Chance em dobro!!! Sabiá dá Sorte com chances extras e R$ 15 mil reais no prêmio principal

27.5.17
A edição deste domingo do Sabiá dá Sorte tem prêmio extra para quem faltar uma bola em qualquer prêmio também ganha.

Agora são 6 chances para fazer a sua alegria.

Por apenas R$ 6,00 (seis reais) na aquisição do seu termo de doação, você pode ganhar prêmios de até R$ 10 mil reais.

E a edição deste domingo continua surpreendendo. Quem faltar 1 (uma) bola em qualquer prêmio também GANHA!

Isso mesmo: faltou somente 1 bola, você também ganha o prêmio.

Confira a premiação completa:

1º PRÊMIO: 01 poupança de R$ 1.000,00 + outro prêmio de R$ 1.000,00 para quem faltar uma boa.

2º PRÊMIO: 01 poupança de R$2.000,00 + outro prêmio de R$ 1.000,00 para quem faltar uma bola.

3º PRÊMIO: 01 super poupança de R$ 15 mil reais + outra poupança de R$ 1.000,00 para quem faltar uma bola.

Isso mesmo! No terceiro prêmio, além do prêmio de R$ 15 mil reais você ainda ganha outro de R$ 1.000,00.

Ao adquirir sua cartela do Sabiá dá Sorte, você estará ajudando o projeto da escolinha de base do Sabiá Futebol Clube, onde mais de 400 crianças são assistidas regularmente.

Na aquisição do seu termo de doação, 50% do valor retorna como brinde na compra do seu gás de cozinha.

E atenção!

O sorteio será transmitido ao vivo pela TV Sinal Verde canal 11, Rádio Sinal Verde (103,3)  a partir das 9h e por rádios nas cidades de São João do Sóter (Esperança FM), Codó (FC FM), Coelho Neto (Cidade Livre FM e Rádio a Cabo Vitrine), Aldeias Altas (Ômega FM), Parnarama (Cidade 10 FM) e Afonso Cunha (93,5).

Não fique de fora!

Vereador Catulé e presidente da OAB caxiense esclarecem episódio ocorrido na UEMA durante evento que seria debatido a criação de universidade regional

26.5.17
O presidente da Câmara Municipal de Caxias, vereador Catulé, e o presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil em Caxias, Agostinho Neto, ambos convidados para evento realizado na noite desta quinta-feira, 25, no auditório do Cesc/Uema, em que seria debatido a criação de uma universidade regional Caxias, a UEMA Leste, que na verdade consistia em transformar o polo caxiense da UEMA numa instituição superior independente, o que significaria mais recursos e uma grande conquista para Caxias e região, mas que acabou sendo prejudicado pela ação de pessoas sem capacidade para o debate.

Nas notas de esclarecimento feitas por Catulé e Agostinho Neto, ambos apresentam suas versões dos fatos ocorridos.

Ainda hoje faço uma análise do episódio e coloco a mensalada em crise de abstinência em seus devidos lugares.

Os esclarecimentos seguem abaixo:

NOTA DE ESCLARECIMENTO  (Vereador Catulé)

Ontem (25) eu, representando o Legislativo Municipal, fui convidado a contribuir na discussão pela criação da UEMA Leste em fórum realizado no auditório do CESC/UEMA. Convite este estendido também aos poderes Executivo e Judiciário. A professora Jordânia Maria, como deixou claro em seu posicionamento, se incomodou com minha presença, ou melhor dizendo, da classe política, ao ponto de me acusar de ter a ofendido usando o termo “moleca”. O que não ocorreu! Trago a verdade dos fatos. Fiz questão de degravar todo o meu discurso (também compartilho áudio) para que vocês tirem suas próprias conclusões:

Convite

Os professores desse centro educacional têm um sonho antigo. Se discute a criação dessa universidade há anos nessa cidade. E quando eu recebi o convite para vir para cá eu fiquei animado, pois a forma como está sendo conduzida foi diferente da forma que se iniciou lá em Imperatriz.

