como a classe política está ouvindo e atendendo os reclames da população.

O tradicional embate entre oposição e situação também aconteceu e a leitura de um relatório parcial da comissão de educação da Câmara, que ‘apurou’ o caso da merenda escolar estragada servida numa escola pública do povoado Brejinho, foi motivo de protestos da vereadora Benvinda Almeida que não assinou esse relatório, pedindo vistas do mesmo.

Um assunto que chamou a atenção de todos foi o fato de que algumas pessoas, dizendo-se organizadores do movimento Vem Pra Rua Caxias, terem procurado a presidente Ana Lúcia Ximenes nessa condição. Eram os integrantes da UJS, entidade ligada umbilicalmente ao prefeito Léo Coutinho e mais alguns assessores palacianos.

Os verdadeiros organizadores chegaram logo depois e se colocaram a disposição da presidente do legislativo para esclarecer as reivindicações dos manifestantes do Vem Pra Rua.

Logo mais a noite e durante todo o dia de amanhã estarei analisando cada discurso feito pelos vereadores na última sessão legislativa do semestre.

Ecos do Vem Pra Rua Caxias

Em toda a cidade só se fala no movimento Vem Pra Rua que sacudiu a sociedade caxiense na segunda-feira, dia 24.

A maioria avalia que o movimento deixou o prefeito Léo Coutinho em maus lençóis, pois foi ele o alvo principal dos protestos.

No facebook, principal instrumento de convocação para o ato de protesto, as críticas ao prefeito aumentam e tomam proporções gigantescas.

A população, principalmente os jovens, não se cansam de fazer as cobranças inerentes ao poder público municipal.

A discussão sobre quem insuflou ou de quem direcionou o movimento para benefício próprio ou como instrumento para atingir adversários, também não para.

É claro e lógico que partidários, correligionários e simpatizantes de todas as correntes políticas estiveram presentes.

Ficou bem claro também, e isso está sendo bastante discutido num grupo que trata da política caxiense no facebook, que partidários do prefeito Léo Coutinho conseguiram se infiltrar na passeata com uma intenção bem clara, e que este blog alertava há vários dias: de levar o movimento para ser um ato anti-Sarney.

A manobra, que teve a infelicidade de ser escancarada aqui no blog, era inteligente, pois tiraria o foco das questões municipais e levaria os estudantes e o povo em geral para a crítica da moda, que é falar mal do Sarney.

Embora o senador José Sarney e sua família tenham milhares de motivos para serem alvos de protestos, o movimento em Caxias não poderia ter seu foco numa questão que não está na pauta de prioridade dos caxienses.

A pauta é onde falta a ação do poder público em questões vitais no dia a dia de cada comunidade.

E foi com essa pauta, e outras mais, que a cidade de Caxias deu exemplo para o Brasil de como se deve fazer um movimento, embora gigantesco, pacifico e sem incidentes de agressões físicas ou de depredação de prédios públicos.

Também no facebook, no grupo que debate a política da cidade e que conta com mais de 1.700 membros, os comentários contra o prefeito e sua administração são da ordem de 90%.

Nenhum desses membros do grupo se atreve a defender abertamente a atual administração, e quando alguns o fazem, medem cada palavra escrita com medo das represálias dos demais integrantes.

Paixões a parte dos envolvidos no movimento Vem Pra Rua, o certo é que o resultado final foi alcançado: os caxienses mostraram que estão antenados com o que acontece no resto do Brasil.

Uma vitória da democracia.

Os caxienses estão de parabéns!





Vereador Mário Assunção e uma demonstração de coragem

Mário Assunção brincou
com fogo e não se queimou
Enquanto todos os políticos de Caxias detentores de mandato ficaram com medo de participar ou mesmo ficar nas proximidades do movimento Vem Pra Rua Caxias, o vereador Mário Assunção foi visto em vários trechos do percurso da passeata.

Mário teve muita coragem, pois como líder do governo Léo Coutinho na Câmara, ele poderia ser alvo de críticas dos manifestantes.

Para surpresa de todos, o vereador não foi hostilizado por nenhum dos manifestantes. Em certo momento, ficou na calçada da panificadora Pão e Leite bem em frente onde passavam a multidão.

Nenhum outro vereador, nem mesmo da oposição, teve essa coragem.

