Em sessão que comparou Léo Coutinho a Nero e Herodes, Catulé critica omissão das igrejas católica e evangélica: “Não vimos nenhuma delas se manisfestar sobre esse infanticídio”

30.4.15

Com um forte sentimento de revolta diante das centenas de mortes ocorridas na Maternidade Carmosina Coutinho, o vereador Catulé (PSB) fez um contundente discurso na Câmara nesta quarta-feira, 29, onde se mostrou estarrecido com as informações vindas a tona na reportagem da TV Record. “Me chocou mais ainda, pois tinha um ingrediente igualmente grave, que é a cegueira em dezenas de crianças”, disse Catulé continuando “isso me tocou, e só não tocou quem não é pai ou é bajulador”, asseverou o parlamentar visivelmente emocionado com o novo ingrediente da tragédia caxiense, que é a escuridão eterna para dezenas de nascidos na unidade de saúde caxiense.

Nos últimos tempos, nossa cidade é destaque negativo em todo o Brasil”, ressaltou o parlamentar oposicionista citando a Maternidade de Patos, na Paraíba, que atende a mesma quantidade de cidades que a caxiense “e lá o número de óbitos é significativamente menor que nossa cidade”. “Fiquei abismado com um médico dizer que a maioria de mortes não eram de Caxias”, indignou-se o oposicionista estarrecido com alguém afirmar que mortes de outras cidades eram menos graves que aquelas ocorridas com os caxienses.

Em outro trecho do discurso, Catulé destacou que, não precisando ser especialista, “sabemos que aquela maternidade está relegada a 4º, 5º plano, embora já tendo recebido R$ 1 milhão de reais para a área de saúde nos últimos dias do governo anterior, ocupado pelo deputado Arnaldo Melo, e há pouco tempo agraciada com mais R$ 9 milhões do atual governo para esse setor”.

Citando o deputado estadual Humberto Coutinho, o vereador acredita que ele não deve estar satisfeito com o fato da Maternidade levar o nome de sua genitora. “Acredito que ele está muito triste com o nome da sua mãe estar naquela Maternidade”, avalia ele diante de tanta noticia negativa produzida por aquela unidade de saúde.

No ponto alto do discurso, Catulé lembrou do livro sagrado e comparou Léo Coutinho a personagens de triste passagem na história. “Lembro da Biblia, do massacre dos inocentes, quando Herodes mandou matar as crianças por medo da chegada do Messias, e Nero, que mandou matar a própria mãe”, discorreu Catulé acreditando que, diante das mortes na Carmosina Coutinho, “Léo Coutinho está abrindo o coração de centenas de mães”. “Não sei se o destino desse jovem não é tocar fogo nessa cidade”, exclamou o parlamentar.

Outro dado importante do discurso de Catulé foi o fato do silêncio das igrejas em Caxias. “Eu não vi nem a igreja católica e nem a evangélica emitir nota de pesar diante dessa tragédia”, lamentou no final do discurso.

4 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Pior estaria se não tivesse o vereador CATULÉ, para denunciar na Câmara esses fatos inadmissíveis que estão acontecendo em Caxias. Aproveito esse espaço para conclamar o nobre vereador para denunciar novamente, contra a retirada dos médicos legistas de Caxias. Ontem aconteceu mais um homicídio, sendo que a vitima faleceu no Socorrão, horas após dar entrada, isso no final da tarde, sendo que a equipe do IML de Timon, só chegou para levar o corpo as 20:30 minutos, e de lá só foi liberado horas depois, ficando nos familiares na angustia e com dificuldades de ir buscar o corpo em Timon. Isso é uma vergonha e humilhação para nos Caxienses, pois, um serviço que era feito aqui e não demorava nada para nos termos mais tempo para ficar com nossos. Faço esse apelo porque nem O deputado Humberto Coutinho nem Flavio Dino, ate agora tomaram uma decisão, e só que esta sofrendo somos nós. Portanto, rogo as autoridades para que retorne os serviços de perícias em vivos e mortos o mais rápido possível. Por isso CATULÉ e outros que queriam nos ajudar gritem e usem suas vozes por nós

  1. Anônimo disse...:

    O que está acontecendo com o povo? ninguém diz nada..., cadê o ministério público? Cadê as sociedadesorganizadas?
    Meu DEUS!
    Além da saúde, a educação de responsabilidade do estado ta na mesma situação, ainda falta professores, inclusive escolas da zona rural onde funciona anexo nunca iniciaro as aulas e, é porque fizeram a maior blábláblá que seria diferente, inclusive, onde era aula pela TV agora seria presencial, e até agora (Maio) praticamente e nada....
    Cadê o ministério público?

  1. Anônimo disse...:

    Queria saber também do posicionamento da Oab?

  1. Anônimo disse...:

    Se e só se algo que esteja acontecendo de não tanta gravidade para os lideres religiosos falarem sobre esse pequeno problema, vemos isso é quem vê nos grandes shows evangélicos ou grandes procissões quem anda do lado de quem, a própria bíblia revela que um dia chegaria onde os homens sentiriam vergonha em dizer a verdade.

Postar um comentário