(Quando a vida imita a arte) Em Caxias, ‘morre’ um cemitério e ‘nasce’ um posto de combustível

20.1.22

Mesmo inaugurado, cemitério morre e nasce um posto de combustíveis no local, numa
reviravolta digna da obra de Dias Gomes 

O ditado popular “se a vida te der limões, faça uma limonada” foi levado a um nível altíssimo em Caxias.

Com a proliferação de postos de combustíveis abertos recentemente na cidade, tem um que tem chamado a atenção pelo inusitado local que está sendo edificado.

Trata-se da obra onde antes era o “Jardim Nova Vida”, um cemitério localizado no bairro Itapecuruzinho, bem em frente ao ‘concorrente’ cemitério da Olaria e que está dando lugar a outra atividade comercial, um impressionante posto de combustível.

Para quem não lembra, o cemitério Jardim Nova Vida seguia o padrão dos grandes empreendimentos desse segmento, com capela, área arborizada e consequente comercialização dos jazigos.

O ano de lançamento do negócio foi 1998, mas após alguns meses, e como as vendas não deslanchavam, eis que surge a ideia de se fazer uma ‘inauguração’ do empreendimento. Mas como inaugurar um cemitério? Logicamente com um defunto.

Rapidamente a equipe de vendas abandona a comercialização e passa a fazer plantão nos hospitais em busca do candidato para o ato inaugural.

Após 5 dias, numa saga que lembrava o personagem Odorico Paraguaçu, da inesquecível novela O Bem Amado, que passou toda a sua administração tentando inaugurar o cemitério de Sucupira, eis que surge uma humilde família sem condições financeiras para o funeral e que topa inaugurar o cemitério desde que não tivessem que desembolsar um único centavo.

Negócio fechado, os familiares e conhecidos se dirigem para inaugurar o Jardim Nova Vida num funeral onde não faltou nem a tradicional cachaça para os amigos do saudoso defunto.

Após a inauguração, outros 2 indigentes foram sepultados no outrora promissor primeiro cemitério particular de Caxias, mas que no ano seguinte encerrou as atividades, uma vez que o empreendimento não vingou.

Apesar de não ter ido adiante, passaram-se mais de 20 anos com o terreno do cemitério sem nenhuma utilidade, haja vista que lá repousam os restos mortais de 3 almas bondosas e ninguém iria construir ali uma residência, uma loja ou mesmo um supermercado, pois é senso comum a inviolabilidade de tal área.

Nada disso.

Talvez apostando no esquecimento de autoridades, e da sociedade, o falido cemitério está dando lugar a um vistoso posto de combustíveis.

De propriedade de empresários de Teresina, o titular do Blog não conseguiu contato com os proprietários para saber o destino dos restos mortais daqueles que ali esperavam repousar eternamente.

Caso não tenha sido feita a remoção dos cadáveres, o que é difícil acreditar, espera-se muita reza para que essas almas não venham a trazer má sorte para o empreendimento.

Aleluia!!!

0 comentários:

Postar um comentário