Prefeito estava na cidade no dia do movimento

25.6.13
Prefeito estava na cidade, mas não foi ouvir
os reclames da população no prédio da Prefeitura
No post “Pernas pra que te quero!”Prefeito Léo Coutinho pega voo em Teresina hoje com destino a São Paulo” o blog cometeu alguns equívocos.

Léo Coutinho estava na cidade durante todo o dia de ontem.

O equívoco do blog deu-se por conta de outro equívoco de um assessor do prefeito.

Esse assessor me passou a informação da viagem no final da tarde de ontem.

Todos os desencontros aconteceram por conta de uma viagem pré-agendada de LC para fazer um curso na Fundação Getúlio Vargas. Como a FGV tem sede na capital paulista, esse assessor pensou que o curso seria lá.

Essa prestigiada Fundação realiza cursos em várias capitais Brasil afora e o prefeito de Caxias teria ido fazer um curso que a FGV ministrará em Brasília.

Outro assessor me esclareceu que a viagem de Léo Coutinho estava previamente marcada para às 19:00hs de segunda-feira, 24.

Diante do movimento Vem Pra Rua Caxias, de acordo como o segundo assessor, o prefeito teria adiado sua viagem para a manhã desta terça-feira, 25, no intuito de acompanhar o desenrolar dos acontecimentos da manifestação.

Como forma de levar aos leitores a realidade como ela é, faço esses esclarecimentos a fim de manter a credibilidade deste blog com todos que me prestigiam diariamente.

Mas já que estava na cidade o tempo todo, por que é que o prefeito não ficou no prédio da Prefeitura para ouvir os reclames da população?

Com certeza ele seria bem recebido.

Caxias acordou! Família Coutinho ouviu o grito dos caxienses

24.6.13
A cidade de Caxias deu hoje uma demonstração para o Brasil inteiro que também está de saco cheio por muito contribuir e pouco receber dos poderes públicos.

O movimento Vem Pra Rua Caxias eletrizou a cidade toda na memorável tarde de segunda-feira, dia 24.

Como Câmara e Prefeitura foram fechadas desde o meio-dia, o comércio em geral se amedrontou e também desceu as portas.

Mas o que muitos temiam acabou não acontecendo. Os manifestantes protestaram, gritaram e denunciaram de forma pacífica.

Os infiltrados do grupo dominante bem que tentaram tomar conta do movimento, mas se deram mal.

De acordo com a maioria das pessoas que estavam lá, 80% das críticas foram direcionadas para o prefeito Léo Coutinho.

Isso é natural e esperado, haja vista que o prefeito da cidade é o braço maior da política no âmbito do município.

E o caxiense não decepcionou.

Os baixos salários pagos pela família Coutinho em todos os níveis da administração foram alvos da revolta de muitos.

A saúde precária, onde os caxienses sofrem nas filas dos hospitais e tem seus entes queridos vítimas desse sistema perverso, que falta médico e remédio em todas as unidades de saúde da cidade, também foi lembrada pelos manifestantes.

A falta de água nas torneiras, um mal que insiste e persiste em continuar infernizando a vida dos caxienses, apesar dos milhões arrecadados pelo SAAE todos os meses e com outros tantos milhões oriundos de convênios do governo federal, também foi denunciado no movimento.

O governo estadual também foi criticado. Os infiltrados de Humberto Coutinho portavam cartazes contra a família Sarney.

Ficou claro a decepção dos manifestantes com o prefeito Léo Coutinho. Para muitos, a cidade está andando de marcha a ré.

O nepotismo, uma prática vergonhosa que a família Coutinho faz questão de manter desde que chegou na Prefeitura, onde os parentes estão todos empregados e ganhando altos salários, foi bastante criticado.

Até o shooping Center prometido pelo chefe do Executivo foi cobrado durante o evento.

A indignação dos caxienses com a família Sarney, família Marinho e mais fortemente contra a família Coutinho, elevou o tom dos gritos de protestos dos manifestantes em várias ocasiões.

Com cerca de 2.000 pessoas, de acordo com a Polícia Militar, Caxias deu um exemplo para o Brasil de como se deve fazer uma manifestação ordeira, pacifica e com cobranças contundentes contra os poderes públicos.

Surpreendeu a todos do movimento a quantidade excessiva de policiais militares em frente a Prefeitura e a Câmara Municipal.

Já tendo percorrido várias ruas do centro da cidade desde a Praça Duque de Caxias, o movimento culminou em frente a Prefeitura.

