Artigo do Chico Leitoa: Velhas novas tarde de domingo

21.1.15
De 15 horas até as 19, do ultimo domingo, 17.01.2015, eu e dona Beta vivemos algo inusitado. Depois da presença dos netos, filhos, irmãos e alguns sobrinhos, eis que nos achamos a sós, na paz e no cenário bucólico do Sítio BG. Espaço sagrado que há vinte e um anos, tem nos propiciado grandes momentos.

Pois bem, de repente, menos o segurança, todos foram embora e ficamos apenas Eu e Beta, ela numa cadeira de espaguete e eu numa rede. Dentro das limitações de sua voz, conversamos bastante. Nesse período ela saboreou um mousse de bacuri e um copo d’água servido por mim, e eu, como é praxe, umas três taças de vinho Tinto Seco, de olho no diabetes.

Os pássaros que ainda não foram vitimados entoavam sons raros e belos, enquanto desfrutávamos da ampliada paisagem, decorrente de um trabalho de roço recente. De repente dona Beta, pegou seu iPad e com seus movimentos frágeis, fez soar, musicas de Billy Nelson. As letras em inglês, claro, não nos permitiam entender, mas a melodia não tem idioma e como se conjugada com o ambiente, nos fez viver um grande momento e reviver muitas coisas.

Lembramos inclusive de um domingo de 1997, logo depois do termino do primeiro mandato, em que compramos uns dois quilos de mandi dourado e resolvemos vir só nós ao BG. A Beta mesma fez o almoço, cozinhando todo o peixe, pois sempre aparecia alguém. O peixe estava uma delicia dona Beta sempre soube cozinhar bem. Como não apareceu ninguém, almoçamos e sobrou bastante. Deitamos cada um numa rede, no mesmo local que agora e depois de um bate papo, agarramos no sono. Acordamos ao cair da tarde e ninguém apareceu. Perguntei: cadê o povo? Sorrimos bastante da situação, pois em outros "carnavais" era impossível.

Evitamos falar de problemas, lembramos de quando compramos o BG, registramos numa fita o primeiro final de semana, a alegria do Luciano com 13 e o David com 11 anos, Gabriel, Rafael, Toinho, Pedro e Elias, todos mais ou menos da mesma idade brincando ao redor da casa. Falamos dos netos e de planos e providências tudo relativo aos nossos habitates, claro para lhe oferecer melhor qualidade de vida, inclusive nas rampas de acessibilidades que acabamos de fazer aqui no sítio e na adaptação que estamos fazendo em nossa casa da Avenida Teresina que depois de trinta anos passa por uma modificação, totalmente vinculada às condições de saúde dela.

Outras lembranças fizeram parte da nossa tarde noite de magia que somente um forte sentimento de união propicia, num tempo que já se aproxima de 40 anos que estamos juntos.
...o quadro de saúde de Beta foi momentaneamente superado e olhei pra ela, sempre bonita, e lhe disse: isso é digno de registro, faltou o self...sobrou carinho.

(Por Chico Leitoa, inquilino de Pedro, Ana e Sofia, arranchado no BG com dona Beta)

0 comentários:

Postar um comentário