(Gênero literário – novela) POR TRÁS DAS PESQUISAS

21.9.15
Por Jorge Bastiani

Apesar de ser uma prática comum no período das eleições, a gente teima em se espantar com a mesmice dessa prática: o candidato que concorre à reeleição mostrar, em pesquisas manipuladas, o que prometeu e nunca fez, fazendo a mesma promessa. Acredito que isso, em algum momento funcionou, se não, ele não teimaria com essa prática.

Quando elas o beneficiam, explodem nos jornais; em outros casos são capciosamente escondidas das redes de notícias, para que o eleitor não saiba que o pretenso candidato arde no fogo das pesquisas, como se rumasse ao inferno. Essa tática tenta manipular a verdade, acreditando o pretenso candidato que com isso pode mudar o voto do eleitor.

Esse candidato esquece que durante o período em que esteve no comando do governo fez os maiores absurdos em detrimento do bem comum, esquecendo-se de que fora eleito para isso. Aqui, acolá, fazia uma festa na rua para que o povo gastasse a sua energia e esquecesse o cotidiano nefasto que a cidade vivia (e vive!). Mas não dá para esquecer os mortos pela falta de saúde, não dá para esquecer as crianças voltando cedo da escola, para casa, porque não tem merenda escolar! Não dá para esquecer a falta d’água constante! Não dá para esquecer os buracos profundos, nas ruas, que fazem dos habitantes eternos atletas de saltos à distância e pacientes constantes das filas intermináveis dos hospitais! - Não dá para esquecer que o povo tem sentimentos!...

E esse candidato continua fazendo suas pesquisas, pagas a peso de ouro com o dinheiro público, contratando marqueteiros que têm a capacidade de manipular as informações para, mais uma vez, enganar o povo; passar mais uma temporada no governo, aumentar o seu patrimônio, de seus parentes e chegados.

Mas, apesar da maciça e atropelante propaganda que fazem sobre a população, resta a esperança de que apareçam pessoas e propostas melhores que possam enterrar esse cancro e fazer brotar a semente do bem comum.

1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    A gestação do monstro

    oscar.quiroga@estadao.com.br

    Não é tarde demais para procurar um novo mundo, o desânimo resultante da opressão da incompetência mascarada de populismo não deve arraigar-se em teu coração. Estamos todos enfraquecidos por termos deixado passar tempo demais sem reagir, ocupados que parecíamos estar em preservar o mínimo de decência para nossos filhos. Contudo, pessoas normais submetidas à opressão e ao abuso se transformam em monstros ao longo do tempo. Sim, está em gestação uma sombra monstruosa do tamanho da opressão, pois o heroísmo de termos sustentado nossas vidas decentes enquanto nos cuspiam acusando-nos de relapsos se transformou, aos poucos, na monstruosidade que comprova que amar os inimigos não significa deixar de exterminá-los.

Postar um comentário