Uema Sul

O governador Flávio Dino achou por bem criar a Universidade Sul, e criou! A Assembleia Legislativa fez um “muxoxozinho”, adiou por duas vezes a votação, que é obrigado a se votar a lei de criação. Mas votou, e foi criado. E eu acho que o governador, quando toma essa atitude, sabe o que está fazendo. Tem que ter responsabilidade. A criação de uma universidade dessa tem que ser bastante estudada, tem que ter um orçamento próprio. Tudo isso já foi discutido aqui. Então, eu creio que o governador não é irresponsável para, da noite para o dia, dizer: vamos criar a Universidade Sul, a Universidade Leste, sem condições de colocá-las para funcionar. Eu respeito as manifestações de quem é contra ou de quem é a favor. Mas eu nunca vi nenhuma instituição nascer, começar, sem problemas. São naturais os problemas.

Curso de Medicina

Dou como exemplo aqui a criação da faculdade de Medicina de Caxias. Todos os reitores que passaram naquela época foram contra. Muito deles, porque se completava com o dinheiro da UEMA. A prova é que eles se elegeram para deputados. E um deles é notícia a toda hora a nível nacional, para manchar mais ainda o nosso estado do Maranhão. Qual é a universidade que hoje não passa por problema? Uma das maiores universidades da América Latina, que é a Uspi, quase fecha as suas portas. A universidade estadual fluminense, da mesma forma. Mas se nós formos criar uma universidade, estivermos pensando nisso, nós não vamos para frente, não vamos coisa nenhuma. Nenhum reitor queria o curso de Medicina. Foram problemas para chegar onde estamos hoje. O curso de Medicina que eles não acreditavam hoje está no ranking como um dos melhores do país.

São contra só porque são contra?!

Por que o sul pode criar uma universidade e o leste não pode? Respeito vocês estudantes, mas não respeito quem tem consciência tranquila e segue orientação de bandidos mascarados. E dou como exemplo, esse reitor que nunca veio aqui, criar uma tal de UEMA Itinerante para insuflar e para comprar irresponsáveis e inconsequentes. Mal maranhense que é contra um projeto desse. Estou acostumado a enfrentar descarados e inconsequentes. Eu não vi aqui, os que são contra, dizer que são contra porque a universidade não vai ser instalada em Codó, em Timon ou em Coelho Neto. São contra só porque são contra?! Eu acho que quando somos contra, temos que justificar o porquê. Eu creio que o que nos falta é ação política. E por isso que foi criada a e Imperatriz. É um direito de vocês serem contra, é um direito de vocês vaiarem. Até porque vocês não são dessa região e acham que aqui não merece toda essa estrutura.

Exemplo dos palestrantes

Ouvi o professor Expedito, com maestria, mostrar e dá exemplo, como deu também a mestra da universidade do Vale do Cariri. Ela não nasceu da noite para o dia. E posso dizer para vocês, que sem uma ação política forte, esse sonho não se realiza. Mas eu aconselho a vocês, que façamos uma audiência pública, já que isso não vai parar. Nós precisamos descentralizar.

Encerramento

Eu não sei como é que uma diretora de centro com ficha da pior qualidade pode comandar movimentos como esse. Como é que uma professora sai para não ouvir opiniões contrárias. Nós temos que ouvir as diferenças. Para encerrar, nós precisamos de vontade política. Pois foi aqui que o governador Zé Reinaldo, depois de pressão, criou as faculdades de Medicina e Enfermagem. Com pressão da classe política e estudantes. Parabéns para vocês! Muito obrigado!

ESCLARECIMENTOS SOBRE O FÓRUM DA CRIAÇÃO DA UEMA DO LESTE. Por Agostinho Neto, presidente da OAB/Caxias

Deveria ter sido um debate, e por ser na Universidade e sobre universidade deveria ser de alto nível intelectual e racional. Não foi isso que aconteceu, infelizmente acadêmicos de Codó, Coelho Neto e Timon se comportaram como torcida organizada, insultando, xingando e vaiando todas as autoridades convidadas que se posicionaram a favor da criação da Universidade do Leste. Entre esses alunos estavam também professores desses Centros. Lamentável e vergonhoso a falta de compostura e de comportamento condizente para um debate.

Interesses políticos corporativistas de grupos de dentro da UEMA, bairrismo do tipo "se Timon não vai ser a sede da Universidade do Leste é preferível continuar a ser periférico da UEMA de São Luís" foram argumentos que se travestiram de UEMA forte é unida. É aceitável a crítica de que não convidaram previamente os Centros de Timon, Codó e Coelho Neto para discutir a ideia da criação da Universidade regional do Leste, porém fazer disso um campo de batalha é inaceitável.