Lá os discursos pedindo saúde e educação eram ouvidos um atrás do outro. Gritos de “cadê o prefeito?” também ecoaram na porta do Palácio da Cidade.

O hino nacional foi cantado pela multidão emocionando a todos.

Infelizmente o prefeito Léo Coutinho embarcou para São Paulo hoje e não ficou na cidade para ouvir o grito do povo de Caxias contra sua administração.

O caxiense deu uma demonstração do quanto está insatisfeito com esse governo dinástico que se instalou no município.

O movimento todo ele foi convocado pelas redes sociais na internet.

O ato de Caxias foi destaque no Jornal Nacional da Rede Globo.

A mensagem foi dada. O prefeito ouviu. Sua família também.

Ano que vem teremos eleições. O recado agora será das urnas.











Manifestantes gritam em frente a Prefeitura: “Cadê o prefeito?”


Agora há pouco os manifestantes do movimento Vem Pra Rua Caxias chegaram em frente a Prefeitura e iniciaram gritos de “Cadê o prefeito?”.

Imagem ilustrativa
A multidão quer saúde, educação de qualidade, água nas torneiras, o fim da corrupção e o fim do nepotismo na Prefeitura.

Nesse momento acabaram de cantar o hino nacional.

Ninguém do movimento sabe onde o prefeito Léo Coutinho está.

Ele está em Teresina pegando um voo para São Paulo. Bem longe dos gritos do povo.

Agora os gritos são: “Ei Sarney vai tomar no c... Sem Marinho e sem Coutinho”.

Lá na Praça tem protesto pra todo mundo.

É isso aí Caxias!

Pernas pra que te quero! Prefeito Léo Coutinho pega voo em Teresina hoje com destino a São Paulo

Prefeito NÃO ficou na cidade para ouvir gritos do povo
Não deve ter nada a ver o sumiço do prefeito Léo Coutinho da cidade no dia do movimento Vem Pra Rua Caxias.

Deve ter sido só coincidência mesmo, justificam os correligionários.

É uma pena o prefeito de Caxias não assistir o movimento de perto para sentir na pele o calor do movimento de protestos que tomam conta do Brasil contra os políticos e suas falhas e omissões.

Como representante maior da política local, o prefeito Léo Coutinho é responsável natural de muitos dos males que enfrentam nossa população.

É bom que seu compromisso em Sampa seja muito importante para Caxias, senão já viu!!! A galera vai dizer que ele fez foi correr com medo das manifestações na cidade.

Mas existe algum recurso público para ser destinado a Caxias lá em São Paulo?

Daqui a pouco trago matéria completa da passeata na Princesa do Sertão.

Gato escaldado tem medo de água fria! Prefeitura e Câmara são fechadas com medo de protestos

A Prefeitura de Caxias e a Câmara Municipal tiveram suas portas fechadas com cadeados nesta tarde com medo da manifestação que terá seu ponto alto na Praça do Panteon.

A organização do evento lamentou o fato dos representantes desses dois poderes tomarem essa decisão, pois isso provocou um medo generalizado no comércio local, fazendo com que muitas lojas do centro da cidade fechassem suas portas também.

“É um ato pacífico onde estamos tomando todo cuidado para não permitir direcionamentos e ação de vândalos durante o percurso”, diz Caio Motta.

Ninguém entendeu a atitude do prefeito Léo Coutinho em fechar o prédio da Prefeitura, pois segundo o próprio, seu governo é o melhor do interior do Maranhão e as conquistas da população em saúde, educação e habitação são de primeira linha, sendo que, pela ótica da sua administração séria e honesta, inexiste insatisfação da sociedade.

Daqui a pouco trarei as primeiras informações do movimento.


Caxiense vai pras ruas dizer que não quer só pão e circo

Daqui a pouco os caxienses irão aderir a onda de protestos que tomam conta do Brasil.

Num ato sem cores partidárias, os organizadores do movimento estão tendo o maior cuidado para não deixar que nenhum grupo político tente se apoderar do evento. Aliás, político parece que não será bem vindo na passeata.

São esperadas muitas faixas e muitos cartazes onde os manifestantes irão expor sua revolta e o que causa essa revolta.

Os serviços públicos e os políticos que devem colocá-los em práticas parece que serão os alvos principais.

A organização já está entrando em contato com a Polícia Militar para dar segurança no evento e coibir atos de vândalos durante todo o percurso.

Vá e leve sua revolta e seu protesto num cartaz e na sua garganta.

