(Conforme previsto...) Ventos da política sopram no leste e começa a dança das cadeiras nos órgão estaduais em Caxias

16.12.21

A tão esperada e previsível dança das cadeiras nos órgãos públicos do governo do Estado em Caxias começou. A primeira onda atingiu a esposa do jornalista Ricardo Marques (Iraneide Marques, diretora do Procon) e a sua cunhada, Fabiana Alencar, que era chefe do Viva Cidadão na cidade e esposa do ex-vereador Ironaldo Alencar. Iraneide foi exonerada, e Fabiana, em solidariedade a cunhada, pediu seu desligamento da função.

Mesmo diante do que já era lógico acontecer, conforme tratado em postagem do blog publicada no último dia 10 (reveja aqui), em que abordei o fato dos agentes políticos que comandam os órgãos públicos estaduais sediados em Caxias não darem sinais de que iriam desapegar dos cargos ocupados por indicação política, uma vez que essa turma já declarou não seguir a indicação política de Flávio Dino, esperava-se, desde os primeiros sinais emitidos pelo governador, que todos abrissem mão desses cargos.   

Ironaldo Alencar é hoje um dos principais apoiadores da pré-candidatura do senador Weverton Rocha ao governo do Estado em 2022. Devido a essa exposição política que ocupa em Caxias, logo a blogosfera alinhada a família Coutinho, e consequentemente simpática a Ironaldo, explorou o assunto como “perseguição de Flávio Dino”.

Mas para quem entende os meandros da política, as mudanças nos cargos públicos em Caxias demoraram a acontecer. Aliás, já estava passando da hora devido a virulência que muitos tratam o governador Flávio Dino.

O esposo da ex-diretora do Procon em Caxias, jornalista Ricardo Marques, faz parte hoje do time de profissionais de comunicação que comanda a pré-candidatura do senador Werverton Rocha ao governo do Maranhão. Morando em São Luís desde o início do ano, é da capital que Marques desfere duras críticas as ações do governo Flávio Dino/Carlos Brandão e enaltece qualquer ato que tenha Weverton Rocha como protagonista, numa reprise do que fazia quando trabalhava para Paulo Marinho na princesa do sertão e depois para o indefensável ex-prefeito Léo Coutinho.  

Até o recente aumento concedido aos policiais militares do Maranhão foi alvo de duras críticas do jornalista Ricardo Marques em suas redes sociais, sendo este o provável estopim para a demissão da sua esposa do cargo ocupado por indicação política no município de Caxias.

Talvez por ser experiente nos meandros da política, e mesmo incensado por amigos que não entendem patavina dessa arte, Ironaldo Alencar não entrou no jogo dos discursos sem lógica de perseguição ou vingança e adotou o silêncio diante da previsível demissão da irmã.

Para aqueles que não sabem jogar esse jogo, favor passar no RH e entregar logo o crachá, pois não é todo mundo que suporta o constrangimento de ser barrado na portaria numa segunda-feira qualquer na também previsível segunda onda de dança das cadeiras nos órgãos estaduais em Caxias.

Isso é a política, como tem sido desde sempre.

Deveriam ter aprendido com o ex-prefeito de Timon, Luciano Leitoa, que farejando a demissão dos aliados nos cargos do governo do Estado naquele município, antecipou-se e evitou passar qualquer tipo de constrangimento.

A condução do que restou do grupo Coutinho em Caxias padece da orientação de um grande líder, pois aqueles que tentam liderar essa turma parece estarem mais perdidos do que cachorro em caminhão de mudança.

Deveriam levar na esportiva e tocar o barco adiante.

Ano que vem tem eleição. Já podem até voltar a sonhar com suas tão cobiçadas “boquinhas”...

1 comentários:

  1. PADUA disse...:

    Apostem suas fichas o jogo começou kkkkkk

Postar um comentário