As indagações sobre a viabilidade dessa proposta é saber se vai reduzir os entraves burocráticos dos processos decisórios, se vai possibilitar a ampliação do en sino superior público, s e vai ampliar as verbas para o ensino, a extensão e pesquisa universitária, por fim indagar se a criação da Universidade regional do Leste é melhor para a Educação e para o desenvolvimento do Maranhão e para a Região do Leste. Esse é o debate que tem que ser feito.

A UEMA é patrimônio público, é uma ignorância educacional, política e institucional dizer que esse debate só deve ser feito pela comunidade universitária, como foi dito por uma professora. Ao contrário, a UEMA precisa dialogar e interagir com a sociedade e as demais organizações sociais.

Não entendo a proposta da Universidade regional do Leste como divisão ou enfraquecimento da UEMA, mas como descentralização do poder decisório e da gestão do Ensino Superior Estadual, que tornará mais ágil, com mais eficiência e voltada para dar respostas aos problemas da realidade regional.

SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA

Não ouvi, ou melhor, não foi possível ouvir em determinados momentos, o Vereador Catulé em seu discurso ofender professores, porém pelo fato dele ter defendido enfaticamente a criação da Universidade regional do Leste foi vaiado e insultado, assim como todos os que se manifestaram a favor. Não sei se pela defesa entusiástica da proposta da Universidade regional do Leste e por fatos do passado ouve a reação forte contra a sua pessoa.

Protestos prejudicam fórum sobre criação da Uemaleste

O que era pra ser um diálogo pacífico sobre a importância da regionalização da educação superior acabou em atos de protesto. O fórum sobre a transformação do CESC/UEMA em universidade regional, que reuniu professores, acadêmicos e servidores dos campus de Caxias, Codó, Coelho Neto, Coroatá e Timon, além de estudantes do ensino médio e representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, aconteceu na quinta-feira (25).


O fórum foi promovido pela Comissão Pró-Regionalização do CESC/UEMA. O auditório do campus da universidade em Caxias ficou lotado e dividido entre os que eram a favor e os contra a proposta do Governo do Estado de criar na região a Uemaleste, a exemplo do que já fez em Imperatriz com a criação da Uemasul.

A programação iniciou com duas palestras sobre o tema, ministradas pela pró-reitora de Planejamento da Universidade Regional do Cariri - URCA, a professora Ana Roberta Piancó, e o vice-reitor da Uemasul, o professor Antônio Expedito Carvalho. Os palestrantes apresentaram dados sobre o sucesso da regionalização em suas instituições. Em seguida, estava previsto o pronunciamento das autoridades convidadas a compor a mesa da solenidade. O evento todo foi comprometido por gritos, apitos e palavras de ordem dos manifestantes contrários à proposta.

"Este 'movimento', instigado por agentes externos à universidade, cujos interesses são meramente politiqueiros, não se baseia em estudo ou planejamento, alegando ser sucesso em outros estados como BA, CE e PR. Total desconhecimento! Vide a recente Carta de Londrina, assinada por todos os reitores das estaduais do Paraná, que denunciam o abandono intencional da educação superior, agravada pelo enfraquecimento causado pelas divisões. O discurso de 'independência' e 'autonomia', neste contexto, é falacioso!", dizia o manifesto compartilhado no evento.

Fonte: João Lopes/Portal Noca

(Era pra segunda-feira...) Depois de sinalizar volta dos convênios na Saúde, Governo Flávio Dino fica em silêncio e Caxias continua sem contrapartida estadual

(TALVEZ NA PRÓXIMA...) Secretário Carlos Lula não retornou positivamente com a volta 
das parcerias na data marcada, mas talvez aconteça na próxima segunda-feira, 29

Na última semana,  após a visita do secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Carlos Lula, ao município, os caxienses voltaram a ter esperanças de que finalmente os convênios para manutenção da UPA e da Maternidade Carmosina Coutinho, existentes na gestão da família Coutinho, iriam voltar.