Vamos protestar, mas com serenidade para não atingir prédios públicos e nem agredir pessoas.

Caxias tem tudo para mostrar ao Brasil que somos filhos dessa mãe gentil e que esse filho não foge a luta.

O caxiense tem motivos de sobra para protestar contra os males que afligem sua vida

23.6.13
Não adianta ninguém, nenhum político, por maior que ache que seja, tentar se apropriar do movimento de protesto que vai ser feito em Caxias na tarde desta segunda-feira, 24.

Os caxienses indignados com os problemas que lhes afligem não permitirão que o grupo dominante aceite usar o movimento Vem Pra Rua Caxias como instrumento para atingir a família Sarney.

É para atingir a todas as esferas do poder que são responsáveis pelos males que nos afligem.

Em São Paulo foi a meia-passagem o estopim para a revolta dos paulistanos. No Rio foi a falta de segurança que fez o carioca perder a paciência.

Nas duas maiores cidades do Brasil o movimento começou com um fator determinante, mas se estendeu a todos os problemas dos cidadãos que pagam altos impostos e não tem os serviços públicos condizentes com sua contribuição.

A corrupção na política é hoje o motivo maior da indignação do brasileiro.

Mas o que é que aflige o caxiense? O que é que provoca indignação na nossa sociedade? Será que o motivo maior da revolta do caxiense são os gastos com a Copa? Será que nossa revolta maior e que transforma nossas vidas um verdadeiro martírio é a família Sarney?

Não! O problema maior do caxiense encontra-se em Caxias e tem nome e endereço: Prefeitura Municipal.

O caxiense sofre com a falta de água todo dia mesmo tendo a conta do SAAE chegando em nossas casas religiosamente todo mês.

O caxiense sofre com as ruas esburacadas, mesmo pagando um IPTU caro e que é cobrado normalmente.

O caxiense sofre e morre nos hospitais da cidade que não tem médicos e muito menos remédios.

O caxiense sofre com os mais de 1.000 pais e mães de família que foram recentemente demitidos da Prefeitura engrossando a massa de desempregados no município.

O caxiense fica indignado é com o nepotismo na Prefeitura de Caxias, onde os parentes do prefeito ocupam altos cargos e recebem gordos salários.

O caxiense fica indignado é com a vergonhosa substituição de dezenas de caçambeiros por ricos e prósperos proprietários de caminhões compactadores de propriedade de amigos e correligionários.

O caxiense fica indignado é por saber que a folha de pagamento do Gabinete do prefeito ultrapassar 250 mil reais quando lá existem apenas 5 funcionários dando expediente.

O caxiense fica indignado é com a ostentação de uma família que chegou ao poder rica em 2004, mas que milagrosamente conseguiu fazer a fortuna render e de ficarem hoje entre os mais ricos do Maranhão.

O caxiense fica indignado é com a falta de transparência do atual governo que não divulga em seu portal da transparência os gastos do município como manda a Lei numa demonstração de que tem algo a esconder.

O caxiense fica indignado também pelo fato de alguém querer se aproveitar do movimento de protesto para usar como instrumento político e tentar transformá-lo em ato contra a família Sarney.

O caxiense tem motivos de sobra para protestar e não será ninguém que se acha acima dos nossos sentimentos de revolta que irá estragar o Vem Pra Rua Caxias.

Chega de meia-dúzia ficarem cada vez mais ricos e nossa população ficar cada vez mais necessitada da ajuda do poder público.

Vamos todos pra rua dizer para esses que são corruptos que nossa paciência chegou ao fim.

Um moleque da política caxiense está tentando se aproveitar do movimento Vem Pra Rua

Durante um evento realizado ano passado por um ainda pré-candidato a prefeito de Caxias, um adversário, com medo do sucesso do mesmo, ficou tomado pela inveja e tentou bagunçar o evento do rival.

Pediu para um também pré-candidato a vereador do seu grupo político que arregimentasse pessoas para entrar em confronto com a passeata do adversário.

Como era e é um homem de caráter, esse pré-candidato a vereador, e hoje detentor de mandato, disse em alto e bom som que não aceitava ser usado para esse papel de moleque.

No movimento que teremos amanhã em Caxias, o mesmo político que tentou bagunçar o evento do adversário ano passado está em ação.

