“Por mim e pelo grupo, defendam o Léo, ajudem o Léo”!!! Impopularidade do prefeito de Caxias faz Humberto Coutinho puxar orelha de correligionários

27.6.15
A cada pesquisa de opinião feita em Caxias pelo grupo Coutinho, junto com a entrega do levantamento pelo instituto contratado vem um copo d’água e um calmante para o deputado Humberto Coutinho. Motivo: a impopularidade do sobrinho só aumenta.

Deputado Humberto Coutinho parece um disco 
arranhado: “ajudem o Léo, defendam o Léo”
Pensou-se que com o início do programa de asfaltamento de ruas na cidade os índices iriam começar a apresentar um aumento na aprovação do prefeito, mas isso não acontece.

Conversei na manhã de ontem com uma figura de proa do grupo Coutinho. Ouvi dele que o clima no grupo é de tensão diante da falta de reação do nome de LC em diversas sondagens feitas nos últimos meses.

Essa mesma fonte garante que entre os familiares do prefeito, a tristeza e a decepção diante da performance do jovem gestor é grande.

O asfaltamento de ruas em Caxias sempre foi a salvação de todo prefeito mal avaliado.

Em 2004, meses antes do pleito que elegeu Humberto Coutinho prefeito, em conversa com este blogueiro, o então pré-candiato confidenciou-me que, embora estivesse mais bem avaliado que Márcia Marinho nas pesquisas (eram mais de 10% em todos os cenários), tinha receio de entrar na disputa, “pois quando ela começar a asfaltar os bairros, os números irão mudar”, disse-me ele recebendo de mim a impressão que o quadro não mudaria até a eleição, como de fato não mudou e HC foi eleito mesmo com um grande programa de asfaltamento feita na época.

Tal qual como a prefeita de 2004, o ocupante da mesma cadeira em 2015 se vê nas mesmas condições.

Por mais asfalto, por mais obras e por mais apoio do popular governo Flávio Dino que Léo Coutinho receba, sua popularidade continua no chão.

E é contra essa rejeição que Humberto Coutinho faz constantes apelos aos correligionários do baixo clero, aqueles que estão na raia miúda da política caxiense.

Nas reuniões feitas na Casa de Saúde, que eram de 2 em 2 meses, os encontros com os aliados tem ocorrido pelo menos a cada 15 dias.

São reuniões quinzenais com todo o grupo, mas individualmente elas também acontecem sempre com o mesmo apelo do deputado: “ajudem o Léo”.

Na última reunião realizada, quando o presidente da Assembleia Legislativa insistia para os correligionários se empenharem em ajudar o sobrinho diante da impopularidade do mesmo, eis que uma aliada da zona rural pediu a palavra e colocou os “pingos no is”. “Alto lá, deputado!”, disse a liderança do povoado Nazaré do Bruno. “O prefeito Léo Coutinho é blindado, ninguém fala com ele”, continuou a aliada. “Como podemos ajudar ele se nem ao menos conseguimos levar nossos pleitos ao seu conhecimento?”, questionou.

A situação do sobrinho tem tirado o sono de Humberto Coutinho.

Pelo jeito, o plano “B” para 2016, que consiste em indicar um aliado para concorrer pelo grupo, mesmo tendo que engolir o orgulho, desenha-se como a única saída para Humberto Coutinho.

É isso ou a derrota certa.

5 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    BLOGUEIRO, em muitas dessas reportagens vc tem feito muitos mais do quê os ditos intelectuais da cidade até os dias de hoje, sendo eles oriundos das academias publicas ou privadas, clerigos de todas as denominações desta cidade, políticos de plantão e etc... . Sua sorte jornalística tem levado seu nome aos caminhos da história da imprensa digital local.
    Bem o que lhe disse não é mimo e muito menos endeusamento mas sim amigo seu detalhe político AJUDEM O LÉO, e o POVO DE CAXIAS QUE DEVEM SER OS 1º. interessados a serem ajudados? Ora demorará muito aos caxienses entenderem que seus interesses diretos estão sendo varridos para debaixo do tapete em detrimento dos interesses pessoais e da sobrevivência do "grupo ou grupos" políticos que aqui neste solo se instalaram? Os caxienses devem rever seus conceitos eleitorais param terem seus direitos de cidadãos respeitados .

  1. Anônimo disse...:

    Agora chegou a vez do HC pedi ajuda ao valentão Ferdinando Coutinho , o companheiro da Thais Coutinho, ao Berilo e Josvalda,

  1. Anônimo disse...:

    Inclusive o direito de que as casas do programa Minha Casa, Minha vida sejam realmente para as pessoas que não tem casa. Pasmem como eu. Ao ler a lista dos contemplados a senhora Neuzelina Compasso da Silva, na categoria idosa. Conheço esta senhora, funcionária da Secretaria de Educação do Municipio´de Caxias, trabalha no Recursos Humanos, tem um salário superior a R$ 3.000,00 (tres Mil reais) mensal. Tem residencia fixa e própria, há mais de 10 anos na cohab. CadÊ o MP? é preciso atitude.

  1. Anônimo disse...:

    PAPO RETO: ERMÍNIA MARICATO

    “Há uma excepcional busca, especialmente da parte dos jovens, por debates, leituras e eventos que possam trazer alguma luz aos surpreendentes tempo que vivemos no Brasil. Ao mesmo tempo há um vazio que os partidos de esquerda (ou assim conhecidos) não estão conseguindo ocupar seja porque a institucionalização engoliu a maior parte deles, seja porque há uma rejeição ao discurso raivoso que culpa, mais do que critica, a própria esquerda pelo avanço do conservadorismo.

    Ao lado da tragédia que se constata na conjuntura com a) a maioria dos deputados do Congresso que tenta nos arrastar para tempos obscuros e b) a implementação de um ajuste fiscal sob hegemonia dos capitais financeiros e c) a manutenção de um judiciário que continua conservador como sempre foi, insisto que há uma miríade de novos movimentos que são inovadores e criativos na forma de agir. Definitivamente há um vasto campo na sociedade clamando por formação política. Pior cego é o que não quer ver. Eu particularmente gostei demais do que Ferréz falou no Seminário Cidades Rebeldes (acompanhei pela internet). É isso aí, papo reto. Os intelectuais precisam reaprender a falar com o povo e a ouvi-lo, afinal essa é a terra de Paulo Freire.”

    Leia o texto completo de Ermínia Maricato, o vídeo com a participação de Ferréz, e a avaliação de outros debatedores do Seminário: http://bit.ly/PAPORETO

  1. Anônimo disse...:

    meu amigo com certeza nós iremos rever nossos conceitos, aqui mesmo no bairro no ano que vem nós decidimos vamos ajudar caxias a tirar esse tiranos do poder da nossa cidade. agora uma coisa é certa votaremos em branco se não aparecer um nome que agente saiba que não tenha o vicio no sangue de desviar recursos publicos e que vise só o interesse dela e da familia dele como o grupo que ai se encontra votaremos nulo. e viva o teso duro um bairro de povo de boa memoria.

Postar um comentário