Depois que o secretário estadual, ao lado do prefeito Fábio Gentil e da secretária Socorro Melo, visitou a UPA e a Maternidade Carmosina Coutinho, onde constatou in loco que cerca de 80% das parturientes no local eram oriundas de outras cidades, pensou-se que o mesmo finalmente iria dar a tão aguardada notícia da volta dos convênios essenciais para a manutenção de um atendimento médico de qualidade na rede municipal, tão estrangulada por pacientes de fora de Caxias.

Ciente da situação, Carlos Lula ouviu do prefeito e da secretária toda a problemática existente e pediu um prazo, para “até segunda-feira” (dia 22/05) dar uma resposta de como se daria a parceria entre o governo Flávio Dino e administração Fábio Gentil.

Falou em “unir forças” (?!)

Ao ser indagado sobre a suspensão dos repasses (convênios) com o município, o secretário estadual, pelo tom das palavras, chegou a dar alguma esperança para os caxienses. “A gente sabe da dificuldade que a gente tem hoje, de recursos tanto de parte do município quanto de parte do Estado, mas a gente precisa unir forças nesse momento, declarou ele durante a visita ocorrida na última semana.

O titular do Blog apurou que até o final da tarde desta quinta-feira, 25, nenhum novo sinal havia sido emitido pelo Palácio dos Leões no sentido da volta dos convênios na área da saúde, o que volta a deixar milhares de caxienses sem esperanças de que a má vontade dos ocupantes do Palácio dos Leões para com os atuais mandatários do município tenha acabado.

Sobre a existência do Centro Oncológico de Caxias, o secretário Carlos Lula chegou a ponderar que não seria necessário criação de um setor de oncologia no hospital macro regional, uma vez que o município já possui um local pronto para atendimento dos portadores de câncer. “Se a gente já tem um centro oncológico, por que eu vou abrir um centro oncológico pro Estado pra concorrer ao lado do município? Na verdade a gente precisa é unir esforços porque com isso a gente vai conseguir a melhor eficiência nos gastos de recursos”, ponderou ele diante das câmeras da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Caxias.

Apesar da aparente negativa de que o governo Flávio Dino não iria abrir uma ala oncológica no Hospital Macro Regional Everaldo Aragão, os rumores de que isso pode acontecer a qualquer momento existe e já foi inclusive anunciado pelo vereador Mário Assunção em recente pronunciamento na Câmara Municipal, fato que deixou autoridades da cidade em estado de alerta, pois a criação desse setor de atendimento para portadores de câncer no hospital regional, jogaria por terra o esforço de anos do município para finalmente abrir o Centro de Oncologia da cidade.

O temor dos administradores locais, diante dessa aparente intromissão na saúde caxiense, que tem o status de “gestão plena”, ou seja, tem poderes para gerir 100% dos recursos da saúde no âmbito municipal, tem todo sentido, uma vez que a criação de uma ala oncológica por parte do governo do Estado, que tem o controle da Comissão Bipartite, entidade responsável pela homologação de unidades de saúde no Maranhão, iria inviabilizar um segundo centro para atendimento oncológico numa cidade com 160 mil habitantes.

Por outro lado, com a criação de uma ala oncológica no macro regional, as indicações de todos os funcionários do setor seriam exclusivamente da família Coutinho, grupo político derrotado nas urnas justamente pela péssima prestação de serviços na área, o que seria visto como uma “premiação” para aqueles que o povo rejeitou.

Enquanto isso, a Prefeitura está arcando, com recursos do FPM, a manutenção da Maternidade Carmosina Coutinho mesmo sem o convênio do governo do Estado existente na gestão passada que garantia R$ 1.350.000,00 (hum milhão e trezentos e cinquenta mil reais) todos os meses para atender parturientes de dezenas de cidades do Maranhão, e onde apenas 20% das pacientes são do município.

Na UPA, que na gestão de Léo Coutinho tinha seu quadro de funcionários todo mantido através de uma parceria com o governo do Estado, também está sendo bancado com recursos do FPM, num custo que ultrapassa os R$ 600 mil reais mensais.

Mas existe ainda fio de esperança que a tal “segunda-feira” dita como data para uma resposta do governo Flávio Dino se iria ou não ajudar Caxias não tenha sido a desta semana, que caiu no dia 22.

Vai ver foi um erro de comunicação e a data correta seja a próxima segunda-feira, dia 29.

Só resta aguardar.

Mas... até quando?!