Agora mais forte que outrora, esse moleque está arregimentando pessoas, igualmente moleques como ele, para se infiltrarem no movimento e com isso tentar transformá-lo em protesto contra o grupo Sarney.

A organização está atenta e está tomando medidas para coibir a politicagem no ato.

O caxiense deve protestar é contra o que lhe aflige no dia a dia.

Nenhum grupo político no Brasil conseguiu tomar conta dessa onda de protestos e tirar dividendos políticos dela.

Não será nossa Princesa do Sertão que dará o péssimo exemplo para o Brasil inteiro.

Fora do movimento os políticos que maltratam e zombam da cara do povo de Caxias.

Fora os moleques da política.

Definida pauta de protestos do Movimento Vem Pra Rua em Caxias

22.6.13
Após reunião realizada na tarde deste sábado, 22, na Praça da Uema, Morro do Alecrim, ficou definido pelos organizadores do movimento que a concentração será no mesmo local da reunião a partir das 14hrs de segunda-feira, 24.

Ficou definido também o percurso, que partirá da concentração descendo pelo farol da educação até a Praça Gonçalves Dias. Em seguida, o movimento irá até a Praça de São Benedito, Praça da Matriz e culminando com um ato de protesto em frente a Prefeitura.

O ato em frente a Prefeitura é por conta do local ser o mais apropriado para grandes manifestações e por ter um forte simbolismo político.

A organização quer impedir críticas direcionadas a pessoas ou políticos, haja vista que é um ato “por direitos”.

Apesar de todo o cuidado da organização, ficou claro a intenção de correligionários do prefeito Léo Coutinho em querer direcionar o movimento para críticas ao governo do Estado.

Membros da UJS e alguns assessores palacianos por pouco não causaram tumulto na reunião, devido a gritante preocupação em pedir que o protesto atingisse Roseana e poupasse o governo Léo Coutinho.

Quiseram tumultuar, mas o bom senso do estudante universitário Caio Motta, que é um dos organizadores do movimento, conseguiu contornar a situação e os infiltrados do Palácio da Cidade se tocaram e saíram com o “rabo entre as pernas” da reunião.

“Lembrando que existem outros motivos, e que esperamos que compareçam trazendo as suas reivindicações, pois todos tem os seus motivos. Mas vamos respeitar, não vamos citar nomes diretamente, não vamos ofender de forma que nos leva a perder a razão. No mais, esperamos que tudo seja pacífico e que a população em peso se junte a causa, pois só queremos uma Caxias melhor”, diz Caio Motta, um dos organizadores Vem Pra Rua Caxias.

Política salarial da família Coutinho é marcada por baixos salários e por pagamento antecipado do funcionalismo

Existe esperto de todo tipo e em todos os lugares. Em todo momento de nossas vidas, olhamos os espertos em ação. Em todo lugar e em todas as categorias tem sempre um querendo se dar bem.

"qui,qui eu pago mal, mas qui, qui
pago em dia...", diz HC
Mas existe uma pequena linha separando o ato entre a esperteza e a ilegalidade. É quando o sabido ultrapassa o limite da sua sagacidade e passa a praticar o inaceitável.

A política é, com certeza, o lugar onde os espertos se proliferam com mais freqüência.

Existe esperto político que se aproveita da sua capacidade de verbalização com os eleitores para enganar ou conseguir dividendos políticos mesmo que seu discurso não tenha objetivos nobres para o povo.

Em Caxias temos dois grandes exemplos de espertos na política: Paulo Marinho e Humberto Coutinho.

Paulo Marinho pelo discurso que durante 20 anos vem convencendo milhares de caxienses. Hoje, já não consegue convencer tanto assim e luta feito uma fera enjaulada para tentar manter vivo seu número de seguidores e o capital político de outrora.

Já Humberto Coutinho pela esperteza de um ato que lhe rende, há mais de 8 anos, uma verdadeira fortaleza diante de qualquer critica que adversários ou formadores de opinião tentam lhe imputar.

O pagamento antecipado dos salários dos servidores do município tem abafado, desde que HC assumiu o controle dos cofres municipais, qualquer ato mais forte de protesto ou de insatisfação contra sua gestão.
Os professores de Caxias recebem os piores salários da região dos cocais. A categoria reclama e protesta nas ruas contra o arrocho salarial de HC desde o primeiro ano do seu governo.

Protestaram em vão. Ninguém lhes deu ouvidos. Nem o prefeito e muito menos a população.

