Caxiense assassinado em Brasília vai ser enterrado como indigente

16.6.15
A Polícia Civil por meio do IML do Distrito Federal informa que o corpo de um homem natural de Caxias será sepultado como indigente. A determinação do sepultamento é porque já se passaram 15 dias do seu falecimento e não reclamado por familiares em suas dependências.

Trata-se de Alexandre de Sousa Rodrigues, nascido em 27 de junho de 1990. Seus pais são: Alberto Rodrigues e Darlene de Sousa.

Alexandre morreu vítima de esfaqueamento.

Qualquer informação o IML de Brasília disponibiliza o seguinte telefone: 3207-4815 ou 3207-4827. (Fonte: Mano Santos/Portal Noca)

2 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Fico decepcionado com a policia as vezes, porque um caso desse já era pra eles terem conseguido encontrar os parentes desse rapaz, porque se ele tem os dados dos pais ja era pra ter localizado.
    Triste o Brasil se fosse os estados unidos já tinha localizado todos os parentes em um só dia, mais como o governo e as autoridades está pouco se importando com os brasileiros, está ai mais um caso!!

  1. Anônimo disse...:

    creio que nesse caso nem os pais estão preocupados com o corpo dele. desde pequeno se envolveu no mundo do crime e era foragido do presidio de Timon. Um de seus irmãos foi assassinado em Timon com um tiro no rosto por acerto de contas, na ocasião ao corpo chegar a Caxias disseram que foi acidente de moto. Seu irmão mais velho, ficou com problemas mentais após sair da CCPJ de Caxias por ter levado muitas pancadas na cabeça dos outros detentos. Seus pais se separaram. Seu pai mora atualmente em São João do Soter com seu irmão que ficou com problemas mentais. Sua mãe foi embora de Caxias não se sabe pra onde. Em resumo, posso dizer, como pessoa que convivi muito tempo com eles, pois era amigo dos tres, que fico muito triste com a situação, vendo como uma familia foi totalmente destruida. Eles tiveram os dois caminhos para escolher, infelizmente escolheram o crime. Que o Alexandre (Chamego) descanse em paz...

Postar um comentário