São João do Sóter: Durante reunião no Palácio dos Leões, prefeita Josa Silva firma parcerias com o governo do Maranhão

25.5.17
A Prefeita de São João do Sóter, Josa Silva, juntamente com a vice-prefeita Lacerda, assessores do município e o vereador Carlão Soares, foram recebidos nesta quarta-feira, 24, no Palácio dos Leões, pelo governador Flávio Dino e pelo Secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Na audiência foi tratado a atuação do Governo do Estado no município e os investimentos na saúde, com a entrega de uma ambulância, a construção de uma Unidade Básica de Saúde, além da entrega de uma patrulha agrícola e o fortalecimento das ações para revitalização das estradas vicinais, bem como a inclusão do Município no programa “Mais Asfalto”.

A reunião das autoridades sotenses com o governador Flávio Dino é um marco entre as parcerias do município com o governo do Estado.

Tanto a prefeita Josa Silva, quanto as demais autoridades municipais, ressaltaram a importância das parcerias firmadas como forma de garantir o desenvolvimento da cidade.

Fonte: Ccom Sjsóter

O reflexo positivo da nova gestão de Caxias se reflete no seu portal da transparência

24.5.17
Do Blog do Caio Hostilio

Na avaliação do TCE/MA, o portal da transparência da Prefeitura de Caxias foi positivo e transcreve tudo aquilo que a população precisa saber e acompanhar as ações e as aplicabilidades dos recursos efetuadas pela nova gestão de Caxias.

Vale ressaltar que a administração pública tem sido alvo de controvérsias a respeito da transparência de seus atos e, em países democráticos, a transparência superficial – não tanto pela dotação de recursos, mas pela sua aplicabilidade – se transforma em fator altamente questionável pela sociedade, o que, em muitos casos, tornam ocultas as informações da gestão pública, comprometendo a credibilidade sobre a assertiva desses atos. E o portal da transparência da Prefeitura de Caxias oferece tudo àquilo que se espera de uma gestão pública realmente comprometida com a coletividade.


Por isso, é fundamental que cada cidadão assuma essa tarefa de participar de gestão pública e de exercer o controle social do gasto do dinheiro público.

Que o portal da transparência da Prefeitura de Caxias continue agindo de forma clara e, principalmente, levando ao povo as aplicabilidades dos recursos públicos, que são oriundos do contribuinte…

Caxias - Praça do Pantheon será palco de tradicional Festa das Mães no domingo

A tradicional Festa das Mães promovida por José Gentil, o eterno deputado das mães, acontecerá no domingo (28), a partir das 16h, na Praça do Pantheon. O evento é aberto a toda a comunidade.

A festa é marcada pela distribuição de centenas de prêmios às mães caxienses que comparecem ao local. Entre os prêmios que serão sorteados, geladeira, fogão, guarda-roupas, armário e, a grande novidade deste ano, um automóvel 0 km.

Para participar dos sorteios, a mãe deve adquirir o cupom que está sendo distribuído gratuitamente por pessoas ligadas ao realizador do evento.

Em relação ao carro, será sorteado por meio de bingo. A participante deve adquirir a cartela do sorteio, também gratuita. Quem completar primeiro a sua cartela marcando os números sorteados ganhará o prêmio.

Fonte: João Lopes/Portal Noca

Projeto “Quem Ama Abraça” é lançado em Caxias-MA

O lançamento do projeto “Quem Ama Abraça”, aconteceu no auditório do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), no Centro de Caxias, pela Secretaria Estadual da Mulher na manhã desta quarta-feira (24/05).

Compareceram ao evento representantes da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPPM) e Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia (SEMECT), como as principais secretarias envolvidas, além de representantes das polícias Civil e Militar, Conselho Tutelar e integrantes da sociedade civil organizada.

“Nós da SMPPM acreditamos que este tema da Igualdade de Gênero é de fundamental importância, com todos os setores da sociedade. Dentro da Secretaria, nós trabalhamos diretamente com essa questão da violência contra a mulher, e, para a gente entender as relações de gênero e como é que isto está se dando na sociedade. Apesar de todo trabalho que é feito, o índice de violência ainda é grande”, lembra, Suany Froz, Coordenadora da SMPPM.

