Agressões e baixarias contra humorista Oscar Filho é pano de fundo para não responder sobre mortes na Maternidade Carmosina Coutinho

2.11.14
Desde que o humorista do Programa CQC, Oscar Filho, tentou entrevistar o prefeito de Caxias Léo Coutinho num restaurante da cidade, uma sórdida e deplorável campanha de difamação foi deflagrada contra ele pela mídia palaciana e demais satélites alugados pelo grupo Coutinho em Caxias e na capital.

Para começo de conversa, a estratégia de tentar desqualificar o acusador em detrimento as respostas que devem ser dadas, mostram claramente a falta de interesse em explicar o que se tenta apurar.
 
Oscar Filho esteve em Caxias para apurar a morte de dezenas de recém-nascidos na Maternidade Carmosina Coutinho, cujo assunto foi divulgado nacionalmente pela Band no seu principal telejornal.

E foi o próprio prefeito Léo Coutinho que enviou correspondência à TV Band pedindo uma equipe paulista para esclarecer a suposta verdade sobre as mortes no centro de saúde caxiense.

O CQC, embora seja um programa de humor, possui vários quadros onde assuntos sérios são abordados de forma transparente e com as devidas explicações das autoridades investigadas.

É comum se assistir no premiado programa, prefeitos e demais gestores públicos recebendo a equipe do “Proteste Já” e dando suas explicações, assim como também é comum a esses gestores pedirem um prazo para corrigir distorções ou falhas nas suas respectivas administrações.

A oportunidade para apresentar respostas e a transparência do programa é um fator positivo para figuras públicas que são entrevistadas no CQC.

Mas o prefeito de Caxias, numa demonstração de total falta de compromisso com a transparência, resolveu endurecer o jogo com Oscar Filho e fugiu das perguntas feitas.

O silêncio do prefeito foi seguido por toda a administração municipal que se nega a fazer qualquer esclarecimento oficial sobre o que vem acontecendo na Maternidade Carmosina Coutinho.

Mas se o silêncio oficial está sendo seguido a risca, na propaganda negativa contra o humorista vindo de São Paulo os “mensageiros do apocalipse” falam aos borbotões.

Na mídia couthiniana, Oscar Filho é usuário de drogas, uma hora é gay e logo em seguida é homofóbico, racista, espancador de mulheres e todo termo pejorativo é usado no arsenal para denegrir a imagem do famoso humorista tentando imputar a ele defeitos que poderia fazê-lo ser denunciado na ONU por crimes contra a humanidade.

Até mesmo a triste campanha do PT feita na última eleição de pobre contra rico, de sul/sudeste contra nordeste está sendo utilizada para desqualificar um profissional que só busca a verdade.

É uma jogada baixa, preconceituosa e repugnante, haja vista que a vinda dele a Caxias foi para apurar a grave denúncia da morte de dezenas de crianças na Maternidade do município.

Que a verdade seja dita, mas sem a maquiagem oficial e o prefeito e secretário prestando os devidos esclarecimentos que agora, não só Caxias, mas todo o Brasil, querem saber.

Caxias e o Brasil não querem saber de baixaria.

Todos só querem a verdade que Léo Coutinho insiste em não revelar.

3 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Botou as coisas no seu devido lugar blogueiro. Não precisava o prefeito e sua corja tentarem desqualificar Oscar Filho sem no entanto explicarem as mortes. Uma coisa triste que o Brasil saberá com detalhes nesta segunda-feira no CQC.

  1. Anônimo disse...:

    Temos que colocar os pingos nos is nessa história. Arrochou bem Sabá. Mas cuidado com os homi!!!!!!!!!

  1. Anônimo disse...:

    Que pena que nossa cidade nao tem jornalismo sério e sim politicagem ,aliás em todo país sempre tem a politicagem no meio.

Postar um comentário