1989/2014: O mesmo retrato 25 anos depois

26.10.14
Os leitores estão cansados de ouvir e ler em análises dos mais diferentes tipos sobre a similaridade da atual eleição presidencial e o pleito de 1989.

Vou falar da minha experiência do período.

Lembro da emoção daquela eleição em que disputavam Lula, pelo Partido dos Trabalhadores e Fernando Collor, pelo Partido da Reconstrução Nacional.

Naquela época não existia internet, os jornais eram acessíveis a poucos e ficávamos quase sempre atrelados ao horário eleitoral e as nossas próprias convicções sobre o quadro político para podermos escolher o nosso candidato.

Ainda um jovem, passava o dia nas praças, nos comércios e em qualquer lugar onde se discutia política para defender a candidatura de Lula, que era o representante das mudanças, contra o representante das oligarquias regionais, Fernando Collor de Mello.

Com Lula derrotado, lembro-me do sentimento de frustração que se assolou em mim, na maioria dos meus familiares e nos amigos mais próximos. Não conseguimos realizar o sonho daquela geração e assistimos Fernando Collor assumir a Presidência da República e mergulhar o país no descrédito com o início do processo de impeachement e consequente cassação do seu mandato em 1992.

Hoje, com a derrota de Aécio Neves, sinto o mesmo sentimento daquele distante 1989. Só que agora, ao contrário daquela época, Lula, e o PT, encarnam o Collor de 89, que, aliás, estão agora ligados umbilicalmente.

O PT de 2014 aliou-se a Collor, Renan Calheiros, José Sarney, Jader Barbalho e demais oligarcas do Brasil.

Mas, como em 1989, levanto a cabeça e continuo acreditando nos mesmos ideais daquele ano e votando com as mesmas convicções que tenho da política como instrumento de melhoria da qualidade de vida de nossa sociedade.

Foi uma campanha sórdida encampada pelo PT, em que o terrorismo político foi usado como instrumento de convencimento de eleitores.

As mentiras plantadas e os ataques contra os adversários mostraram do que o Partido dos Trabalhadores é capaz para se manter no poder.

É hora de seguir adiante e respeitar a vontade soberana do eleitor brasileiro.

E viva a democracia!

9 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Chuuuuupa!!

  1. Anônimo disse...:

    Sabá, creio que temos a mesma idade, pois vivi e vivo essas mesmas sensações. Só espero que o PT respeite mais da metade dos brasileiros que não votaram em Dilma e não queira fazer do Brasil, uma Venezuela. Bela análise do cenário político

  1. Anônimo disse...:

    O COLOR NÃO ESTAVA CONCORENDO A REELEIÇÃO SENDO ASSIM, NÃO TINHA OS ÓTIMOS INDICADORES DA DILMA, QUE, GRAÇAS A DEUS, NÃO TEM O PC FARIAS EM SEU GOVERNO. DE FATO, UM OUTRO TEMPO E UMA REALIDADE DIFERENTE.

  1. claudio saba disse...:

    Caro anônimo, a abordagem não é reeleição e sim os sentimentos de mudança representados por Lula contra Collor em 1989. Dilma jamais poderia ter o PC Farias em seu governo, mas tem os patrões dele, Collor e Renan. Ah! O PC Farias de hoje está representado em muitos outros: Delúbio, no primeiro mandato de Lula, já preso no mensalão, e Vacari, envolvido nas falcatruas do petrolão e que caminha também para a Papuda fazer companhia aos ‘cumpanheiros’.

  1. Anônimo disse...:

    Parabéns, Saba, pela síntese. Em 1989 quando agitava bandeira vermelha na praça da sé, tinha uma esperança, de ver o Brasil livre da opressão Capitalista Imperialista. Hoje os mocinhos se venderam todos e ainda empunham a mão em cima de cavalos como heróis nacional. Tenho Fé, sou Vitorioso.

  1. Anônimo disse...:

    Por isso q a tucanada não volta mais ao poder,é muito imbecil,idiota...cuba,venezuela,kkkkk...

  1. Anônimo disse...:

    É senhor Sabá, a história se repete e, infelizmente, a bandeira do combate aos corruptos e coronéis é só lembrança de 89.

  1. Anônimo disse...:

    esse sentimento de mudança que vc fala e defende, sem perspectivas e sem projetos, não são mudanças com densidade. Deixe a paixão partidária de lado, o Aécio e a "cambada " dele, FHC, que inclusive, foi desrespeitoso e chamou aposentados brasileiros, que tanto contribuíram com o Brasil, de vagabundos e o Sr Armínio Fraga, já quebraram o Brasil três vezes. Essa questão da corrupção esta vindo a tona agora pois, não existe mais o engavetador geral tucano.

  1. Anônimo disse...:

    sarney ministro da cultura, Alberto Youssef não presta conta porque está doente, José Dirceu livre e herói nacional, base de apoio já desconstruiu a fala da Presidente sobre as reformas. Brasil mostra a tua pizza.

Postar um comentário