A secretária Adjunta de Estado da Mulher ressalta que o projeto “Quem Ama Abraça”, visa trabalhar junto às escolas, por meio dos educadores, esclarecimentos sobre a questão de gênero, para combater de modo preventivo a violência contra meninas e mulheres. O Maranhão ocupa a 5ª posição no índice de violência no Brasil. No país, 40% das mortes são feminicídios, e, no caso de estudantes, 63% de crianças que vivem em lares violentos ou sofrem alguma violência reprovam três vezes mais que os outros colegas, ou ainda, abandonam a escola mais cedo.

“É um projeto importante para que nós possamos discutir igualdade de gênero nas escolas. Infelizmente, por conta do contexto histórico, econômico e social ao longo dos anos, nós fomos colocadas em local de segundo plano, e, com uma delimitação de espaço de colocação da mulher. Uma pesquisa deste ano do IPEA de 2017 indica que nós ainda recebemos 28% a menos que os homens, ocupando os mesmos lugares. Então a gente começa a discutir a igualdade de gênero dizendo que não existe uma padronização dizendo o que é do homem e o que é da mulher. Nós podemos tudo que nós quisermos, assim como os homens podem tudo que eles quiserem, e aí, nós precisamos desconstruir alguns desses estereótipos”, ressalta Susan Lucena, Secretária Adjunta de Estado da Mulher.

O projeto “Quem Ama Abraça”, foi criado pelo Governo Federal em 2011. Em 2013 começou a ser implantado no Brasil. No Maranhão, já está presente em 30 municípios. Na cidade de Caxias, neste primeiro momento 30 professores vão passar por capacitação dentro da temática, sendo 15 professores da rede estadual e 15 da rede municipal. Cada escola vai receber um Kit com CD e revistas em quadrinhos para trabalharem a temática da igualdade de gênero.

“É um projeto a nível estadual. Estamos priorizando municípios que têm Secretaria ou Coordenação de Políticas Públicas para as Mulheres. Fechamos o ano trabalhando com 30 municípios, mas o nosso objetivo é chegar aos 76 municípios que existem as secretarias ou coordenações para mulheres e abranger os 30 municípios com menor IDH do Estado. O objetivo é capacitar professores, para terem como trabalhar a questão de gênero e a prevenção à violência contra a mulher em sala de aula”, explica, Márcia Rodrigues, Coordenadora Estadual do projeto “Quem Ama Abraça”.

Fonte: Ascom/Caxias

“Professores da Uema esperam resposta do governo há mais de um ano”, diz Eduardo Braide…

Parlamentar cobrou em discurso na Assembleia Legislativa cumprimento do acordo firmado ainda no início de 2016

Do Blog do Marco D’Eça

Eduardo Braide cobrou de Flávio Dino cumprimento de acordo firmado com professores

O deputado Eduardo Braide usou a tribuna nesta terça-feira, 23, para cobrar o cumprimento do acordo firmado entre o Governo do Estado e os professores da Universidade Estadual do Maranhão (Uema).

Nós tivemos no fim de semana a ida do governador a Imperatriz para inaugurar algumas dependências da UemaSul e isso é muito importante: ampliar e dar melhores condições aos universitários da Uema. A parte física é fundamental, mas não adianta o tijolo sem as pessoas. E o Governo do Estado vem desrespeitando os professores da Uema há muito tempo. Eu participo dessa negociação desde a primeira conversa, junto com uma comissão de professores da Uema, representados pela Apruema, na pessoa do seu presidente prof. Ubiraci Nascimento. Já estivemos na Casa Civil e na Procuradoria Geral do Estado, e até hoje, o acordo não foi cumprido com os professores. Somente este ano, essa já é a terceira vez que eu subo a esta tribuna para tratar do descumprimento do acordo firmado pelo Governo do Estado com os professores da Uema – afirmou o deputado.

No pronunciamento, Eduardo Braide deu detalhes de como foi firmado o compromisso com os professores da Uema.

O acordo consistia em incorporar aos vencimentos por meio de um projeto de lei, a gratificação que foi dada no ano passado aos professores da ativa. E que o Governo do Estado pagasse as URVs dos professores aposentados. Direito já garantido pela Justiça. O que aconteceu? O Governo se nega a encaminhar o projeto de lei à Assembleia a fim de incorporar a gratificação dos professores nos seus vencimentos e nunca pagou um centavo da URV aos professores aposentados. Mas isso não é de espantar, uma vez que o governo mandou para cá uma Medida Provisória prevendo a recomposição salarial sobre a gratificação e não sobre os vencimentos dos professores, contrariando o Art.32 do Estatuto do Magistério – assinalou.

