Alérgicos a dinheiro

23.7.15
Por Edson Vidigal, Advogado, foi Presidente do Superior Tribunal de Justiça e do Conselho da Justiça Federal.

Se alguém te fala sobre alergia a dinheiro, não levas na troça porque pode ser verdade.

Há quem não saiba que, afora o dinheiro sujo, aquele obtido a partir de atividades ilegais que nem essas que tem dominado o noticiário e causado essa ira popular contra parlamentares e governantes brasileiros, o dinheiro de origem legal, obtido em recompensa de trabalho honesto, pode conter bactérias tão nefastas ao ponto de adoecer quem o embolsar.

Até agora não se sabe de nenhum político que tenha que sido diagnosticado com intoxicação alimentar grave causada por estafilococo encontrável em cédulas ou moedas.

Eu também não sabia que o nosso dinheiro, e no caso tanto o sujo oriundo do tráfico, da corrupção nos governos e nos parlamentos, do contrabando de armas, das extorsões ou fraudes fiscais, quanto o obtido no exercício transparente de profissão legal e regulamentada, tanto um quanto o outro, ambos do mesmo fabricante, no caso a Casa da Moeda, o dinheiro que a gente considera limpo também é sujo, embora no outro sentido, eis que dá carona a 50 microrganismos por centímetro quadrado.

O perigo mora mais perto de quem gosta tanto de dinheiro que ao tê-lo em mãos não resiste a alisá-lo esfregando-o com uma forma especial de prazer quase beirando a libidinagem.

Quando começou no Brasil essa conversa de lavagem de dinheiro, a Luísa, filha do Gilson, àquela altura uma guria que gostava muito de lidar com a lógica, ao ser instada sobre a novidade, não se fez de rogada. Foi à pia da lavanderia com uma cédula de dez reais e a lavou literalmente. Com agua e sabão.

Em meio aos estouros de tantos propinodutos e às certezas de outros que ainda estão prestes a estourar, e quando se somam os roubos só se fala em bilhão para cá e bilhão para lá, mais em dólares do que em reais, pois não é que o Banco Central do Brasil está sem dinheiro?

Muito das reservas em dólares foram jogados em operações comuns nas tentativas de impor freios às escaladas do dólar. Por outro lado, o Governo cortou 66% da verba para investimentos da Casa da Moeda, que fabrica o dinheiro, provocando, assim, a falta de cédulas de valores mais populares e de moedas na circulação.

De algum modo, a falta do chamado papel moeda em valores maiores e também das moedas propriamente ditas se harmoniza com o crescimento do desemprego. Como canta Martinho da Vila, dinheiro, para que dinheiro? (...)

O desemprego marcha em passos largos para chegar aos dois dígitos, ou seja, ao mínimo de 10%, até o fim deste ano. E aí camarada, o que pode acontecer? O americano tem por habito criar um peru pelo ano inteiro para come-lo entre a família no Dia de Ação de Graças. E você aí, vai poder mandar para a panela uma galinha no Dia de Natal?

Enquanto isso ou entrementes, como nas histórias em quadrinhos, seguem as mazelas.

Para o canto ao qual olhares, reparando bem verás mazelas. A reforma política não é para melhorar a política, mas eleitoral em favor dos mesmos. O Governo não governa porque a Presidente segue subindo em rejeição popular, levando, por conseguinte, o País aos piores níveis de desconfiança dos investidores internacionais. E tal.

No Maranhão, ainda toca no rádio João do Vale enaltecendo as coisas boas da terra – “Ainda ouço até o jornaleiro a gritar / Imparcial, Diário, olha o Globo / Jornal do Povo descobriu outro roubo...” Era o jornal do Neiva Moreira, - contra a opressão e a injustiça social - sempre inspirador na Oposição, incendiado nas primeiras horas do golpe militar.

Como a esperança ainda não morreu, resta-nos ainda o Jornal Pequeno.

0 comentários:

Postar um comentário