Vereador Daniel Barros invade UPA e expõe a miséria política que oposição caxiense se transformou

3.5.21

Na falta do cômico Repórter Puliça na Câmara, Daniel Barros assume papel e usa 

até colete para caracterizar seu personagem


Não poderia ser mais deprimente a forma como o legado oposicionista de Caxias, uma cidade com forte tradição política está sendo conduzido pelo que restou dos atores que ora ensaiam um lugar de destaque no panteão da história do município.

Na noite do último domingo, 02, no afã de conseguir protagonizar mais um espetáculo midiático, o vereador oposicionista Daniel Barros (PDT), simplesmente invadiu a Unidade de Pronto Atendimento do município tentando encontrar o caos ou pelo menos algum paciente que amparasse as denúncias que fazia numa live transmitida pelo aplicativo instagram.

Durante cerca de 20 minutos, com sua impostação de voz característica, Barros apresentou-se como ‘fiscal do povo’ e que estava no local por conta de ‘denúncias’ recebidas.

Percorrendo várias alas do centro de saúde, o pedetista questionava os pacientes se os mesmos já tinham sido atendidos, no que todos responderam que sim. Não satisfeito, dirigiu-se a sala do médico plantonista e lhe indagou sobre um suposto atraso de salários, no que foi negado pelo profissional.

Sem conseguir declarações de atraso de salários da equipe da UPA e sem um depoimento dos pacientes que corroborasse sua narrativa de descaso, Daniel Barros encontrou apenas declarações de alguns pacientes de que o lençol que usavam havia sido trazido de casa, no que fez lembrar o patético episódio ocorrido em 2018, quando a então vereadora Thais Coutinho, com Tevi e Edilson Martins a tiracolo, invadiu a Maternidade Carmosina Coutinho para apurar uma suposta falta de lençol (reveja aqui) no que se tornou mais uma marca da patética passagem da vereadora pelo parlamento caxiense.

Ao arvorar-se no direito de adentrar qualquer unidade de saúde por conta de ser um fiscal do povo, Daniel Barros pratica na verdade um desserviço contra os enfermos que lá se encontravam. Como todos os pacientes presentes na UPA no momento da ação do parlamentar estavam devidamente medicados, o máximo que o parlamentar conseguiu no seu ato tresloucado foi levar medo e pânico aos mesmos, pois ao falar em voz alta que sua ‘fiscalização’ era para averiguar irregularidades, nada mais previsível que aquelas pessoas, já fragilizadas por uma enfermidade, ficassem aflitas por medo de uma hipotética falta de medicamentos ou mesmo de profissionais para atendê-los a contento.

A Câmara Municipal de Caxias possui uma Comissão de Saúde constituída para averiguar denúncias no setor e que deve ser acionada para apurar a conduta inapropriada de um dos seus membros.

No início do mandato, Daniel Barros fez uma publicação nas suas redes sociais sobre a responsabilidade de ocupar a mesma cadeira que já havia sido ocupada por Humberto Coutinho: “Daniel Barros hoje senta na cadeira que já foi do Dr. Humberto Coutinho...”, dizia a publicação feita em 08 de fevereiro de 2021.

A comparação com Humberto Coutinho não deve ter deixado os correligionários do saudoso deputado muito satisfeitos...

1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Vergonha em 2014 no CQC da Band, vergonha agora em 2021 de novo...

    Não aprende mesmo...

    kkkk


Postar um comentário