Eduardo Braide tratou ainda da contrariedade entre o discurso e a prática do governador.

Que o governador desrespeita os professores do Estado a gente já sabe. Agora, no caso da Uema, o governador a colocou (isso está registrado na Justiça Eleitoral) como a principal instituição estadual no seu Plano de Governo e, portanto, o que tinha que acontecer era a valorização dos seus quadros. E veja a ironia do destino. No ano em que a Uema completa 35 anos de atividades, o Governo do Estado dá de presente aos professores o descumprimento do acordo. Isso é inaceitável. Você não pode ir para televisão posar ao lado de uma sala nova com práticas velhas, em relação a valorização dos professores. Que ele honre e cumpra com aquilo que acertou com os professores – finalizou o parlamentar.

Secretário de Agricultura Familiar presta esclarecimentos sobre programas de apoio ao homem do campo

Adelmo Soares, secretário de Agricultura Familiar do MA
Em sessão especial realizada nesta terça-feira (23), o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, prestou esclarecimentos acerca de diversos programas realizados pelo Governo do Maranhão, para o apoio aos pequenos produtores da zona rural. 

Durante a sessão especial, realizada mediante solicitação do deputado Júnior Verde (PRB), o secretário Adelmo Soares explicou que a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF) foi criada pelo governador Flávio Dino para coordenar e desenvolver a política de incentivo e assistência à produção agrícola familiar.

“Esta é uma área importante e estratégica para o sucesso do plano de ações de combate às desigualdades sociais no nosso estado, um dos principais compromissos do governador Flávio Dino com a população do Maranhão”, declarou Adelmo Soares, logo no início de sua fala.

Ele frisou que a SAF, criada há dois anos e cinco meses, nasceu tendo à frente grandes desafios, como ampliar a assistência técnica rural nos municípios, principalmente aqueles com baixo Índice de desenvolvimento humano.

Adelmo Soares explicou que a Secretaria de Agricultura Familiar também agrega dois órgãos importantes na estratégia de fortalecimento da agricultura familiar no estado: o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp).

Segundo o secretário, a Agerp tem como foco realizar pesquisas de melhoria da produção e executar ações de assistência técnica aos trabalhadores rurais. Já o Iterma trata de promover o acesso dos trabalhadores à terra, executando processos de regularização fundiária.

O secretário Adelmo Soares disse que o trabalho desenvolvido ao longo destes dois anos e cinco meses é muito positivo. “Eu acho que é um momento ímpar na história do Maranhão essa transformação que vem acontecendo a partir da agricultura familiar, que é um dos principais eixos de desenvolvimento que o Maranhão precisa”, salientou. 

QUESTIONAMENTOS 

Após a explanação feita pelo secretário Adelmo Soares, o deputado Júnior Verde fez questão de frisar o objetivo do requerimento com o qual formulou a convocação do secretário, para se fazer presente na Assembleia Legislativa.

“Tomei a iniciativa de formular a convocação do secretário para que ele prestasse a esta Casa informações sobre as ações desenvolvidas pelo Governo do Maranhão, através da Secretaria de Agricultura Familiar, desde o fornecimento de assistência técnica até a entrega de kits para prefeituras e entidades”, afirmou Júnior Verde.

Ele acrescentou que seu requerimento foi feito também para o secretário prestar esclarecimentos sobre o processo de seleção das prefeituras e entidades a serem contempladas pelos projetos.

“Julguei importante essa sessão especial, que é muito oportuna diante dos relatos de promoção pessoal por parte do senhor secretário na condução dos projetos desta Secretaria, bem como a entrega de ambulância ao município de Duque Bacelar oriunda de emenda de nossa autoria”, argumentou Júnior Verde.

Outros deputados, presentes à sessão especial, também fizeram questionamentos, e o secretário Adelmo Soares apresentou respostas às indagações que lhe foram feitas, fornecendo relatos sobre a execução de programas como o Mais IDH, Mais Comercialização, Mais Feiras, Projeto Dom Hélder e programas de regularização fundiária e de concessão de crédito para o pequeno produtor. (Da Agência Assembleia)