Os agentes comunitários de saúde e de endemias, assim como os guardas municipais, guardas de trânsito, enfermeiros, garis, procuradores, contabilistas e demais categorias da administração pública em Caxias recebem os piores salários do interior do Maranhão. Recebem em dia, mas recebem mal, muito mal.

Como vinham de incertezas no pagamento dos seus salários em gestões anteriores, pagar em dia, e ainda antes do término do mês trabalhado, foi uma jogada de mestre de HC.

A mídia palaciana vende o pagamento em dia como um grande feito do chefe do grupo.

Mas isso já não cola mais, pois todos os prefeitos de cidades da região pagam os salários dos funcionários em dia.

Aldeias Altas, São João do Sóter, Coelho Neto, Codó e Timon, só para citar as mais próximas, pagam religiosamente em dia.

Mas nessas cidades existe uma diferença gritante com Caxias: todos elas pagam em torno de 30% a mais para o funcionalismo em geral.

Aos poucos o caxiense vai percebendo que caiu na jogada de mestre de Humberto Coutinho e já não compra mais essa ideia como antes.

A insatisfação já está sendo percebida por todos na cidade. Os gritos, que antes não eram ouvidos pela população, hoje já são ouvidos em alto e bom som em toda esquina.

Ninguém entende porque em Aldeias Altas, São João do Sóter, Codó, Coelho Neto e Timon os agentes comunitários de saúde recebem salários entre R$ 950 e R$ 1.050 reais e em Caxias, os mesmos profissionais, somente R$ 709,00.

Nessas cidades, o governo federal envia os recursos para pagamentos desses agentes exatamente na mesma proporção, ou seja, R$ 950 reais por cada profissional contratado.

Aquelas cidades que pagam mais do que o recurso enviado pelo governo federal, fazem isso como uma contrapartida do município.

Pelo visto, o pagamento antecipado não cola mais. Todos querem salário justo. Caso fizesse uma pesquisa com todos os servidores do município perguntando-lhes se gostariam de receber seus vencimentos não mais no dia 20 e sim no dia 30, mas com um aumento de 30% em média, com certeza todos gostariam do “faz-me-rir” no dia 30.

“... qui,qui eu pago mal, mas qui, qui eu pago em dia...”, costuma dizer Humberto Coutinho para todos que questionam sua política salarial.

“Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos por todo tempo.” Abraham Lincoln


Inscrições do concurso em Caxias rendem mais de R$ 750 mil reais para Sousândrade

21.6.13
Não é nada difícil a vida de empresas que organizam concurso público no Brasil. Mesmo quando é uma fundação que organiza, o valor cobrado das taxas de inscrição é sempre parecido.

Responsável por organizar as provas e aplicá-las, a seriedade de quem faz isso, seja empresa ou fundação, deve ser a mais alta possível.

Em Caxias, a Fundação Sousândrade vai aplicar as provas de um concurso que será realizado no domingo, dia 23.

Somente com as inscrições, cujo valor é repassado para quem organiza a prova, essa Fundação já embolsou R$ 761.225,00 (setecentos e sessenta e um mil, duzentos e vinte e cinco reais).

O concurso teve um total de 10.364 inscritos, sendo 9.569 concorrendo para o cargo de professor e 795 para secretário escolar.

A Fundação Sousândrade foi acusada pelo vereador Catulé de, em concurso anterior que fez em nossa cidade, ter oferecido ao então prefeito Humberto Coutinho que indicasse as vagas que quisesse.

Catulé foi mais longe e insinuou que a vereadora Tays Coutinho, sobrinha do ex-prefeito, teria sido aprovada no referido concurso realizado em 2006 nessa “cota” oferecida ao tio.

Diante das denúncias gravíssimas feitas pelo vereador, nem a Fundação Sousândrade, nem a Prefeitura de Caxias, e muito menos o ex-prefeito deram alguma satisfação à sociedade sobre o assunto.

Apenas o prefeito Léo Coutinho, num comentário feito na sua página no facebook, disse que as denúncias sobre suspeitas de fraude no concurso “era coisa de vereadores irresponsáveis”.

Se existem suspeitas sobre a aprovação da sobrinha do ex-prefeito Humberto Coutinho no concurso realizado pela Fundação Sousândrade em 2006, este ano essa possibilidade é inexistente.

É que a sobrinha de HC passou no concurso suspeito para vaga de enfermeira, onde os salários são bons e, dependendo das gratificações e plantões disponíveis, podem ser bastante elevados.

