Governistas chiaram!!! Cobrança de taxa ilegal no Balneário Veneza provoca revolta na base aliada de Léo Coutinho

15.10.15
Bolso estufado / No horário de pico no Balneário Veneza, na última segunda-feira, 12, 
eram 62 ônibus no estacionamento, o que rendeu ao administrador do 
local a quantia de R$ 7.440,00.

É cada vez mais difícil para o prefeito Léo Coutinho fazer bem feito alguma ação no seu governo. Nesta segunda-feira, dia 12, quando da comemoração do Dia das Crianças, a cobrança de uma taxa de R$ 120 reais para cada ônibus com turistas que adentrasse no Balneário Veneza, provocou a revolta daqueles que tiveram que pagar, bem como até de vereadores da base do governo Léo Coutinho.

A cobrança da referida taxa foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais dos internautas caxienses desde a segunda-feira.

A medida é um tiro no pé da atual administração, pois, pegos de surpresa, os organizadores das caravanas de visitantes oriundos de Teresina, irão pensar duas vezes antes de voltar a Caxias.

O vereador Mário Assunção, líder do governo Léo Coutinho na Câmara, protestou contra o absurdo da cobrança da referida taxa e também da forma como a mesma foi feita, haja vista que não existe nenhuma lei criada pela Câmara que autorizasse a cobrança daquele tributo na entrada do Balneário. “Já perguntei na Secretaria da Câmara se algum dia já teria dado entrada aqui um Projeto de Lei que criasse uma taxa de entrada de ônibus na Veneza e fui informado que não”, disse Mário Assunção em discurso na tribuna.

Bolso estufado - Com dados técnicos na ponta língua, o líder do governo forneceu informações importantes sobre taxas e tributos municipais. “Para que seja cobrada qualquer taxa ou tributo da Prefeitura de qualquer cidade do Brasil, deve ser feita uma DATM, que é o Documento de Arrecadação de Tributos Municipais, onde a pessoa pega esse documento, vai numa casa lotérica ou num banco e paga, pois todos os recursos oriundos de taxas e tributos deve ir para uma conta única da Prefeitura, e lá [na Veneza] estavam cobrando essa taxa em dinheiro vivo e eu vi várias fotos, onde essas pessoas estavam com os bolsos estufados com tanto dinheiro arrecadado desses ônibus”, denunciou Assunção explicando que aquilo “era improbidade administrativa e uma falta de respeito com a população de Caxias, assim como um desrespeito com os barraqueiros que trabalham no local”.

E o líder do governo foi além nas suas denúncias. “Isso é um acinte a esta Casa, pois estão criando uma taxa sem passar pela aprovação dos representantes do povo”, protestou veementemente o parlamentar dizendo que já encaminhou oficio às secretarias de Fazenda, de Cultura e Turismo e de Urbanismo, “porque, infelizmente, a gente não sabe a quem o Balneário Veneza é ligado, para que enviasse a esta Casa a prestação de contas da cobrança dessa taxa e também aonde foi criado, que decreto, que autorização foi feita para cobrança dessa taxa”.

Má-fé - Em aparte ao discurso do líder da base governista, o vereador Jerônimo Ferreira também condenou a cobrança da taxa. “Sabemos que quem administra o Balneário Veneza é um funcionário da Prefeitura, porque lá não é privatizado para que se faça cobrança de nenhuma taxa”, endossou Jerônimo reforçando o discurso do colega e se colocando a disposição para investigar o assunto e “proteger ainda mais a população e proteger a Veneza, que é um cartão-postal de Caxias e que foi feito todo com recursos federais”, lembrou Jerônimo ressaltando que é presidente da Comissão de Orçamento e Finanças e que lá “não passou nada [sobre criação de taxa]”. Sobre o administrador da Veneza, Jerônimo disse queria explicações de Zé Mário Júnior, que “usou de má-fé para usurpar os recursos daquelas pessoas que ali estiveram”.

Em outro aparte, Fábio Gentil pediu que a Casa, de maioria governista, “tomasse uma atitude e convocasse as pessoas que pagaram e a pessoa que administra a Veneza para dar uma satisfação ao povo aqui, ao vivo e a cores, pois uma satisfação mínima, nós temos que fazer”.

Encerrando seu discurso, Mário Assunção informou que, no oficio encaminhado às secretarias do município, pediu a suspensão da cobrança de taxas na Veneza. “Dentro do meu oficio pedi a imediata suspensão de qualquer cobrança de taxa para entrada ao Balneário Veneza enquanto não se crie ou se mostre a importância disso”, finalizou o parlamentar que relatou que as mudanças e o código de conduta a ser adotado no Balneário, deve ser discutido com os proprietários de bares do local, “agora se partir de uma forma arbitrária, agressiva e, principalmente, ilegal de se cobrar essa taxa, aí meu colegas vereadores, temos que tomar uma atitude”.

Como colaboração aos vereadores governistas, o titular do blog lhes dá uma importante informação.

Estive lá por volta de 12:30h do feriado de segunda-feira, dia 12. Conferi o número de ônibus no local no horário de pico. Eram 62.

Ao preço de R$ 120 reais por cada ônibus, logo temos exatos R$ 7.440,00 (sete mil, quatrocentos e quarenta reais) no estufado bolso do administrador Zé Mário Júnior, o que é uma grande colaboração com a investigação dos parlamentares.

Não tenho dúvida de que esse recurso cobrado indevidamente dos turistas piauienses será devolvido o mais rápido possível.

Acredito ainda que junto com a devolução do dinheiro irá também um pedido de desculpas do governo Léo Coutinho.

3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Os Coutinhos não se deram por satisfeitos em acabar com a Veneza, pois arrancaram árvores nativas e centenárias, fizeram aquela construção ridícula de concreto e agora querem extorquir mais dinheiro da população cobrando taxas! Cadê o ministério público de Caxias que não faz nada!!!

  1. Anônimo disse...:

    saba não vai dar em nada o administrador da Veneza, que é o zé Mario é o chefe da tropa de choque do Ferdinando, Thais, e Daniel Coutinho, será que esses vereadores aguentam? a presidente da câmara disse alguma coisa? ainda diz.

  1. Anônimo disse...:

    As pessoas querendo a todo custo se dar bem através daquilo que é de todos! não sou contra a criação de uma taxa minima para entrar no balneário cobrada individualmente, haja visto que o mesmo precisa de manutenção porém deve ser criado todo um projeto e uma comissão de administração para o local e não uma aberração dessas que esse individuo está fazendo. É triste a situação do local que mesmo antes de ser inaugurado já estava todo depredado principalmente os banheiros! como se pode cobrar um certo valor por algo que não está em condições adequadas para o uso. Deve ser tomada uma providência imediata quanto a isso!

Postar um comentário