Já no de professor, os salários são baixíssimos e fazem dos profissionais da educação em nosso município os mais mal pagos da região dos cocais.

E de salário miserável, ninguém das famílias Barroso e Coutinho precisa.

A mais bela é caxiense!

Finalmente uma boa notícia. Uma caxiense foi eleita a mais bela do Maranhão.

Ingrid Gonçalves, nossa representante no concurso Miss Maranhão obteve o maior número de votos dos jurados.

Dona de uma beleza estonteante, Ingrid é uma “caxiense da gema”. Pai e mãe são filhos de Caxias.

No meio de tanta notícia desagradável em nossa cidade, pelo menos uma para nos dar orgulho.

Depois de faturar o título de miss Caxias ano passado e agora o miss Maranhão, Ingrid irá disputar o miss Brasil.

Ingrid não tem ponto forte na sua beleza. Não é por uma perna bonita, um cabelo bonito, olho bonito ou qualquer outro atributo em especial. É bonita por inteiro.

Com 1,80m de altura e uma beleza que se estende da ponta do pé até todos os fios do seu cabelo, a caxiense não terá nenhum empecilho para ser uma forte concorrente ao concurso nacional de beleza.

Deve apenas investir em conhecimentos gerais e outros requisitos básicos que uma miss Brasil deve ter, pois se depender de beleza e brilho, nossa representante tem de sobra.

Parabéns, Ingrid! Agora, o céu é o limite.

O blog no olho do furacão

20.6.13
Fiz questão de registrar meu encontro
com um dos estudantes do movimento
Compromissos familiares me trouxeram hoje, 20, ao olho do furacão. Assisti ao vivo a chegada de milhares de estudantes e demais manifestantes na Avenida Paulista, principal artéria empresarial do Estado de São Paulo e também da América latina.

Antes da chegada a São Paulo meu vôo fez conexão em Brasília. Aproveitei as 3 horas disponíveis e fui até a Esplanada nos Ministérios, juntamente com minha filha, tentar entender o movimento de mudanças que estão varrendo o Brasil.

Equipe de TV prepara equipamento
Como era muito cedo, só consegui ver resquícios do que havia acontecido ali na terça-feira, 18.

Assisti a chegada dos manifestantes
na Avenida Paullista, neste dia 20
Muitos funcionários ainda lavavam as paredes do Congresso e demais prédios públicos daquela área que foram pinchados durante os protestos.

Num banco em frente ao Palácio do Planalto apenas uma mulher, aparentemente sem nenhuma conexão com os movimentos, estava acabando de acordar.

Vários repórteres de emissoras de TV já estavam fazendo as primeiras chamadas para os telejornais da capital.

Policiais militares também já estavam chegando e se colocando em posições estratégicas na espera de mais manifestações no decorrer do dia.

Ao chegar em São Paulo, no táxi, nas ruas, no restaurante e em todos os lugares só se fala nas manifestações.

No final da tarde fui com minha passear em um shooping próximo a Avenida Paulista.

Quando estávamos saindo, por volta das 18:30hs, a segurança havia fechado algumas saídas temendo a ação dos manifestantes.

Quando consegui sair do shooping, meu faro de repórter não me deixou perder um momento histórico do Brasil.

Ali, bem na minha frente, o maior protesto popular do Brasil desde o movimento dos caras pintadas que derrubou o então presidente Collor em 1992.

Confesso que fiquei com medo de chegar perto da multidão, pois temia pela segurança da minha filha que andava comigo.

Mas qual não foi minha surpresa quando constatei que a quase totalidade dos manifestantes que estavam ali eram jovens estudantes que gritavam palavras de ordem clamando por justiça e igualdade social.

Vi um movimento pacifico, com estudantes, namorados e namoradas de mãos dadas, pais, mães e avôs e avós acompanhavam seu filhos e netos querendo garantir para as novas gerações uma sociedade justa que os mesmos não tiveram.

Pelo que vi, 99% do movimento de São Paulo é feito por pessoas ordeiras e pacificas.

Uma pena que em todo movimento, por mais nobre que seja, sempre tem aqueles que querem tirar proveito político ou mesmo fazer badernas, como temos visto em várias cidades Brasil afora.

Que o jovem estudante caxiense, Caio Motta, consigo organizar um movimento digno e com reivindicações justas e coerentes na próxima segunda-feira, 24.